RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Seguros de vida: livre prestação de serviços (até novembro de 2012)

A União Europeia procede a uma reformulação das disposições relativas à livre prestação de serviços transfronteiras no domínio dos seguros de vida, a fim de simplificar a legislação existente nesta área.

ATO

Diretiva 2002/83/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 5 de novembro de 2002, relativa aos seguros de vida [Ver atos modificativos].

SÍNTESE

Âmbito de aplicação

Esta diretiva diz respeito ao acesso à atividade não assalariada do seguro direto exercida por empresas estabelecidas num Estado-Membro ou que nele pretendam estabelecer-se. Abrange, nomeadamente, os seguros de vida e determinadas poupanças decorrentes de contratos.

Condições de obtenção de uma autorização

O acesso à atividade não assalariada do seguro direto está subordinado à obtenção de uma autorização prévia. Essa autorização deve ser solicitada às autoridades competentes do Estado-Membro de origem; a autorização é válida em toda a União Europeia (UE) e permite que as empresas de seguros exerçam a sua atividade em regime de estabelecimento ou de livre prestação de serviços.

Para poderem solicitar e obter uma autorização, as empresas de seguros devem preencher os critérios seguintes: adotar a forma jurídica adequada, dispor de um fundo de garantia mínimo e prestar as informações requeridas pelas autoridades de supervisão. O indeferimento do pedido de concessão de uma autorização deve ser fundamentado e notificado à empresa interessada. Se for caso disso, a autoridade competente do Estado-Membro de origem informa desse facto as autoridades competentes dos outros Estados-Membros, que devem adotar as medidas adequadas.

Para disporem de uma autorização, as agências ou sucursais de empresas estabelecidas no território da União Europeia e com sede social fora da União Europeia devem, designadamente, satisfazer as condições seguintes: estar habilitadas de acordo com o seu direito nacional, constituir uma agência ou sucursal no território desse Estado-Membro e designar um mandatário geral, que deve dispor do acordo da autoridade competente.

Supervisão financeira

A supervisão financeira incumbe às autoridades do Estado-Membro de origem. Essas autoridades competentes analisam o conjunto das atividades da empresa de seguros e a sua situação de solvência. Além disso, certificam-se de que as empresas de seguros procedem à constituição de provisões técnicas, têm uma boa organização administrativa e contabilística e adotam os procedimentos de controlo interno adequados.

Avaliação prudencial

  • A diretiva define critérios precisos para a avaliação prudencial dos acionistas e da direção da empresa no quadro de uma proposta de aquisição e define um procedimento claro para a sua aplicação. Este processo de avaliação é conduzido pelas autoridades competentes, de forma concertada.

A diretiva prevê, nomeadamente, que as autoridades competentes ajuízem da adequação do potencial comprador e da solidez financeira da aquisição em causa, de acordo com determinados critérios:

  • A reputação e solidez financeira do potencial comprador;
  • A idoneidade e experiência das pessoas que irão dirigir a empresa de seguros após a aquisição;
  • A capacidade da empresa de seguros para cumprir, e continuar a fazê-lo, as suas obrigações prudenciais;
  • A existência de motivos razoáveis para suspeitar de uma operação ou de uma tentativa de branqueamento de capitais ou de financiamento do terrorismo.

Sigilo profissional

A diretiva estabelece exatamente em que condições se podem utilizar as informações confidenciais: as autoridades competentes só podem utilizar essas informações no exercício das suas funções e as pessoas que trabalham para as autoridades competentes estão abrangidas pelo sigilo profissional.

Provisões técnicas e diversificação dos investimentos

As empresas de seguro devem criar provisões técnicas, que são calculadas segundo um método atuarial prospetivo e cuja taxa de juro é fixada pela autoridade competente do Estado-Membro de origem. As empresas de seguros devem pôr à disposição do público as bases e métodos utilizados na avaliação das provisões técnicas.

A diretiva obriga as empresas de seguro a diversificar os seus investimentos: neste contexto, a diretiva define os limiares que as empresas de seguro devem respeitar a nível de investimento de ativos representativos das provisões técnicas.

Margens de solvência e fundos de garantia

As empresas de seguros devem ter uma margem de solvabilidade suficiente. Esta margem pode ser constituída pelo património (capital social realizado, reservas e lucros ou perdas a transitar) ou por outros ativos financeiros da empresa.

Um terço do montante da margem de solvência constitui o fundo de garantia, que não pode ser inferior a três milhões de euros. Este montante é revisto anualmente.

Direitos do contrato e condições de seguro

O direito aplicável aos contratos relativos às atividades abrangidas pela diretiva é o direito do Estado-Membro onde foi assumido o compromisso. No entanto, determinadas disposições visam garantir a possibilidade de optar por uma legislação diferente. Qualquer segurado que celebre um contrato individual de seguro de vida por iniciativa própria disporá de um prazo de 14 a 30 dias para cancelamento do mesmo.

Direito de estabelecimento e livre prestação de serviços

Qualquer empresa de seguros que pretenda abrir uma sucursal no território de outro Estado-Membro ou exercer a sua atividade num ou vários Estados-Membros, em regime de livre prestação de serviços, deve notificar as autoridades competentes do Estado-Membro de origem e prestar as informações necessárias. Compete ao Estado-Membro em causa tomar as medidas necessárias para pôr fim a quaisquer situações irregulares de uma empresa de seguro no seu território.

Cooperação entre os Estados-Membros e a Comissão

As autoridades competentes dos Estados-Membros colaboram estreitamente com a Comissão, que é assistida pelo Comité de Seguros, para facilitar o controlo das empresas do sector.

A presente diretiva é revogada pela diretiva relativa ao acesso à atividade de seguros e resseguros a partir de 1 de novembro de 2012.

REFERÊNCIAS

AtoEntrada em vigorPrazo de transposição nos Estados-MembrosJornal Oficial

Diretiva 2002/83/CE

19.12.2002

Conforme os artigos:
19.6.04
17.11.02
20.9.03

JO L 345, 19.12.2002.

Ato(s) modificativo(s)Entrada em vigorPrazo de transposição nos Estados-MembrosJornal Oficial

Diretiva 2004/66/CE

1.5.2004

1.5.2004

JO L 168, 1.5.2004.

Diretiva 2005/1/CE

13.4.2005

13.5.2005

JO L 79, 24.03.2005.

Diretiva 2005/68/CE

10.12.2005

10.12.2007

JO L 323, 9.12.2005.

Diretiva 2006/101/CE

1.1.2007

1.1.2007

JO L 363, 20.12.2006.

Diretiva 2007/44/CE

21.9.2007

20.3.2009

JO L 247, 21.09.2007.

Diretiva 2008/19/CE

20.3.2008

-

JO L 76, 19.3.2008.

As sucessivas alterações e correções da Diretiva 2002/83/CE foram integradas no texto de base. A versão consolidada tem apenas valor documental.

Última modificação: 26.10.2011
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página