RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


O papel da normalização na Europa

A normalização desempenha um papel central no bom funcionamento do mercado interno juntamente com o princípio do reconhecimento mútuo. As normas europeias harmonizadas contribuem para assegurar a livre circulação de mercadorias no mercado interno e permitem reforçar a competitividade das empresas na União Europeia (UE). Contribuem igualmente para proteger a saúde e a segurança dos consumidores europeus, bem como o ambiente.

ACTO

Resolução do Conselho, de 28 de Outubro de 1999, relativa ao papel da normalização na Europa [Jornal Oficial C 141 de 19.05.2000].

SÍNTESE

O Conselho constata que foi instaurado um sistema sólido de normalização na Europa, nomeadamente no âmbito da « nova abordagem »; este facto também é reconhecido pela Comissão no relatório de 1998 sobre a eficácia e a legitimidade em matéria de normalização europeia. Estes esforços desempenharam um papel importante para o bom funcionamento do mercado interno, designadamente para a livre circulação das mercadorias e dos serviços. O sistema contribuiu igualmente para a protecção da saúde e da segurança, a competitividade da indústria e a promoção do comércio internacional.

Princípios de normalização

A normalização, que se reveste de um carácter voluntarista, é baseada no consenso e realizada por todas as partes interessadas. O Conselho incentiva os organismos de normalização europeus a desenvolverem novas políticas para se adaptarem às necessidades do mercado:

  • Diversificando a gama de produtos e serviços oferecidos às partes interessadas.
  • Desenvolvendo um sistema hierarquizado de produtos que não sejam normas oficiais e que inclua a elaboração de procedimentos e de processos de consulta.

A Comissão foi instada a analisar a forma como deverá ser estabelecido um quadro comunitário de princípios no que diz respeito à utilização de especificações que não tenham o estatuto de normas oficiais. Além disso, a Comissão deve ponderar se as diferenças entre a normalização no domínio das tecnologias da informação e das comunicações e a normalização noutros sectores suscita problemas.

Alargamento

O Conselho saúda as medidas tomadas pelos países candidatos no sentido de criar as infra-estruturas de normalização para a sua participação plena e efectiva no processo de normalização europeia.

Papel das autoridades públicas

Tendo em conta o impacto da normalização europeia nas empresas, as autoridades públicas têm um interesse legítimo na matéria. A este respeito, o Conselho solicita às autoridades públicas que reconheçam a importância estratégica da normalização europeia, contribuindo para a manutenção de um quadro jurídico, político e financeiro estável e transparente, no qual a normalização possa desenvolver-se. Além disso, o Conselho convida a Comissão a analisar se os princípios da «nova abordagem» podem ou não ser aplicados a sectores ainda não abrangidos, como forma de melhorar e simplificar a legislação. O Conselho insta igualmente a Comissão, as autoridades públicas e os organismos de normalização europeus a adoptarem procedimentos para a resolução de problemas, tendo em conta a eventual aplicação da cláusula de salvaguarda.

Eficácia

Os organismos de normalização são convidados a actualizarem permanentemente as suas políticas destinadas a tornar mais eficiente o processo de normalização. Desta forma, as normas fornecidas respondem às exigências do mercado, inclusive das pequenas e médias empresas. A Comissão é convidada a efectuar estudos sobre o impacto global da normalização e a contribuir para estabelecer um sistema de aferição dos desempenhos dos organismos de normalização.

O Conselho registou com preocupação os atrasos em determinados sectores. As partes interessadas são convidadas a tomarem medidas destinadas a permitir a elaboração das normas necessárias para facilitar a livre circulação de mercadorias nestes sectores.

Financiamento

Segundo o Conselho, os custos da elaboração de normas deverão, em princípio, ser suportados pelas próprias partes interessadas. Confirma, contudo, a sua intenção de continuar a dar à normalização europeia um apoio financeiro comunitário especificamente orientado.

Normalização internacional

O Conselho reafirma a importância das obrigações respeitantes ao acordo relativo aos obstáculos técnicos ao comércio da Organização Mundial do Comércio (OTC-OMC). O Conselho insta os parceiros comerciais da Europa a traduzirem na prática o seu empenhamento na normalização internacional mediante a introdução de modelos de regulamentação susceptíveis de integrar normas e a promoverem a coerência entre as normas nacionais e internacionais.

Sempre que sejam elaboradas normas a nível internacional, as partes interessadas, tais como os grupos de interesses dos trabalhadores, dos consumidores e do ambiente, devem ser plenamente associadas ao processo de normalização.

A Comissão é convidada a desenvolver, em consulta com os Estados-Membros, orientações para uma política de normalização europeia em matéria de normalização num contexto internacional.

ACTOS RELACIONADOS

Conclusões do Conselho, de 21 e 22 de Dezembro de 2004, sobre a Comunicação da Comissão ao Parlamento Europeu e ao Conselho, de 18 de Outubro de 2004, relativa ao papel da normalização europeia no âmbito da legislação e das políticas europeias [COM(2004) 674 final].
Na sequência da Comunicação da Comissão relativa ao papel da normalização europeia no âmbito da legislação e das políticas europeias, o Conselho proferiu, em Dezembro de 2004, conclusões em que:

  • Reconhece que a normalização europeia pode contribuir para a aplicação dos objectivos da estratégia de Lisboa bem como do desenvolvimento sustentável.
  • Reconhece a necessidade de realizar novos progressos tendo em vista a criação de novas tecnologias e o bom funcionamento do mercado interno dos serviços.
  • Considera que a normalização europeia pode desempenhar um importante papel no domínio da competitividade das empresas europeias, da inovação e da base de conhecimento da economia.

Conclusões do Conselho, de 1 de Março de 2002, sobre a normalização [Jornal Oficial C 66 de 15.03.2002].
Nas suas conclusões de 2002, o Conselho tem em conta o relatório da Comissão de 2001. O Conselho reitera a necessidade de as autoridades públicas reconhecerem a importância estratégica da normalização. Além disso, constata com satisfação os progressos realizados pelos países candidatos e os seus organismos nacionais de normalização.

Relatório da Comissão ao Conselho e ao Parlamento Europeu sobre as acções empreendidas no seguimento das resoluções sobre normalização europeia adoptadas pelo Conselho e pelo Parlamento Europeu em 1999 [COM(2001) 527 final - Não publicado no Jornal Oficial].

Resolução do Conselho, de 18 de Junho de 1992, relativa ao papel da normalização europeia no âmbito da economia europeia [Jornal Oficial C 173 de 09.07.1992].

Resolução do Conselho, de 7 de Maio de 1985, relativa a uma nova abordagem em matéria de harmonização técnica e normalização [Jornal Oficial C 136 de 04.06.1985].

 
Última modificação: 31.10.2005
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página