RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 13 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Regime fiscal comum aplicável às empresas-mãe e suas filiais

Arquivos

A União Europeia estabelece, no que respeita aos agrupamentos de sociedades de Estados-Membros diferentes, regras fiscais neutras relativamente à concorrência. Suprime a dupla tributação dos lucros distribuídos sob forma de dividendos por uma sociedade afiliada situada num Estado-Membro à sociedade-mãe situada num outro

ACTO

Directiva 90/435/CEE do Conselho, de 23 de Julho de 1990, relativa ao regime fiscal comum aplicável às empresas-mães e às suas filiais em Estados-Membros diferentes [Ver Actos Modificativos].

SÍNTESE

A presente directiva, com a redacção que lhe foi dada pela Directiva 2003/123/CE, é aplicada por cada Estado-Membro:

  • À distribuição de lucros obtidos por estabelecimentos estáveis, situados nesse Estado, de sociedades de outros Estados-Membros e provenientes das suas afiliadas instaladas num Estado-Membro que não seja o Estado-Membro em que está situado o estabeleciment estável.
  • À distribuição de lucros por sociedades desse Estado-Membro a estabelecimentos estáveis, situados noutro Estado-Membro, de sociedades do mesmo Estado-Membro de que aquelas sejam afiliadas.

A presente directiva não afecta a aplicação das disposições nacionais ou convencionais necessárias para evitar as fraudes e os abusos.

Para efeitos da aplicação da directiva, a expressão «sociedade de um Estado-Membro» designa qualquer sociedade:

  • Que revista uma das formas enumeradas na nova lista anexada à Directiva 2003/123/CEE e que inclui novas entidades jurídicas como as cooperativas, as sociedades mútuas de seguros, as sociedades sem capital social, os bancos de poupança ou ainda as associações que exercem actividades comerciais.
  • Que, de acordo com a legislação fiscal de um Estado-membro, seja considerada como tendo nele o seu domicílio fiscal e que, nos termos de uma convenção em matéria de dupla tributação celebrada com um Estado terceiro, não seja considerada como tendo domicílio fora da Comunidade.
  • Que, além disso, esteja sujeita, sem possibilidade de opção e sem dele se encontrar isenta, a um imposto sobre as sociedades.

O termo «estabelecimento estável» designa qualquer «instalação fixa» (situada num Estado-Membro):

  • Através da qual uma sociedade de outro Estado-Membro exerce, no todo ou em parte, a sua actividade.
  • Cujos lucros estejam sujeitos a imposto no Estado-Membro em que estiver situada, ao abrigo de um tratado fiscal bilateral aplicável ou, na ausência do mesmo, ao abrigo do direito nacional.

A qualidade de «sociedade-mãe» é reconhecida a qualquer «sociedade de um Estado-Membro» que detenha no capital de uma sociedade de outro Estado-Membro, que preencha as mesmas condições, uma participação mínima de 20 %.

Esta qualidade é também reconhecida, nas mesmas condições, a uma «sociedade de um Estado-Membro» que detenha no capital de uma sociedade do mesmo Estado-Membro uma participação mínima de 20 %, total ou parcialmente, por intermédio de um estabelecimento estável da primeira sociedade situado noutro Estado-Membro.

A partir de 1 de Janeiro de 2007, a percentagem mínima de participação no capital será de 15%. A partir de 1 de Janeiro de 2009, a percentagem mínima de participação no capital será de 10%.

Entende-se por «sociedade afiliada» a sociedade em cujo capital é detida uma participação mínima de 20%.

Os Estados-Membros podem:

  • Substituir o critério de participação no capital pelo da detenção de direitos de voto.
  • Não aplicar a presente directiva às suas sociedades que não conservem uma participação que dê direito à qualidade de sociedade-mãe, nem às sociedades em que uma sociedade de outro Estado-Membro não conserve essa participação.

Até à criação efectiva de um sistema comum de tributação das sociedades, os Estados-Membros aplicam as regras que se seguem.

Sempre que uma sociedade-mãe ou o seu estabelecimento estável, em virtude da associação com a sociedade sua afiliada, obtenha lucros distribuídos de outra forma que não seja por ocasião da liquidação desta última, o Estado da sociedade-mãe e o Estado do estabelecimento estável da sociedade-mãe:

  • Ou se abstém de tributar esses lucros
  • Ou os tributa, autorizando a sociedade-mãe e o estabelecimento estável a deduzir do montante do imposto devido, a fracção do imposto sobre as sociedades pago sobre tais lucros pela sociedade afiliada e por qualquer sociedade sub-afiliada (respeitando os requisitos acima referidos em termos de definição e percentagem mínima de participação no capital).

Para além disso, a directiva prevê a determinação do imposto dedutível pela sociedade-mãe de forma completa (incluindo os impostos pagos pelas sociedades sub-afiliadas) a fim de eliminar totalmente a dupla tributação. Do mesmo modo, na ausência de um sistema comum de dupla tributação, a directiva inclui, no imposto a deduzir dos lucros da sociedade-mãe, o conjunto dos impostos pagos pelas sociedades afiliadas nos diferentes Estados-Membros.

Os Estados-Membros conservam a faculdade de prever que os encargos respeitantes à participação e as menos-valias resultantes da distribuição dos lucros da sociedade afiliada não sejam dedutíveis do lucro tributável da sociedade-mãe.

Os lucros distribuídos por uma sociedade afiliada à sua sociedade-mãe são isentos de retenção na fonte.

O Estado-Membro de que depende a sociedade-mãe não pode aplicar uma retenção na fonte sobre os lucros que esta sociedade recebe da sua afiliada.

REFERÊNCIAS

ActoEntrada em vigorTransposição nos Estados-MembrosJornal Oficial
Directiva 90/435/CEE30.07.199001.01.1992JO L 225 de 20.08.1990

Acto(s) modificativo(s)Entrada em vigorTransposição nos Estados-MembrosJornal Oficial
Directiva 2003/123/CE02.02.200401.01.2005JO L 7 de 13.01.2004
Directiva 2006/98/CE01.01.200701.01.2007JO L 363 de 20.12.2006

ACTOS RELACIONADOS

Comunicação da Comissão ao Conselho, ao Parlamento Europeu e ao Comité Económico e Social Europeu, de 23 de Maio de 2001, intitulada «A política fiscal da União Europeia» [COM (2001) 260 - Jornal Oficial C 284 de 10.10.2001.

Última modificação: 03.04.2007
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página