RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 11 idiomas

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Ano Europeu da Mobilidade dos Trabalhadores (2006)

Arquivos

1. A Comissão Europeia proclamou 2006 o Ano Europeu da Mobilidade dos Trabalhadores, propondo aos diferentes públicos-alvo interessados uma vasta plataforma de troca de ideias e de debate sobre os desafios da mobilidade no contexto da estratégia de Lisboa.

2. A Comissão incentiva todos os agentes interessados a desenvolverem novas iniciativas, com o objectivo de reforçar o impacto da mobilidade, tanto geográfica como profissional, na gestão previsional das competências e na adaptabilidade dos trabalhadores europeus às mutações estruturais e económicas que estão a atingir o continente.

Objectivo

3. São três os objectivos do Ano Europeu:

  • Sensibilizar o conjunto dos agentes interessados relativamente aos direitos dos trabalhadores em matéria de livre circulação das pessoas, às oportunidades existentes neste domínio e aos instrumentos criados para as promover (EURES, em especial).
  • Desenvolver o intercâmbio de boas práticas relativas às experiências de mobilidade.
  • Reforçar a base de conhecimentos (estudos e inquéritos) sobre os fluxos de mobilidade na Europa, os obstáculos à mobilidade dos trabalhadores, bem como as motivações que levam os trabalhadores a empreender um período de mobilidade noutro Estado-Membro.

Actividades

4. O Ano Europeu foi lançado oficialmente em 20 e 21 de Fevereiro de 2006, em Bruxelas. A conferência intitulada «Mobilidade dos trabalhadores: um direito, uma opção ou uma oportunidade?» centrou-se nas questões relativas ao impacto da globalização sobre o mercado europeu do trabalho, nas vantagens de uma mobilidade temporária e no aumento de transparência das qualificações de país para país. A ocasião foi também aproveitada para o lançamento da nova plataforma EURES, que permite o acesso directo de qualquer cidadão a mais de um milhão de ofertas de emprego em 28 países (Espaço Económico Europeu e Suíça). A EURES é uma rede com um portal consultado todos os meses por mais de 500 000 pessoas.

5. À conferência supra mencionada seguem-se uma série de acontecimentos ao longo de todo o ano:

  • Uma conferência dos parceiros sociais (em Abril de 2006).
  • A primeira bolsa europeia do trabalho, que será organizada simultaneamente, em 29 e 30 de Setembro de 2006, em cerca de 100 cidades europeias.
  • Uma semana destinada aos juristas (no Outono de 2006).
  • A conferência de encerramento em Lille (em Dezembro de 2006).

6. Estão igualmente previstos vários estudos sobre o impacto da mobilidade, bem como projectos de melhoria dos dados estatísticos nesta matéria. Será concedido um prémio europeu à organização cuja contribuição para a mobilidade profissional tenha sido mais importante.

Orçamento

7. Do orçamento global de 10 milhões de euros, 4 milhões são consagrados a projectos de sensibilização e 2 milhões suplementares a acções-piloto.

Contexto

8. A mobilidade dos trabalhadores, tanto geográfica como profissional, foi identificada como um dos instrumentos que contribuem para a aplicação dos objectivos revistos de Lisboa. A livre circulação dos trabalhadores constitui um direito, sendo, a este título, consagrada entre os princípios fundadores reconhecidos pelo Tratado.

9. O papel de mobilidade também foi sublinhado nas orientações para o emprego (2005-2008), como factor que contribui para o reforço da infra-estrutura dos mercados de trabalho na Europa e como instrumento para antecipar melhor os efeitos das reestruturações económicas.

10. Os dados actuais mostram que muito poucos europeus trabalham no estrangeiro. A percentagem de europeus que reside num país da União diferente do seu país de origem é de cerca de 1,5%, valor que se manteve estável durante os 30 últimos anos. No que diz respeito à mobilidade profissional, em 9 países da União Europeia, 40% dos trabalhadores mantiveram a mesma actividade profissional durante mais de dez anos.

11. Note-se que a União Europeia envidou esforços significativos para criar um ambiente favorável à mobilidade dos trabalhadores:

  • Em 2002, foi lançado um Plano de Acção para as Competências e a Mobilidade, que chegou a termo em finais de 2005.
  • Em Junho de 2004, foi lançado em 13 Estados-Membros um cartão europeu de seguro de doença (castellanodeutschenglishfrançais), que deverá ser distribuído nos outros Estados-Membros, bem como nos países da EFTA, no início de 2006.
  • A coordenação dos sistemas de segurança social foi acelerada na sequência da adopção do Regulamento 883/04.
  • Em Outubro de 2005, foi adoptada uma proposta de directiva relativa à transferibilidade dos direitos à pensão no âmbito da migração para fins profissionais.

12. O Ano Europeu permitirá identificar novas orientações políticas para promover a mobilidade e suprimir os obstáculos existentes.

ACTOS RELACIONADOS

Decisão n.º 2241/2004/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 15 de Dezembro de 2004, que institui um quadro comunitário único para a transparência das qualificações e competências ( Europass ).

Resolução do Conselho, de 3 de Junho de 2002, relativa às competências e à mobilidade ( (DE) (EN) (ES) (FR) (DE) (EN) (ES) (FR) (DE) (EN) (ES) (FR) (DE) (EN) (ES) (FR)) [Jornal Oficial C 162 de 06.07.2002].

Comunicação da Comissão, de 13 de Fevereiro de 2002, ao Parlamento Europeu, ao Conselho e ao Comité Económico e Social Europeu - Plano de acção da Comissão para as competências e a mobilidade [COM(2002) 72 final - Não publicado no Jornal Oficial].

Última modificação: 26.04.2006

Veja também

Para mais informações, consultar o sítio Internet Ano Europeu da Mobilidade dos Trabalhadores .

Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página