RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Sistema de informação do mercado interno (IMI)

O sistema de informação do mercado interno (IMI) é uma ferramenta electrónica concebida para melhorar a comunicação e a colaboração entre as administrações dos Estados-Membros no contexto da aplicação da legislação relativa ao mercado interno. Destina-se a eliminar vários obstáculos práticos, reduzir os encargos administrativos e melhorar a eficácia da cooperação administrativa na Europa.

ACTO

Comunicação da Comissão ao Parlamento Europeu, ao Conselho, ao Comité Económico e Social Europeu e ao Comité das Regiões, de 6 de Novembro de 2008, “Realizar os benefícios do mercado único através do reforço da cooperação administrativa” [COM(2008) 703 final – Não publicada no Jornal Oficial].

SÍNTESE

O sistema de informação do mercado interno (IMI) é uma ferramenta electrónica destinada a apoiar a cooperação administrativa no domínio da legislação relativa ao mercado interno. O IMI ajuda as autoridades competentes dos Estados-Membros a ultrapassarem as dificuldades práticas de comunicação devidas, nomeadamente, a diferenças na cultura administrativa, ao uso de línguas diferentes e à dificuldade em identificar os parceiros nos outros Estados-Membros.

O IMI é uma aplicação Internet segura, que se encontra à disposição das administrações dos trinta países que constituem o Espaço Económico Europeu (EEE). Está disponível em todas as línguas oficiais da União Europeia.

Princípios

O IMI baseia-se em três princípios fundamentais:

  • não impõe aos Estados-Membros obrigações adicionais de cooperação administrativa;
  • permite a flexibilidade necessária para se adaptar às diferentes estruturas e culturas administrativas na Europa;
  • representa um sistema único concebido de modo a integrar diversos diplomas legislativos relativos ao mercado interno, evitando desse modo uma proliferação de sistemas de informação

Benefícios

O sistema oferece vários benefícios, permitindo, nomeadamente, que os Estados-Membros possam gerir uma relação única com uma rede, em vez de 29 relações bilaterais diferentes, comunicar através de um método de trabalho claro e decidido de comum acordo, reduzir os problemas linguísticos, realizar economias de tempo e de recursos e melhorar a qualidade dos serviços, através de uma maior transparência e visibilidade.

Protecção dos dados

Na medida em que o IMI é utilizado para o intercâmbio de dados pessoais, o sistema é integralmente abrangido pela legislação aplicável em matéria de protecção dos dados. Por outro lado, a decisão 2008/49/CE da Comissão fixa as funções, os direitos e as obrigações dos utilizadores do IMI.

Contexto

A criação do IMI foi motivada pela importância da cooperação administrativa para a implantação de um mercado único dinâmico, de acordo com a estratégia de Lisboa. O IMI deve contribuir igualmente para o reforço da aplicação do direito comunitário a nível nacional e, deste modo, para a realização do programa “Legislar melhor”. Inscreve-se também no âmbito do plano de acção "Administração em linha i2010".

Foi lançado um primeiro projecto em Novembro de 2007 para quatro profissões abrangidas pela Directiva 2005/36/CE relativa ao reconhecimento das qualificações profissionais. O sistema será progressivamente alargado a outras profissões.

Foi lançado um segundo projecto-piloto em Janeiro de 2009 com base na Directiva "Serviços". Este programa prolongar-se-á até 28 de Dezembro de 2009, data a partir da qual o IMI deverá estar transposto pelos Estados-Membros. O programa visa preparar a aplicação de um sistema IMI operacional até ao final de 2009, que abranja o conjunto das actividades do sector dos serviços. No futuro, o IMI poderia igualmente ser utilizado para reforçar a cooperação administrativa noutros sectores abrangidos pela legislação relativa ao mercado interno.

ACTOS RELACIONADOS

Recomendação da Comissão, de 26 de Março de 2009, relativa às orientações sobre a protecção de dados no Sistema de Informação do Mercado Interno (IMI) [Jornal Oficial L100 de 18.4.2009].
A presente recomendação convida os Estados-Membros a tomarem medidas para a implementação das orientações que figuram em anexo. Estas referem-se à protecção dos dados, as salvaguardas previstas pelo sistema e os riscos associados à utilização deste sistema.

Os coordenadores nacionais de IMI são igualmente incentivados a contactarem as autoridades nacionais encarregadas da protecção de dados com a finalidade de implementar estas linhas de conduta no direito nacional.

A Comissão Europeia deverá ser informada da implementação destas orientações, o mais tardar, nove meses após a presente recomendação ter sido adoptada.

Última modificação: 12.10.2009

Veja também

  • Para mais informações, consultar o sítio Web da DG Mercado Interno dedicado ao IMI.
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página