RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 11 idiomas

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Relatório intercalar sobre o mercado único do século XXI

O relatório preliminar ao Conselho Europeu da Primavera de 2007 incide no mercado único e apresenta a visão da Comissão Europeia para o século XXI sobre esta matéria. É descrita uma primeira gama de orientações, com o objectivo de lançar um reexame completo do mercado único e de incentivar a apresentação de propostas de acções suplementares.

ACTO

Comunicação da Comissão ao Conselho, ao Parlamento Europeu, ao Comité Económico e Social Europeu e ao Comité das Regiões de 21 de Fevereiro 2007 - "Um mercado único para os cidadãos - Relatório intercalar dirigido ao Conselho Europeu da Primavera de 2007" [COM(2007) 60 final - não publicado no Jornal Oficial].

SÍNTESE

Este relatório intercalar apresenta uma visão para o mercado único do século XXI. O mercado único constitui um dos sucessos mais importantes e concretos da União Europeia (UE). É graças a este sucesso que a Europa beneficia de uma economia mais dinâmica e concorrencial, onde são garantidos os direitos sociais e níveis elevados de saúde, segurança e protecção do ambiente.

Graças ao mercado único, os consumidores e as empresas também ganham:

  • os consumidores beneficiam de uma maior escolha de produtos e serviços a preços mais baixos e de melhor qualidade e segurança;
  • as empresas operam num contexto de regras comuns e beneficiam de um mercado de 500 milhões de consumidores.

Contudo, o mercado único é uma realidade em constante evolução: o processo estará em permanente construção. Há que fazer face aos novos tipos de obstáculos e desafios (mundialização, evoluções estruturais, alargamento da UE, etc..) adaptando‑se à evolução dos mercados. Assim, o mercado único do século XXI deverá melhorar o funcionamento dos mercados e trazer vantagens ainda mais concretas aos cidadãos europeus numa União Europeia alargada.

Visão para o século XXI

O verdadeiro desafio do século XXI para o mercado único consiste em adaptar a aplicação do quadro normativo existente e em reagir adequadamente ao dinamismo da economia mundial. O documento identifica seis vertentes principais:

  • Um mercado único para os consumidores e os cidadãos
    As vantagens para os consumidores devem ainda ser mais concretas, num contexto de maior protecção e de qualidade acrescida dos produtos e dos serviços europeus bem como da importação;
  • Um mercado único para uma economia integrada
    Um mercado único integrado é fundamental para assegurar condições de concorrência equitativas entre as empresas. Um papel mais importante das PME, a criação de um mercado do trabalho europeu, a difusão do euro, a criação de mercados financeiros pan-europeus mais coesos e investimentos nas redes transeuropeias contribui para reforçar a integração da economia europeia;
  • Um mercado único para uma sociedade do conhecimento
    A fim de evitar a sua fragmentação, há que apoiar os mercados de produtos e serviços com elevada intensidade de conhecimento e tecnologia;
  • Um mercado único para uma Europa com regulamentação adequada
    Importa analisar as modalidades de execução do conjunto de regras aplicáveis em toda a Comunidade, verificar se produzem os efeitos inicialmente esperados e, se necessário, proceder às devidas alterações;
  • Um mercado único para uma Europa sustentável
    É essencial reconhecer e apoiar tanto os aspectos sociais e como os aspectos ambientais do mercado único, antecipando e acompanhando o processo de mundialização;
  • Um mercado único aberto ao mundo
    A Europa deve continuar a incentivar a elaboração de normas que serão adoptadas a nível mundial nos sectores do comércio e dos investimentos.

Transformar a visão em realidade

Para concretizar a visão do mercado único, a UE recorrerá a toda uma gama de instrumentos em vários domínios de acção (mercado interno, concorrência, fiscalidade e alfândegas, etc..) de forma mais eficaz e coerente, reduzindo os custos administrativos inúteis.

A UE deverá adoptar novas abordagens que beneficiem de uma melhor avaliação das necessidades dos intervenientes no mercado único e do impacto social de uma maior integração.

Tendo em conta a grande diversidade da União com 27 Estados-Membros, é conveniente utilizar um conjunto de instrumentos diversificado e flexível (harmonização - reconhecimento mútuo, directivas - regulamentos), apoiando-se mais nas redes e melhorando o sentimento de apropriação do mercado único a nível periférico.

As oportunidades do mercado único devem ser melhor comunicadas e mais acessíveis para os cidadãos, as empresas e as autoridades locais e regionais. Além disso, as prioridades do mercado único devem acompanhar a agenda mundial, incluindo o recente conjunto de negociações comerciais bilaterais.

A UE poderá recorrer à política de vizinhança, reforçar a análise comparativa e a cooperação bilateral em matéria de regulamentação e verificar se os consumidores retiram os devidos benefícios da abertura aos mercados mundiais.

O anexo à comunicação contém exemplos concretos das realizações do mercado único.

Contexto

Este relatório intercalar tem por objectivo apresentar orientações com vista a um reexame exaustivo e a uma nova visão do mercado único no futuro. Este documento apoia-se nas conclusões de uma consulta pública, as sondagens"Eurobarómetro", e nas contribuições de outras instituições da UE. Antes do final de 2007, estará concluído um reexame completo do mercado único, baseado em vários estudos e análises.

ACTOS RELACIONADOS

Comunicação da Comissão ao Parlamento Europeu, ao Conselho, ao Comité Económico e Social Europeu e ao Comité das Regiões – O Interesse Europeu: Vencer o desafio da mundialização - Contribuição da Comissão para a reunião de Outubro dos Chefes de Estado ou de Governo (Communication de la Commission au Parlement européen, au Conseil, au Comité économique et social européen et au Comité des régions - L’intérêt européen: Réussir le défi de la mondialisation) [COM(2007) 581 final - não publicado no Jornal Oficial].
Esta comunicação, destinada a preparar a reunião informal de 18 e 19 de Outubro de 2007 dos chefes de Estado ou de Governo, indica o caminho a seguir pela Europa para fazer face à mundialização e explica de que forma a Estratégia de Lisboa para o crescimento e o emprego constitui a pedra angular da sua abordagem.

Última modificação: 11.04.2008
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página