RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Regras aplicáveis às parcerias público-privadas institucionalizadas (PPPI)

A Comissão publica elementos de orientação sobre a criação de parcerias público-privadas institucionalizadas (PPPI), entidades de capitais mistos geralmente constituídas para a prestação de serviços públicos. As regras que se aplicam à criação das PPPI encontram-se clarificadas no âmbito do reforço da segurança jurídica.

ACTO

Comunicação interpretativa da Comissão relativa à aplicação do direito comunitário em matéria de contratos públicos e concessões às parcerias público-privadas institucionalizadas (PPPI) [2008/C 91/02 – Jornal oficial C 91, de 12.4.2008].

RESUMO

A presente comunicação indica pormenorizadamente as modalidades de aplicação das disposições comunitárias relativas aos contratos públicos e concessões no caso das parcerias público-privadas institucionalizadas (PPPI) *. O objectivo é o reforço da segurança jurídica e a resposta às preocupações sobre a participação de parceiros privados nas PPPI.

Criação de uma PPPI

Geralmente, a constituição de uma PPPI traduz-se no seguinte:

  • constituição de uma nova entidade cujo capital é detido conjuntamente pela autoridade adjudicante e pelo parceiro privado, e atribuição de um contrato público ou de uma concessão à referida entidade; ou
  • participação de uma entidade privada numa empresa previamente existente que executa contratos públicos ou concessões obtidos no passado.

A entidade adjudicante * deve respeitar as disposições do direito comunitário relativas aos contratos públicos e concessões e adoptar, particularmente, um procedimento equitativo e transparente quando escolhe o parceiro privado para a PPPI ou quando atribui um contrato público ou concessão a uma entidade de capital misto.

Não é fácil praticar um procedimento duplo (com uma primeira fase destinada à selecção do parceiro privado e uma segunda fase para a atribuição do contrato público ou concessão). No entanto, existe a possibilidade de evitar os problemas relacionados com o referido procedimento duplo através da selecção do parceiro privado para a PPPI no âmbito de um procedimento transparente e concorrencial, cujo objecto é o contrato público ou a concessão atribuído(a) à PPPI, por um lado, e, por outro, a contribuição do parceiro privado para o trabalho da PPPI.

Regulamentação aplicável

No direito comunitário, não existe regulamentação específica que abranja a criação de PPPI. Contudo, os princípios da igualdade de tratamento e da abolição da discriminação em razão da nacionalidade, com base no artigo 43.º do tratado que institui a Comunidade Europeia (Tratado CE), relativo à liberdade de estabelecimento, e no artigo 49.º sobre a livre prestação de serviços, aplicam-se em matéria de contratos públicos e concessões.

As regras aplicáveis ao procedimento de selecção do parceiro privado são diferentes consoante o contrato público ou a concessão seja ou não abrangido(a) pela directiva considerada "clássica" (2004/18/CE: contratos públicos de obras, de fornecimento e de serviços) e/ou pela directiva relativa aos “sectores especiais” (2004/17/CE contratos públicos nos sectores da água, da energia, dos transportes e dos serviços postais).

  • Se a missão da entidade de capital misto for a execução de um contrato público que resulte integralmente das directivas relativas aos contratos públicos, o procedimento de selecção é determinado por essas mesmas directivas.
  • No caso de se tratar de um contrato público ou de uma concessão que resulte parcialmente das referidas directivas, aplicam-se as regras do Tratado da CE em conjunto com as disposições pertinentes das directivas.
  • No caso de um contrato público ou de uma concessão não sujeito(a) às directivas relativas aos contratos públicos, a selecção do parceiro privado deve efectuar-se em cumprimento dos princípios do Tratado da CE.

A entidade adjudicante deve publicar os critérios de selecção e de atribuição para a identificação do parceiro privado da PPPI. Estes critérios devem respeitar o princípio da não discriminação. As directivas relativas aos contratos públicos prevêem obrigações específicas relacionadas com a situação pessoal do parceiro privado (situação pessoal do candidato, capacidade económica e financeira, capacidade técnica, etc.). Estes critérios podem ser igualmente utilizados no caso das concessões e contratos públicos não totalmente sujeitos às referidas directivas.

A obrigação de transparência que os princípios de igualdade de tratamento e de não discriminação impõem consiste em garantir ao potencial proponente um nível de publicidade adequado que permita a abertura do contrato de serviços à concorrência. No caso de uma PPPI, a entidade adjudicante deve incluir no anúncio de contrato ou no caderno de encargos as informações essenciais relativas ao contrato público ou à concessão a atribuir, os estatutos da entidade de capital misto, o pacto de accionistas e qualquer outro elemento que reja as relações entre a entidade adjudicante e a entidade de capital misto a criar.

Alterações posteriores

O princípio de transparência impõe igualmente a indicação no processo de concurso das possibilidades de renovação ou alteração do contrato público ou da concessão, assim como das possibilidades de atribuição de novas tarefas. A informação fornecida deve ser suficientemente pormenorizada para garantir um processo de concurso equitativo e eficaz.

As PPPI conservam o seu campo de actividade inicial e não podem obter novos contratos públicos ou novas concessões sem um processo de concurso. Todavia, as PPPI devem poder adaptar-se às alterações que ocorram no âmbito da conjuntura económica, jurídica e técnica. Este ajuste é possível desde que sejam respeitados os princípios da igualdade de tratamento e da transparência. Todas as alterações dos termos essenciais do contrato, não previstas no caderno de encargos, devem ser objecto de um novo processo de concurso.

Contexto

A consulta pública realizada por ocasião da publicação do livro verde sobre as parcerias público-privadas e o direito comunitário em matéria de contratos públicos e concessões demonstrou a necessidade de clarificar as disposições do direito comunitário aplicáveis às parcerias público-privadas institucionalizadas (PPPI). Na realidade, a incerteza jurídica pode prejudicar a fórmula ou até dissuadir as autoridades públicas e as entidades privadas de criar PPPI.

Palavras-chave do acto

  • Parceria público-privada institucionalizada (PPPI): cooperação entre os parceiros públicos e privados que estabelecem uma entidade de capital misto que executa contratos públicos ou concessões. A contribuição privada nos trabalhos da PPPI consiste, à excepção da contribuição para os capitais ou outros activos, na participação activa na execução das tarefas atribuídas à entidade de capital misto e/ou na gestão da referida entidade. Uma simples entrada de capital por um doador privado numa empresa pública não constitui uma PPPI.
  • Entidade adjudicante: o Estado, as colectividades territoriais, os organismos de direito público e as associações formadas por uma ou várias destas colectividades ou um ou vários destes organismos de direito público.
Última modificação: 28.07.2008
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página