RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Energia

INTRODUÇÃO

O Tratado de Lisboa reconhece a importância da política energética, reservando-lhe um capítulo específico nos tratados fundadores da União Europeia (UE). Desta forma, a UE passa a dispor de competências claramente definidas para responder aos objectivos comuns dos Estados-Membros em matéria de energia.

Na realidade, a situação internacional e a evolução das problemáticas ligadas à energia demonstraram quão importante é uma política europeia em matéria de energia. Uma resposta europeia é, assim, a forma mais eficaz de responder a problemáticas como, por exemplo, a protecção do ambiente, a segurança do aprovisionamento energético ou o diálogo com os países produtores de energia.

UMA NOVA BASE JURÍDICA PARA A POLÍTICA ENERGÉTICA A NÍVEL EUROPEU

Antes da entrada em vigor do Tratado de Lisboa, os tratados fundadores da UE não incluíam qualquer disposição específica quanto à intervenção da UE no domínio da energia.

A partir de agora, o Tratado de Lisboa introduz uma base jurídica específica no domínio da energia, com a criação do artigo 194.º do Tratado sobre o Funcionamento da UE. Esta inovação permite detalhar e clarificar a acção da UE no domínio da energia.

Desta forma, a UE fica habilitada a tomar medidas a nível europeu para:

  • garantir o correcto funcionamento do mercado energético;
  • garantir a segurança do aprovisionamento energético;
  • promover a eficácia energética;
  • promover a interligação das redes energéticas.

Além disso, o Conselho e o Parlamento Europeu adoptam os actos legislativos com base no processo legislativo ordinário, após consulta do Comité das Regiões e do Comité Económico e Social Europeu. Contudo, o Conselho delibera por unanimidade após consulta do Parlamento para a adopção das medidas de natureza fiscal.

DELIMITAÇÃO DAS COMPETÊNCIAS DA UE EM MATÉRIA DE ENERGIA

A energia passa a fazer parte das competências partilhadas entre a UE e os Estados-Membros ficando, por isso, sujeita ao princípio de subsidiariedade. Por conseguinte, a UE só pode intervir se estiver em condições de agir de forma mais eficaz do que os Estados-Membros.

Além disso, o Tratado de Lisboa precisa que a UE não poderá intervir nas escolhas dos Estados-Membros relativamente às fontes de aprovisionamento energético destes, salvo por unanimidade e por razões ambientais (artigo 192.º do Tratado sobre o Funcionamento da UE). Esta restrição recupera, em particular, a questão subjacente da energia nuclear. As situações e as posições variam muito de um país europeu para outro no que toca a este assunto.

Por fim, o Tratado de Lisboa faz referência ao «espírito de solidariedade» que deve prevalecer entre os Estados-Membros na execução da política europeia da energia. Esta solidariedade será importante, em especial, em tempo de crise; se um ou vários Estados-Membros tiverem de fazer face a uma ruptura de aprovisionamento, poderão contar com um aprovisionamento de energia da parte dos outros Estados-Membros.

Última modificação: 19.04.2010
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página