RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 11 idiomas

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Os parlamentos nacionais

INTRODUÇÃO

Desde 1989, deputados dos parlamentos nacionais, bem como do Parlamento Europeu, reúnem-se semestralmente no âmbito de uma Conferência dos Órgãos Parlamentares Especializados em Assuntos Europeus (COSAC), tendo essencialmente como objectivo o intercâmbio de informações.

Na sequência da entrada em vigor do Tratado de Maastricht, as competências das Instituições Europeias foram alargadas a domínios que tradicionalmente eram da competência nacional, como é o caso dos domínios da Justiça e Assuntos Internos. Além disso, passou a ser importante que os parlamentos nacionais recebam a melhor informação, o mais rapidamente possível, de forma a terem uma maior participação (e, através deles, os cidadãos da União Europeia) no processo de decisão comunitária e a poderem exercer um melhor controlo dos representantes do seu país no Conselho.

Dada a diversidade das situações nacionais, os Estados-membros sentiram necessidade de definir princípios comuns em matéria de informação e da contribuição dos parlamentos nacionais. Nesse sentido, foi anexado aos Tratados fundadores um protocolo relativo ao papel dos parlamentos nacionais.

O controlo parlamentar dos governos nacionais é realizado de acordo com a prática constitucional própria de cada Estado-membro. No entanto, foi considerado importante encorajar a participação dos parlamentos nacionais nas actividades da União Europeia e reforçar a sua capacidade de exprimir o seu ponto de vista relativamente às questões susceptíveis de os interessar.

INFORMAÇÃO AOS PARLAMENTOS NACIONAIS DOS ESTADOS-MEMBROS

Foi estabelecida uma lista exacta dos documentos que devem ser obrigatoriamente transmitidos aos deputados dos parlamentos nacionais:

  • os livros brancos;
  • os livros verdes;
  • as comunicações;
  • as propostas legislativas.

No decurso do processo de adopção de um acto legislativo ou de uma medida ao abrigo do Título VI do Tratado da União Europeia (cooperação policial e judiciária em matéria penal), deverão decorrer, no mínimo, seis semanas entre o momento em que um acto ou medida propostos é colocado pela Comissão à disposição do Parlamento Europeu e do Conselho e a data em que o mesmo é inscrito na ordem de trabalhos do Conselho. Deste modo, os parlamentos nacionais dispõem de tempo suficiente para eventualmente discutirem essa proposta, designadamente com os respectivos governos.

A CONFERÊNCIA DOS ÓRGÃOS PARLAMENTARES ESPECIALIZADOS NOS ASSUNTOS EUROPEUS (COSAC)

O novo protocolo reconhece ainda o papel da COSAC. Esta pode submeter qualquer contribuição que considere adequada às Instituições da União, designadamente com base em projectos de acto que representantes de governos dos Estados-membros possam decidir transmitir-lhe de comum acordo devido à natureza da questão.

A COSAC pode, em particular, examinar qualquer proposta de acto legislativo relativa à criação de um espaço de liberdade, de segurança e de justiça (em conjugação com os direitos e as liberdades das pessoas). As suas observações são transmitidas ao Parlamento Europeu , ao Conselho e à Comissão.

A COSAC pode igualmente dirigir a estas três instituições "todos os contributos que considere adequados sobre as actividades legislativas da União, nomeadamente no que se refere à aplicação do princípio da subsidiariedade, ao espaço de liberdade, de segurança e de justiça, bem como a questões relacionadas com direitos fundamentais".

Os parlamentos nacionais passarão a assumir um maior protagonismo no processo de decisão e poderão contribuir para a elaboração dos actos legislativos da União Europeia.

Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página