RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 11 idiomas

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


O Conselho da União Europeia

INTRODUÇÃO

Foi anexado ao Tratado de Amsterdão e aos Tratados que instituem as Comunidades Europeias um protocolo sobre as instituições na perspectiva do alargamento. Esse protocolo fixa certas condições institucionais que deverão estar preenchidas aquando do próximo alargamento e prevê a convocação de uma nova Conferência Intergovernamentalantes de a União Europeia passar a contar com mais de vinte Estados-membros. Com efeito, a estrutura actual é a herança de uma organização prevista inicialmente para seis Estados-membros e, embora tenha sido objecto de alguns ajustamentos, resultantes da adesão de novos Estados-membros, ela funciona ainda hoje com base nos mesmos princípios institucionais.

Neste contexto, o Conselho é confrontado principalmente com duas questões:

  • a ponderação dos votos dos representantes dos Estados-membros;
  • o alcance da votação por maioria qualificada.

O protocolo sobre as instituições integra, num enquadramento comum, as questões da ponderação dos votos no Conselho e da dimensão da Comissão, estando subjacente a intenção de rever o sistema comunitário a fim de que o peso relativo dos países de pequena e média dimensão não venha a ser desproporcionado em relação ao volume da sua população.

Esta ponderação reveste-se de particular importância dada a extensão da tomada de decisão por maioria qualificada. Com efeito, a maioria qualificada aplica-se à maior parte das novas disposições introduzidas pelo Tratado de Amsterdão. Paralelamente, o recurso à maioria qualificada é alargado a certas disposições já existentes.

Por outro lado, o Secretariado-Geral do Conselho é chamado a desempenhar um papel específico no âmbito da política externa e de segurança comum.

Esta ponderação reveste-se de particular importância dada a extensão da tomada de decisão por maioria qualificada. Com efeito, está previsto que a maioria qualificada se aplique à maior parte das novas disposições que irão ser introduzidas nos Tratados, a partir da entrada em vigor do Tratado de Amsterdão. Paralelamente, o recurso à maioria qualificada alargar-se-á a certas disposições já existentes.

A NOVA PONDERAÇÃO DOS VOTOS E A DUPLA MAIORIA

A nova ponderação dos votos ou a instauração de uma dupla maioria constituem opções que os Estados-membros deverão escolher antes do próximo alargamento da União Europeia.

A nova ponderação pressupõe que a proporção de votos atribuída aos grandes Estados seja aumentada em relação ao valor atribuídos aos pequenos Estados. Em contrapartida, a dupla maioria não irá modificar, em princípio, a actual ponderação, embora se preveja que, para ser adoptada pelo Conselho, uma decisão deva não só recolher um número de votos que constitua uma maioria qualificada, como também corresponder a um limiar da população da União Europeia, a determinar.

O protocolo sobre as instituições liga estas questões, relacionadas com o Conselho, à reforma da Comissão. Concretamente, o protocolo prevê que, na data do primeiro alargamento, a Comissão será composta por um nacional de cada um dos Estados-membros, desde que, nessa data, a ponderação no seio do Conselho tenha sido modificada, quer por uma nova ponderação dos votos, quer por uma dupla maioria, de um modo aceitável para todos os Estados-membros.

A EXTENSÃO DA VOTAÇÃO POR MAIORIA QUALIFICADA

O campo de aplicação da maioria qualificada foi alargado às disposições seguintes do Tratado que institui a Comunidade Europeia (os artigos indicados entre parênteses correspondem à nova numeração):

  • coordenação das disposições legislativas, regulamentares e administrativas que prevêem um regime especial para os nacionais de países estrangeiros (direito de estabelecimento, artigo 46º, nº 2);
  • adopção e eventual adaptação do programa-quadro em matéria de investigação (artigo 166º-I)
  • criação de empresas comuns em matéria de investigação e desenvolvimento tecnológico (artigos 171º-N e 172º-O).

A votação por maioria qualificada aplica-se igualmente às seguintes novas disposições introduzidas no Tratado que institui a Comunidade Europeia:

  • elaboração das linhas directrizes em matéria de emprego (artigo 128);
  • adopção das acções de encorajamento em matéria de emprego (artigo 129);
  • adopção de medidas que apontem para o reforço da cooperação aduaneira entre os Estados-membros e entre estes e a Comissão (artigo 135);
  • luta contra a exclusão social (nº 2 do artigo 137º);
  • adopção de medidas que visem garantir a igualdade de oportunidades e de tratamento entre homens e mulheres (nº 3 do artigo 141º);
  • promoção da saúde pública (nº 4 do artigo 152º);
  • definição dos princípios gerais que regem o direito de acesso aos documentos do Parlamento Europeu, do Conselho e da Comissão (artigo 255);
  • luta contra a fraude lesiva dos interesses financeiros da Comunidade (artigo 280);
  • adopção de medidas no sentido do estabelecimento de sistemas estatísticos (artigo 285);
  • criação de um órgão independente de controlo em matéria de tratamento dos dados de natureza pessoal (artigo 286);
  • definição das condições de aplicação às regiões ultraperiféricas do Tratado que institui a Comunidade Europeia (nº 2 do artigo 299).

Também se passa a recorrer à votação por maioria qualificada no âmbito da política externa e de segurança comum (PESC) em dois casos (Título V do Tratado da União Europeia):

  • para a adopção de decisões de aplicação de uma estratégia comum definida pelo Conselho Europeu;
  • para qualquer decisão que ponha em prática uma acção comum ou uma posição comum anteriormente adoptada pelo Conselho.

O SECRETARIADO-GERAL

O Secretário-Geral do Conselho ocupa doravante a função de Alto Representante para a PESC, sendo a gestão do Secretariado-Geral assegurada por um secretário-geral adjunto. Ambos são nomeados pelo Conselho, o qual deliberará por unanimidade.

O Alto Representante para a PESC presta assistência à presidência e ao Conselho, contribuindo, em especial, para a formulação, elaboração e aplicação das decisões de natureza política. Exerce, também, funções de representação e beneficia do apoio de uma unidade de planeamento da política e de alerta rápido, a funcionar sob a sua responsabilidade.

Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página