RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 11 idiomas

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Política comercial comum

INTRODUÇÃO

No âmbito da Comunidade Europeia, os Estados-membros criaram uma união aduaneira que prevê um regime de importação comum para as importações provenientes de países terceiros. A política comercial comum da Comunidade assenta, pois, numa pauta aduaneira comum que se aplica de forma uniforme a todos os Estados-membros.

Na época em que foi assinado o Tratado de Roma, a economia e o comércio externo da Comunidade estavam essencialmente orientados para a produção e o comércio de produtos industriais. Esta situação alterou-se profundamente e hoje em dia o sector dos serviços constitui o principal empregador na União Europeia, sendo responsável por uma parte significativa das suas trocas comerciais internacionais. Esta evolução explica-se, designadamente, pela forte concorrência exercida pelos novos países industrializados nos sectores tradicionais, bem como pelas mutações económicas decorrentes da introdução das novas tecnologias da informação e da comunicação.

A criação da Organização Mundial do Comércio (OMC), na sequência das negociações do Uruguay Round, no âmbito do GATT, ilustra claramente esta evolução. Com efeito, a fim de acompanhar a evolução da natureza das trocas comerciais, a OMC engloba numa mesma estrutura as negociações comerciais relativas a produtos (GATT), a serviços (GATS) e à propriedade intelectual (TRIPS).

Perante a nova dinâmica do comércio internacional, a União Europeia tem de desenvolver rapidamente os seus instrumentos comerciais, se pretender manter o seu papel-chave nas relações comerciais a nível mundial. Neste contexto, o âmbito de aplicação do artigo 113° (artigo 133º na nova numeração) permanece vago e enquanto não tiver em conta a globalização das negociações comerciais, a União Europeia estará colocar-se numa posição difícil face aos seus parceiros comerciais.

O Tratado de Amsterdão procura clarificar a situação, proporcionando à União os meios para tornar a política comercial comum extensiva, sempre que adequado, aos serviços e aos direitos de propriedade intelectual.

HISTORIAL

O Tratado de Roma tinha como objectivo a criação de um mercado comum entre os Estados-membros da Comunidade, no interior do qual fosse assegurada a livre circulação de mercadorias, de pessoas, de serviços e de capitais. Para a sua concretização, o Tratado previa um período de transição de doze anos, até 31 de Dezembro de 1969. A necessidade de assegurar a coerência global exigia que a liberalização a nível interno acompanhasse os esforços de liberalização envidados a nível externo, razão pela qual a política comercial comum constitui uma competência exclusiva da Comunidade desde o final do período de transição.

Até 1970, a coordenação das respectivas relações comerciais com os países terceiros incumbia aos Estados-membros. No entanto, esta situação não impediu a Comunidade de concluir acordos bilaterais (com Israel, em 1964, por exemplo) e de participar, enquanto tal, nas negociações do Kennedy Round realizadas entre 1963 e 1967.

Progressivamente, a expansão do comércio internacional fez com que a política comercial comum se tornasse uma das políticas mais importantes da Comunidade. Paralelamente, os alargamentos sucessivos da Comunidade e a consolidação do mercado comum reforçaram a posição da Comunidade enquanto pólo de atracção e de influência em matéria de negociações comerciais, tanto a nível bilateral, com países terceiros, como multilateral, no âmbito do GATT. Assim, a União Europeia desenvolveu progressivamente uma densa rede de relações comerciais à escala mundial, sendo presentemente o principal protagonista no comércio internacional, à frente dos Estados Unidos e do Japão.

Desde 1 de Janeiro de 1970, as decisões em matéria de política comercial comum são adoptadas no Conselho por maioria qualificada. O âmbito de aplicação do artigo 113° foi interpretado em sentido lato pelo Tribunal de Justiça, que em 1978 precisou, nomeadamente, que a enumeração constante do n° 1 do artigo 113° não era exaustiva (esta disposição menciona as alterações pautais, a celebração de acordos pautais e comerciais, a uniformização das medidas de liberalização, a política de exportação e as medidas de defesa comercial). O Tribunal considerou igualmente que a política comercial perderia progressivamente todo o significado se se limitasse aos instrumentos tradicionais que regem o comércio externo. Todavia, o Tribunal considerou, em 1994, que as negociações comerciais em matéria de serviços e de propriedade intelectual não podiam basear-se no artigo 113°, não sendo, por conseguinte, da competência exclusiva da Comunidade. O Tribunal sublinhou, contudo, a necessidade de uma estreita cooperação entre a Comissão e os Estados-membros, tendo, a este propósito, recomendado a adopção de um código de conduta.

O NOVO ARTIGO 133° DO TRATADO QUE INSTITUI A COMUNIDADE EUROPEIA

Foi aditado um novo número ao artigo 133° (antigo artigo 113°). Em conformidade com este novo número, o Conselho, após consulta do Parlamento Europeu , pode alargar o âmbito de aplicação do artigo 133° às negociações e acordos internacionais referentes aos sectores dos serviços e aos direitos de propriedade intelectual, na medida em que estes domínios não sejam abrangidos pelo âmbito de aplicação da política comercial comum.

O aditamento deste número permitirá à União evitar um debate que implica uma alteração do Tratado (que só será possível após uma conferência intergovernamental e a ratificação por cada Estado-membro) caso se decida alargar o âmbito do processo tradicional de negociação comercial.

Concretamente, os membros do Conselho podem tomar por unanimidade uma decisão no sentido de alargar as competências comerciais da Comunidade.

Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página