RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Agência Europeia de Defesa

A Agência Europeia de Defesa visa desenvolver as capacidades de defesa no domínio da gestão das crises e promover e reforçar a cooperação europeia em matéria de armamento. Tem igualmente por objectivo reforçar a base industrial e tecnológica europeia no sector da defesa, criar um mercado europeu dos equipamentos de defesa competitivo e fomentar a investigação.

ACTO

Acção Comum 2004/551/PESC do Conselho, de 12 de Julho de 2004, relativa à criação da Agência Europeia de Defesa.

SÍNTESE

A Agência Europeia de Defesa tem por missão assistir o Conselho e os Estados-Membros nos seus esforços para melhorar as capacidades de defesa da União Europeia (UE) no domínio da gestão de crises e apoiar a Política Comum de Segurança e Defesa (PCSD).

Todos os Estados-Membros da UE participam na Agência, à excepção da Dinamarca (em conformidade com o artigo 5.º do Protocolo relativo à posição da Dinamarca anexo ao Tratado da UE e ao Tratado sobre o Funcionamento da UE, a Dinamarca não participa na elaboração nem na execução das decisões e acções da UE com implicações no domínio da defesa). A sede da Agência é em Bruxelas.

A Agência está sob a autoridade e o controlo político do Conselho. O Conselho define anualmente as orientações para as actividades da Agência, em especial o programa de trabalho e o quadro financeiro da Agência. A Agência apresenta relatórios periódicos sobre as suas actividades ao Conselho.

Domínios de acção

A Agência tem como principais funções:

  • desenvolver as capacidades de defesa no domínio da gestão de crises. A Agência determina as necessidades futuras da UE em matéria de defesa, coordena a execução do plano de acção europeu sobre as capacidades e a harmonização das necessidades militares, propõe acções de colaboração no domínio operacional e fornece avaliações sobre as prioridades financeiras;
  • promover e melhorar a cooperação europeia no domínio do armamento. A Agência propõe novos projectos de cooperação multilaterais, coordena os programas existentes e gere programas específicos;
  • reforçar a base industrial e tecnológica europeia no domínio da defesa e criar um mercado europeu dos equipamentos de defesa competitivo. A Agência elabora políticas e estratégias adequadas em consulta com a Comissão e a indústria, desenvolve e harmoniza regras e regulamentações pertinentes;
  • aumentar a eficácia da investigação e da tecnologia europeia no domínio da defesa. A Agência fomenta e coordena, em articulação com a Comissão, actividades de investigação que visam satisfazer necessidades futuras em matéria de capacidades de defesa.

Organização

A Agência tem personalidade jurídica. Entre os seus órgãos contam-se o Chefe da Agência, o Comité Director e o Director:

  • o Chefe da Agência é o Alto Representante da União para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança. É responsável pela organização geral e pelo funcionamento da Agência. Assegura também a execução das orientações do Conselho e das decisões adoptadas pelo Comité Director por parte do Director da Agência;
  • o Comité Director é o órgão de decisão da Agência. É composto por um representante de cada Estado-Membro participante e por um representante da Comissão. O Comité reúne pelo menos duas vezes por ano a nível dos ministros da defesa. Pode também reunir-se em formações específicas (por exemplo, a nível dos directores nacionais da investigação no domínio da defesa ou dos directores nacionais no domínio do armamento, etc.). O Chefe da Agência convoca e preside às reuniões do Comité Director;
  • o Director da Agência é nomeado pelo Comité Director, sob proposta do Chefe da Agência, por um período de três anos, que pode ser prorrogado por dois anos. O Director é o chefe de pessoal da Agência e está encarregado de supervisionar e de coordenar as unidades funcionais. O Director da Agência é ainda coadjuvado por dois adjuntos nomeados pelo Comité Director nas mesmas condições.

A Comissão é membro sem direito de voto do Comité Director e está plenamente associada aos trabalhos da Agência, podendo igualmente participar, em nome da Comunidade, em projectos ou programas da Agência.

Projectos ad hoc

A Agência faculta aos Estados‑Membros a possibilidade de elaborar projectos ad hoc, ou seja, projectos que incidem sobre temas específicos e que reúnem apenas os Estados‑Membros interessados. O Comité Director pode ainda autorizar a participação de terceiros nos projectos ad hoc, fixando então as condições de cooperação entre a Agência e os terceiros.

Regulamentação financeira

O Conselho, deliberando por unanimidade, adopta as disposições financeiras aplicáveis ao orçamento geral da Agência. As receitas são constituídas por receitas diversas e contribuições dos Estados-Membros que participam na Agência.

O Comité Director, sob proposta do Director ou de um Estado-Membro, pode decidir que os Estados-Membros podem confiar à Agência, numa base contratual, a gestão administrativa e financeira de algumas actividades que façam parte das suas atribuições. O Comité Director pode igualmente autorizar a Agência a celebrar contratos em nome de determinados Estados‑Membros.

Relações com organizações ou Estados terceiros

No âmbito das suas missões, a Agência pode estabelecer cooperações com Estados terceiros. Pode igualmente colaborar com organizações internacionais como a Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO) (EN) (FR) ou a Organização Conjunta de Cooperação em Matéria de Armamento (OCCAR) (EN). As cooperações com as organizações ou os Estados terceiros incidem nomeadamente sobre:

  • as relações entre a Agência e terceiros;
  • as disposições com vista à realização de consultas sobre questões relacionadas com os trabalhos da Agência;
  • as questões de segurança.

Contexto

A Agência Europeia de Defesa foi criada com base no artigo 42.º, n.º 3, do Tratado da UE. As suas missões são enumeradas no artigo 45.º do TUE. A Agência europeia constitui um elemento fundamental da Política Comum de Segurança e Defesa da UE. Com efeito, dota a cooperação dos Estados‑Membros no domínio da defesa de um quadro jurídico e institucional.

REFERÊNCIAS

Acto Entrada em vigor Prazo de transposição nos Estados-Membros Jornal Oficial

Acção Comum 2004/551/PESC

12.7.2004

-

JO L 245, 17.7.2004

Acto(s) modificativo(s) Entrada em vigor Prazo de transposição nos Estados‑Membros Jornal Oficial

Acção comum 2008/299/PESC

7.4.2008

-

JO L 102, 12.4.2008

ACTOS RELACIONADOS

Decisão 2007/643/PESC do Conselho, de 18 de Setembro de 2007, relativa às regras financeiras da Agência Europeia de Defesa e às regras de adjudicação de contratos e às regras relativas às contribuições financeiras provenientes do orçamento operacional da Agência Europeia de Defesa [Jornal Oficial L 269 de 12.10.2007].
A decisão detalha e completa as disposições financeiras da Acção Comum 2004/551/PESC, a fim de assegurar, designadamente, uma certa coerência com as regras europeias relevantes. Especifica os princípios aplicáveis ao orçamento da Agência e à sua execução, bem como o calendário dos relatórios financeiros e a realização da auditoria anual. A decisão detalha ainda as disposições (âmbito de aplicação, procedimentos, sanções, etc.) e as modalidades de execução das regras de adjudicação de contratos e das regras relativas às contribuições financeiras provenientes do orçamento operacional da Agência Europeia de Defesa.

Última modificação: 11.03.2011

Veja também

  • Agência Europeia de Defesa (EN)
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página