RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


O princípio de cooperação entre as instituições

A cooperação entre as instituições é essencial para o bom funcionamento da União Europeia. O Tribunal de Justiça reconheceu, aliás, o dever de cooperação leal como princípio geral do direito. Apesar de a cooperação leal não estar explicitamente mencionada nos Tratados, não deixa de ser uma obrigação para todos os Estados-Membros e todas as instituições europeias.

SÍNTESE

O princípio de “cooperação leal” é retomado no artigo 4.º do Tratado da União Europeia (TUE) no quadro das relações entre a União Europeia (UE) e os Estados-Membros e no artigo 13.º do TUE no quadro das relações entre as instituições da UE.

Este artigo afirma, no essencial, que os Estados-Membros devem tomar todas as medidas necessárias para executarem as suas obrigações decorrentes do Tratado e que não devem fazer nada que possa prejudicar o bom funcionamento da União Europeia.

A cooperação entre os Estados-Membros e as instituições da UE

Os Estados-Membros têm um dever de cooperação leal com as instituições da UE. Assim, são convidados a acompanhar a acção da UE e a não colocar entraves ao seu bom funcionamento, por exemplo:

  • ao sancionar as violações do direito da UE de forma tão rigorosa como o faria com as violações do direito nacional;
  • ao colaborar com a Comissão no âmbito de procedimentos que tenham como objectivo controlar o respeito do direito da EU, por exemplo, transmitindo os documentos regularmente solicitados;
  • ao reparar os prejuízos causados pela violação do direito da UE;
  • ao não colocar desnecessariamente entraves ao funcionamento interno das instituições europeias (por exemplo, com a aplicação de taxas nos reembolsos das despesas de transporte dos deputados europeus para deslocações a Bruxelas e Estrasburgo);
  • ao cooperar com a Comissão, em caso de inacção do Conselho, de forma a permitir que a UE enfrente as suas responsabilidades (por exemplo, para responder a necessidades urgentes de conservação de determinadas unidades populacionais de peixes).

O artigo 4 do TUE convida a UE e os Estados-Membros a respeitarem-se e a apoiarem-se mutuamente no cumprimento das missões decorrentes dos Tratados.

A cooperação entre as instituições

Segundo o artigo 13.º do TUE, as instituições da UE devem respeitar o princípio de “cooperação leal” entre elas, ou seja:

  • o Parlamento Europeu;
  • o Conselho Europeu;
  • o Conselho;
  • a Comissão Europeia;
  • o Tribunal de Justiça da União Europeia;
  • o Banco Central Europeu;
  • o Tribunal de Contas.

Este princípio aplica-se de acordo com a jurisprudência do Tribunal de Justiça da UE.

O princípio de colaboração interinstitucional encontra-se também no artigo 249.º do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia (TFUE), que estipula que o Conselho e a Comissão devem proceder a consultas recíprocas e organizar, de comum acordo, as modalidades da sua colaboração.

A cooperação interinstitucional organiza-se de diversas formas, nomeadamente:

  • trocas de cartas entre o Conselho e a Comissão;
  • acordos interinstitucionais;
  • declarações comuns às três instituições.
Última modificação: 11.08.2010
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página