RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


A acção de indemnização

A acção de indemnização faz parte dos recursos que podem ser interpostos perante o Tribunal de Justiça da União Europeia. Permite aos particulares ou aos Estados-Membros que sofreram um dano obterem reparação por parte da instituição que está na origem do dano.

A acção de indemnização é um recurso interposto perante o Tribunal de Justiça da União Europeia (TJUE). Pode ser interposta pelos Estados-Membros ou por particulares.

A acção de indemnização permite obter indemnizações devido a danos pelos quais a União é responsável. Existem três tipos de recursos:

  • os recursos que põem em causa a responsabilidade contratual da União quando esta faz parte de um contrato;
  • os recursos que põem em causa a responsabilidade extracontratual da União devido a um dano provocado pelos seus órgãos ou pelos seus agentes no exercício das suas funções.

A responsabilidade contratual da União

Os órgãos e os agentes da União podem celebrar contratos que envolvam a responsabilidade da União. No entanto, o TJUE nem sempre é competente para deliberar sobre litígios resultantes desses contratos.

Com efeito, a acção de indemnização apenas pode ser interposta perante o TJUE se tal estiver previsto numa cláusula compromissória. Por outras palavras, o contrato de que a União faz parte deve comportar obrigatoriamente uma cláusula a prever a competência do TJUE em caso de litígio. Não existindo essa cláusula, as jurisdições nacionais serão competentes para deliberar sobre o litígio resultante do contrato.

A responsabilidade extracontratual da União

A União deve indemnizar os danos pelos quais é responsável. Os danos podem, por exemplo, ser causados por um agente da UE no exercício das suas funções. Podem igualmente resultar da actividade normativa das instituições europeias, por exemplo, a adopção de um regulamento.

A responsabilidade extracontratual da União obedece a regras uniformes estabelecidas pela jurisprudência do TJUE. As acções podem ser interpostas por particulares ou pelos Estados‑Membros que tenham sido vítimas de danos e pretendam obter reparação. O prazo para agir é de cinco anos a contar da ocorrência do dano.

O Tribunal de Justiça reconhece a responsabilidade da União desde que estejam reunidas três condições:

  • o recorrente tenha sofrido um dano;
  • as instituições europeias ou os seus agentes tenham tido um comportamento ilegal à luz do direito europeu;
  • exista um nexo de causalidade directa entre o dano sofrido pelo recorrente e o comportamento ilegal das instituições europeias ou dos seus agentes.

A acção de indemnização interposta perante o Tribunal de Justiça da UE apenas é possível para pôr em causa a responsabilidade da União. Os particulares também podem accionar a responsabilidade dos Estados-Membros em caso de dano provocado por uma aplicação incorrecta do direito europeu. Todavia, os recursos contra os Estados-Membros devem ser interpostos perante as jurisdições nacionais.

Repartição de competências entre o Tribunal de Justiça e o Tribunal Geral

O Tribunal Geral é competente para conhecer em primeira instância os recursos interpostos por particulares.

O Tribunal de Justiça, por sua vez, é competente para conhecer os recursos interpostos pelos Estados‑Membros. Pode igualmente analisar recursos interpostos contra os acórdãos do Tribunal Geral, em primeira instância. Neste último caso, o Tribunal de Justiça delibera apenas sobre questões de direito e não julga novamente os factos.

O Tribunal de Justiça e o Tribunal Geral podem igualmente deliberar sobre os recursos que envolvam a responsabilidade contratual da União. Esses recursos são interpostos em conformidade com as condições previstas nos contratos de que a União faz parte.

A presente ficha de síntese é divulgada a título de informação. Não tem por objectivo interpretar ou substituir o documento de referência, que é a única base jurídica vinculativa.

Última modificação: 26.11.2010

Veja também

Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página