RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


A decisão europeia

A decisão é um instrumento jurídico à disposição das instituições europeias para a implementação das políticas europeias. A decisão é um acto obrigatório que pode ter um alcance geral ou estar dirigida a um destinatário específico.

A decisão é um acto jurídico que pertence ao direito derivado da União Europeia (UE). É, portanto, adoptada pelas instituições europeias com base nos tratados fundadores. Em função das situações, a decisão pode estar dirigida a um ou vários destinatários, podendo também não designar qualquer destinatário.

Um acto obrigatório em todos os seus elementos

O artigo 288.º do Tratado sobre o Funcionamento da UE define a decisão como sendo um acto obrigatório em todos os seus elementos, não podendo portanto ser aplicada de forma incompleta, selectiva ou parcial.

A decisão é adoptada após um processo legislativo. É, então, um acto legislativo adoptado pelo Conselho e o Parlamento de acordo com o processo legislativo ordinário ou um processo legislativo especial.

Por oposição, a decisão é um acto não legislativo quando é adoptada unilateralmente por uma das instituições europeias. A decisão remete então para uma norma decretada pelo Conselho Europeu, pelo Conselho ou pela Comissão em casos específicos que não sejam da competência do legislador.

Decisão com destinatário

A decisão pode estar dirigida a um ou vários destinatários. Tem então um alcance estritamente individual, sendo apenas vinculativa para os seus destinatários.

Os destinatários de uma decisão podem ser os Estados-Membros ou particulares. Por exemplo, a Comissão utiliza as decisões para aplicar sanções às empresas que tenham participado em cartéis ou cometido abusos de posição dominante.

Para entrar em vigor, a decisão deve ser notificada ao interessado. Em princípio, este procedimento consiste no envio de uma carta regista com aviso de recepção. A decisão pode também ser publicada no Jornal Oficial, apesar de esta publicação não dispensar a notificação que é a única possibilidade de tornar o acto oponível ao destinatário.

Decisão sem destinatário

Desde a entrada em vigor do Tratado de Lisboa, a decisão deixou de designar necessariamente um destinatário. A decisão passou assim a ter uma definição mais lata, tornando-se no instrumento de base no domínio da Política Externa e de Segurança Comum. O Conselho e o Conselho Europeu podem assim adoptar decisões relativas:

  • aos interesses e aos objectivos estratégicos da União;
  • às acções a levar a cabo pela União a nível internacional;
  • às posições a tomar pela União acerca das problemáticas internacionais;
  • às modalidades de aplicação das acções e das posições da União.
Última modificação: 03.09.2010
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página