RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Cibercompetências para o século XXI: incentivar a competitividade, o crescimento e o emprego

Com esta comunicação, a Comissão Europeia pretende promover linhas de acção de longo prazo a favor das tecnologias da informação e das comunicações (TIC). Com efeito, estas constituem um grande desafio para a competitividade da União Europeia (UE) na hora da mundialização, sendo fundamental realizar esforços em termos de investigação e de investimento.

ACTO

Comunicação da Comissão ao Parlamento Europeu, ao Conselho, ao Comité Económico e Social Europeu e ao Comité das Regiões, de 7 de Setembro de 2007 - Cibercompetências no século XXI: incentivar a competitividade, o crescimento e o emprego [COM(2007) 496 final - Não publicado no Jornal Oficial].

SÍNTESE

As tecnologias da informação e das comunicações (TIC) constituem um importante desafio em termos de produtividade, crescimento e emprego. A UE e os seus Estados-Membros devem tornar-se rapidamente capazes de acompanhar as TIC, que evoluem velozmente, para colmatarem o défice em cibercompetências e poderem pôr de pé uma verdadeira economia do conhecimento.

A Comissão apurou o seguinte:

  • As cibercompetências não são consideradas verdadeiramente um grande desafio político;
  • Não existe uma estratégia global em matéria de cibercompetências a nível da UE, onde a regulamentação diverge de Estado-Membro para Estado-Membro;
  • É necessário solucionar o problema do défice de imagem e da diminuição da oferta de profissionais altamente qualificados no domínio das TIC, que criam um défice de mão-de-obra neste domínio;
  • O fosso entre a oferta e a procura de determinadas cibercompetências é cada vez maior, persistindo, ao mesmo tempo, a falta de literacia digital.

Assim, a Comissão insiste na necessidade de se estabelecer um programa de acção de longo prazo para as cibercompetências. Estas medidas, ainda que da competência dos Estados-Membros, devem produzir um real valor acrescentado europeu.

A Comissão propõe-se apoiar iniciativas, definindo os elementos essenciais do programa e apresentando as linhas de acção que serão implementadas a nível europeu.

Os elementos essenciais do programa são:

  • Estabelecer uma cooperação de longo prazo entre os diferentes actores (autoridades públicas, sector privado, universidades, associações, etc.);
  • Investir nos recursos humanos;
  • Promover as ciências, as matemáticas, as cibercompetências e as TIC e valorizar as carreiras neste domínio, nomeadamente junto dos jovens, sobretudo do sexo feminino;
  • Melhorar a literacia digital, favorecendo, nomeadamente, as categorias da população como os desempregados, as pessoas idosas ou ainda as pessoas com níveis de habilitação baixos, para promover a empregabilidade e a integração pelas TIC;
  • Tornar possível a aquisição de cibercompetências ao longo da vida através, nomeadamente, de uma actualização dos conhecimentos e do desenvolvimento da aprendizagem em linha.

Linhas de acção a nível europeu

A Comissão propõe cinco linhas de acção cujas actividades devem ter início em 2007 para que estejam plenamente implementadas em 2010. A sua execução será assegurada graças a programas europeus, como o programa para a educação e a formação ao longo da vida, o sétimo programa-quadro de investigação e desenvolvimento tecnológico (7.º PQ), o programa para a competitividade e a inovação (PCI) e ainda os fundos estruturais de apoio ao emprego e à coesão regional.

Estas linhas de acção consistem no seguinte:

Promover a cooperação e o processo de acompanhamento a longo prazo: a Comissão encorajará um diálogo regular entre todas as partes interessadas (Estados-Membros, empresas, associações, etc.). A Comissão publicará igualmente um relatório anual sobre a aquisição de cibercompetências;

Desenvolver acções e instrumentos de apoio: trata-se, nomeadamente, de encorajar a criação de um quadro europeu para as cibercompetências, reforçar o apoio à iniciativa Europass, elaborar um manual europeu sobre parcerias entre múltiplas partes interessadas, permitir a rápida admissão na UE de profissionais das TIC de países terceiros, incentivar as mulheres a escolherem carreiras nas TIC (operação IT girls) e promover a formação em linha no domínio da agricultura e nas zonas rurais;

Realizar acções de sensibilização, nomeadamente promovendo o intercâmbio de informações e de boas práticas entre os Estados-Membros e apoiando as campanhas de sensibilização e de informação a nível europeu e nacional;

Incrementar a empregabilidade e a inclusão social: em ligação com a iniciativa para a info-inclusão, a Comissão pretende encorajar as iniciativas e as parcerias entre os fornecedores de serviços de formação e os destinatários e estudar a possibilidade de utilização de instrumentos de financiamento público e privado para iniciativas empreendidas por múltiplas partes interessadas;

Promover uma melhor e mais ampla utilização da aprendizagem em linha: em 2008, a Comissão publicará um relatório com recomendações relativas a acções de aprendizagem em linha com alvos específicos. Promoverá igualmente a criação de acções de formação em linha e de mecanismos de intercâmbio de recursos de formação do pessoal até 2009. Por último, apoiará a criação de redes de centros de formação e de investigação destinados a promover uma melhor avaliação das necessidades futuras em termos de cibercompetências.

Última modificação: 29.02.2008
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página