RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 11 idiomas

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Info-Acessibilidade

Arquivos

A presente comunicação tem por objectivo incentivar os Estados-Membros a intensificar a promoção de iniciativas destinadas a favorecer o acesso de todos às tecnologias da informação e das comunicações (TIC), em especial as pessoas com deficiência e os idosos.
A comunicação destina-se igualmente a favorecer a auto-regulação da indústria neste domínio.

ACTO

Comunicação da Comissão, de 13 de Setembro de 2005, sobre "Info-acessibilidade" [COM(2005) 425 final - Não publicada no Jornal Oficial].

SÍNTESE

O conceito de info-acessibilidade (ou eAccessibility) designa as iniciativas que se destinam a assegurar o acesso de todos os cidadãos aos serviços da sociedade da informação. Trata-se, assim, de suprimir os obstáculos técnicos, jurídicos e de outro tipo com que certas pessoas se podem confrontar quando utilizam os serviços ligados às TIC *, o que diz respeito, em especial, às pessoas deficientes e a um certo número de idosos.
Trata-se igualmente de promover, junto destas pessoas, a utilização das TIC e da Internet, e de sensibilizá-las para as perspectivas que estas lhes podem oferecer.

Mais concretamente, os obstáculos ligados à acessibilidade das TIC consistem, em especial, no seguinte:

  • Ausência de normas à escala europeia (por exemplo: existem sete sistemas de telefone de texto para deficientes auditivos, mas são diferentes e incompatíveis).
  • Falta de serviços adequados, nomeadamente o facto de muitos sítios Web serem de navegação impossível para deficientes visuais.
  • Falta de produtos e serviços para determinados grupos (por exemplo, a comunicação telefónica para utilizadores de linguagem gestual).
  • Falta de soluções interoperáveis * para TIC acessíveis.
  • Falta de conteúdos acessíveis.
  • Programas informáticos não compatíveis com dispositivos de assistência (por exemplo: os leitores de ecrã para utilizadores cegos).

Muitos destes obstáculos poderiam ser ultrapassados, mas tal exige cooperação, coordenação e uma maior determinação a nível europeu.

ACTIVIDADES EM CURSO A NÍVEL EUROPEU

Estão a ser desenvolvidas, à escala europeia, várias medidas no âmbito da info-acessibilidade.

Requisitos e normas de acessibilidade

A adopção de normas europeias em matéria de info-acessibilidade contribuiria para o bom funcionamento do mercado único europeu, favorecendo, em consequência, o desenvolvimento de novos mercados, a competitividade e o emprego.
Por conseguinte, a Comissão continuará a fornecer apoio financeiro às actividades propostas pelos organismos europeus de normalização no âmbito de um plano de acção europeu em matéria de normalização.

"Design para todos" ("Design for All" - DFA)

O DFA * permite tomar em consideração, de uma forma mais completa, as exigências em matéria de acessibilidade aquando da concepção de um produto ou serviço. O DFA está actualmente bem estabelecido, mas é pouco utilizado. É, por conseguinte, essencial prosseguir as acções de sensibilização e de promoção do DFA na Europa. Para o efeito, a Comissão criou uma rede de centros de excelência ("EDEAN"), que conta mais de cem membros.

Acessibilidade dos sítios Web

A uma comunicação da Comissão (COM(2001) 529 final) sobre a acessibilidade dos sítios Web públicos, datada de 2001, seguiram-se resoluções do Conselho e do Parlamento em 2002. Os Estados-Membros comprometeram-se a tornar acessíveis os sítios Web públicos, em conformidade com as orientações internacionais. Um grupo de peritos em info-acessibilidade permite à Comissão e aos Estados-Membros acompanhar a evolução das iniciativas empreendidas. Um grupo de trabalho do Comité Europeu de Normalização (CEN) está a trabalhar para encontrar soluções adequadas em matéria de elaboração de sistemas de certificação da acessibilidade.

Aferimento comparativo e monitorização

Para que a elaboração de políticas comunitárias adequadas em matéria de info-acessibilidade possa prosseguir, é essencial dispor de dados comunitários comparáveis entre os vários Estados-Membros. A Comissão vai aproveitar as actividades comunitárias de monitorização em curso, tendo em conta a estratégia revista de Lisboa *.

Investigação

Cerca de 200 projectos europeus de investigação e de desenvolvimento tecnológico (IDT), empreendidos desde o início dos anos 90, permitiram melhorar a acessibilidade graças a um melhor conhecimento dos problemas e das soluções necessárias. A proposta actual do 7º programa-quadro tem em conta a necessidade de prosseguir e alargar a IDT no âmbito da info-acessibilidade.

TRÊS NOVOS MEIOS DE ACÇÃO PROPOSTOS

Para além da promoção das medidas em curso, a Comissão propõe-se incentivar a utilização de três meios de acção que não estão ainda suficientemente explorados na Europa.

Adjudicação de contratos públicos

As directivas europeias relativas aos contratos públicos mencionam explicitamente a possibilidade de incluir, nas condições da proposta, requisitos relativos à acessibilidade. Alguns Estados-Membros incluem já requisitos de acessibilidade nos seus contratos públicos.

É essencial harmonizar os requisitos de acessibilidade aplicáveis aos contratos públicos na União Europeia. Para o efeito, a Comissão está a preparar um mandato para os organismos europeus de normalização elaborarem requisitos europeus de acessibilidade aplicáveis aos contratos públicos de produtos e serviços no domínio das TIC. A Comissão vai igualmente estimular o debate com os Estados-Membros nesta matéria, no âmbito do grupo de peritos em info-acessibilidade.

Certificação da acessibilidade

Existem ou estão em preparação algumas normas que definem o modo de tornar acessíveis os produtos e serviços. No entanto, presentemente, não há nenhum meio fiável de avaliar a conformidade dos produtos com as normas de acessibilidade.

A existência de sistemas de certificação da acessibilidade forneceria uma orientação para os consumidores e os clientes que procuram produtos e serviços acessíveis e conferiria aos fabricantes e aos fornecedores de serviços o devido reconhecimento dos seus esforços.

Nesta óptica, a Comissão examinará as perspectivas em matéria de desenvolvimento e introdução de sistemas de certificação. A possibilidade de auto-declaração ou de certificação por terceiros será também investigada, comparando-se as diferentes opções em termos de eficácia.

Melhor utilização da legislação existente

O potencial de info-acessibilidade da legislação comunitária existente tem de ser plenamente aproveitado. Várias directivas europeias contêm, com efeito, disposições que podem ser utilizadas para incentivar a info-acessibilidade (por exemplo: directiva sobre igualdade de tratamento em matéria de emprego, directiva relativa aos equipamentos de rádio e equipamentos terminais de telecomunicações ( (FR)), directiva relativa aos contratos públicos.

Contexto

A presente comunicação sobre a info-acessibilidade contribui para a aplicação da recente iniciativa " i2010 - Uma sociedade da informação europeia para o crescimento e o emprego ". Integra os principais resultados de uma consulta realizada em 2005, que permitiu concluir que a acessibilidade dos produtos e serviços em linha devia continuar a ser uma prioridade das políticas da UE em matéria de TIC.

Palavras-chave do acto
  • Tecnologias da informação e das comunicações (TIC): a sigla TIC abrange uma vasta gama de serviços, aplicações, tecnologias, equipamentos e software, ou seja, instrumentos como a telefonia e a Internet, a aprendizagem à distância, a televisão, os computadores, as redes e o software necessários para aplicar estas tecnologias que estão a revolucionar as estruturas sociais, culturais e económicas, gerando novos comportamentos no que toca à informação, ao conhecimento, à actividade profissional, etc.
  • DFA: A metodologia DFA postula que a concepção ("design") dos produtos e serviços deve ter por objectivo que estes sejam acessíveis à mais ampla gama possível de utilizadores .
  • Interoperabilidade: Capacidade de dois ou mais sistemas (dispositivos, bases de dados, serviços ou tecnologias) de interagirem de acordo com um dado método.
  • A estratégia de Lisboa: no Conselho Europeu de Lisboa (Março de 2000), a UE estabeleceu para si própria um novo objectivo estratégico para a próxima década: "tornar-se a economia baseada no conhecimento mais competitiva e dinâmica do mundo, capaz de garantir um crescimento económico sustentável, com mais e melhores empregos e maior coesão social". A estratégia de Lisboa foi revista em Março de 2005, a fim de centrar as suas prioridades no crescimento e no emprego.

ACTOS RELACIONADOS

Comunicação da Comissão, de 25 de Setembro de 2001, intitulada "eEurope 2002: acessibilidade dos sítios Web públicos e do respectivo conteúdo [COM(2001) 529 final - Não publicada no Jornal Oficial].

Resolução (pdf ) do Conselho Emprego, Política Social, Saúde e Consumidores, de 2-3 de Dezembro de 2002, sobre a e-acessibilidade para pessoas com deficiências".

Última modificação: 27.02.2006

Veja também

Para mais informações, consultar o sítio "Sociedade da Informação" (EN) da Comissão Europeia.

Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página