RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 11 idiomas

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Intercâmbio electrónico de dados entre administrações: Programa IDA

Arquivos

O programa IDA ("Interchange of Data between Administrations") tem como objectivo facilitar o desenvolvimento e a implantação operacional de redes telemáticas transeuropeias de intercâmbio de dados entre as administrações dos Estados-Membros e/ou as instituições europeias.
No seguimento do programa IDA I, a segunda fase do programa (IDA II) foi lançada em 1999, com a aprovação das duas decisões apresentadas. O programa foi reorientado mais para o mercado e para a interoperabilidade, com vista a aumentar a eficácia da prestação de serviços públicos em linha às empresas e aos cidadãos europeus.
O programa IDABC substituirá o IDA II quando este chegar ao seu termo, em 31 de Dezembro de 2004.

ACTOS

Decisão 1719/1999/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 12 Julho de 1999, relativa a uma série de orientações, incluindo a identificação de projectos de interesse comum, respeitantes a redes transeuropeias para o intercâmbio electrónico de dados entre administrações (IDA)

e

Decisão 1720/1999/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 12 de Julho de 1999, que adopta uma série de acções e medidas destinadas a garantir a interoperabilidade das redes transeuropeias para o intercâmbio electrónico de dados entre administrações (IDA) e o acesso a essas redes [Ver Actos Modificativos].

SÍNTESE

A primeira fase do programa (IDA I), foi lançada em 1995 (Decisão 95/468/CE) e contribuiu para a implantação de redes telemáticas importantes em domínios como o emprego, a saúde, a agricultura, a estatística e a concorrência.

Domínios de intervenção

O programa IDA II apoia a execução de projectos de interesse comum relativos, principalmente, ao desenvolvimento e à implantação de redes telemáticas ao serviço das políticas comunitárias, tais como a União Económica e Monetária (UEM), a defesa do consumidor, a saúde e os transportes.

Objectivos

Os objectivos visados pela Comunidade através do programa IDA são os seguintes:

  • Alcançar um elevado grau de interoperabilidade entre as redes telemáticas criadas nos Estados-Membros e entre a Comunidade e os Estados-Membros.
  • Fazer convergir essas redes numa interface telemática comum entre a Comunidade e os Estados-Membros.
  • Conseguir benefícios para a Comunidade e para as administrações dos Estados-Membros, resultantes especialmente da simplificação das operações, da redução da manutenção, da aceleração da criação de novas redes e da garantia de intercâmbio de dados globalmente seguros e fiáveis.
  • Tornar os benefícios das redes extensivos às empresas da Comunidade e aos cidadãos da União Europeia (UE).
  • Promover a disseminação de melhores práticas e incentivar o desenvolvimento de soluções telemáticas inovadoras nas administrações.

Critérios de elegibilidade

Os projectos devem situar-se no âmbito das políticas e das actividades comunitárias.

É dada prioridade aos projectos que melhorem a viabilidade económica das administrações públicas, das instituições europeias, dos Estados-Membros e das regiões e que, pela elaboração ou pelo desenvolvimento de uma rede sectorial:

  • Contribuam para a eliminação dos entraves à livre circulação de mercadorias, pessoas, serviços e capitais.
  • Contribuam para o êxito da realização da UEM.
  • Favoreçam a cooperação institucional entre as instituições comunitárias, bem como entre estas e as administrações nacionais e regionais.
  • Contribuam para a protecção dos interesses financeiros da Comunidade e dos Estados-Membros ou para o combate à fraude.
  • Facilitem a preparação do alargamento da UE.
  • Promovam a competitividade da indústria na Comunidade, muito especialmente, a competitividade das pequenas e médias empresas.
  • Proporcionem benefícios aos cidadãos da UE.

Beneficiários

Os principais beneficiários são as administrações nacionais ou regionais dos Estados-Membros e as instituições comunitárias.

Contribuição financeira da Comunidade

Na execução dos projectos IDA, a Comunidade custeará uma parte das despesas proporcional ao interesse que estes lhe apresentem. O orçamento previsional para o período 1999-2004 é de cerca de 24 milhões de euros por ano.

Linhas gerais

Os projectos IDA incluem as quatro fases seguintes:

  • Uma fase preparatória que conduz à elaboração de um relatório preliminar sobre os objectivos, o âmbito de aplicação e a fundamentação do projecto (especialmente a previsão de custos e benefícios).
  • Uma fase de viabilidade, que conduz ao estabelecimento de um plano global de execução.
  • Uma fase de desenvolvimento e validação, em que a solução proposta para as redes em causa pode, se for caso disso, ser elaborada, testada, avaliada e acompanhada em pequena escala.
  • Uma fase de realização que consiste na criação das redes em causa.

Países em vias de adesão

Na sequência de alterações introduzidas nas decisões que formam a sua base jurídica, o programa IDA abriu-se aos países em vias de adesão. A 24 de Abril de 2003, a Eslovénia, a Polónia, a República Checa, Malta, a Estónia e Chipre celebraram com a Comissão Europeia um protocolo de acordo que formaliza a sua participação no programa IDA. A celebração destes protocolos de acordo vai permitir aos países signatários participar no programa nas mesmas condições que os membros do Espaço Económico Europeu. Estes contribuirão igualmente para o orçamento anual do programa IDA. Espera-se que em 2003, os outros países em vias de adesão, bem como três países candidatos (Bulgária, Roménia e Turquia), assinem protocolos semelhantes.

Relação com o plano de acção eEurope

Em Janeiro de 2002, o programa IDA tornou-se igualmente o instrumento de aplicação do capítulo administração pública em linha, do Plano de Acção eEurope 2005. O programa IDA apoia, com efeito, a criação de serviços que incidam sobre o intercâmbio de dados electrónicos, seguro e eficaz, entre os diferentes níveis da administração. Estes serviços constituem uma base essencial para a criação de serviços públicos modernos, como previsto no plano de acção eEurope 2005.

No âmbito do programa IDA, a Comissão criou e financia desde há dois anos uma infra-estrutura de comunicação segura, em rede, para o intercâmbio de informações (TESTA - Serviços Telemáticos Transeuropeus entre Administrações) entre praticamente todas as administrações dos Estados-Membros (e, brevemente, dos países em vias de adesão) e as instituições europeias. Com o desenvolvimento dos projectos de administração pública em linha, a rede TESTA poderá tornar-se o suporte de serviços pan-europeus destinados aos cidadãos e às empresas. O programa IDA financia igualmente o programa TESS ( (ES) (DE) (EN) (FR)) (Telemática para a Segurança Social).

REFERÊNCIAS

ActoEntrada em vigorTransposição nos Estados-MembrosJornal Oficial
Decisão 1719/1999/CE [adopção: co-decisão COD/1997/0340]03.08.1999-JO L 203 de 03.08.1999
Decisão 1720/1999/CE [adopção: co-decisão COD/1997/0341]03.08.1999-JO L 203 de 03.08.1999

Acto(s) modificativo(s)Entrada em vigorTransposição nos Estados-MembrosJornal Oficial
Decisão 2046/2002/CE [adopção: co-decisão COD/2001/210]20.11.2002-JO L 316 de 20.11.2002
Decisão 2045/2002/CE [adopção: co-decisão COD/2001/0211]20.11.2002-JO L 316 de 20.11.2002

ACTOS RELACIONADOS

Relatório [COM(2003) 100 final - Não publicado no Jornal Oficial].
Relatório da Comissão, de 7 de Março de 2003, ao Parlamento Europeu e ao Conselho - Avaliação do programa IDA II.

Este relatório de avaliação intercalar contém uma série de recomendações que preconizam as orientações seguintes:

  • A ênfase na análise custos-benefícios dos projectos.
  • O estabelecimento da descrição de uma infra-estrutura, que servirá como plataforma para o desenvolvimento de projectos de interesse comum, e de outras redes sectoriais.
  • O reforço do auxílio prestado pela equipa do IDA às diferentes administrações sectoriais que participam no programa.
  • A redução da dimensão e da complexidade dos procedimentos que conduzem à realização de um projecto. Uma simplificação dos procedimentos permitirá não somente diminuir as despesas administrativas gerais, mas também melhorar a recolha dos dados.
  • A manutenção de um registo permanente (matriz) dos resultados das acções e medidas horizontais e dos projectos que as utilizam, que incorpore dados sobre os pontos de contacto para os gestores do IDA e para os responsáveis dos projectos sectoriais.

Decisão 2004/387/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 21 de Abril de 2004, sobre a prestação interoperável de serviços pan-europeus de administração em linha (eGovernment) a administrações públicas, empresas e cidadãos (IDABC) [Jornal Oficial L 144 de 30 de Abril de 2004].

O novo programa IDABC (prestação interoperável de serviços pan-europeus de administração em linha), tem por objectivo a prestação de serviços administrativos pan-europeus em linha às administrações públicas, às empresas e aos cidadãos.
Este programa dá seguimento ao programa IDA II, que chega ao seu termo em 31 de Dezembro de 2004. O programa IDABC será, por conseguinte, lançado em 1 de Janeiro de 2005 e terminará em 2009.

O IDABC é um programa de administração em linha alargado que contemplará os objectivos do actual programa IDA mas irá mais longe do que este programa, uma vez que prevê igualmente a criação de serviços electrónicos pan-europeus destinados às empresas e aos cidadãos. O novo programa inclui duas vertentes:
- projectos de interesse comum de apoio às políticas sectoriais;
- medidas horizontais de apoio à interoperabilidade.

Por outro lado, o âmbito de aplicação do programa IDABC é mais vasto, na medida em que engloba as redes e os serviços e estende os benefícios da interacção entre administrações públicas às empresas e aos cidadãos. De igual modo, deverão disponibilizar-se maiores fundos a fim de garantir o intercâmbio eficiente, efectivo e seguro da informação, dando a devida consideração à diversidade linguística da Comunidade. Concretamente, a Comissão propõe que o programa IDABC seja dotado de um orçamento ligeiramente superior a 148 milhões de euros, dos quais 59 milhões para o período até 31 de Dezembro de 2006.

Última modificação: 01.03.2005

Veja também

Para informação mais pormenorizada consultar o sítio da Comissão relativo ao programa IDA (EN).

Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página