RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 11 idiomas

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


i2010: a sociedade da informação e os media ao serviço do crescimento e do emprego

Arquivos

i2010 é o novo quadro estratégico da Comissão Europeia que define as grandes orientações políticas para a sociedade da informação e os media. Esta nova política integrada visa nomeadamente incentivar o conhecimento e a inovação para apoio ao crescimento e à criação de empregos mais numerosos e de melhor qualidade. Inscreve-se no quadro da estratégia de Lisboa revista.

ACTO

Comunicação da Comissão, de 1 de Junho de 2005, ao Conselho, ao Parlamento Europeu, ao Comité Económico e Social Europeu e ao Comité das Regiões intitulada “i2010 – Uma sociedade da informação europeia para o crescimento e o emprego” [COM(2005) 229 final – Não publicada no Jornal Oficial].

SÍNTESE

Com a iniciativa i2010, a Comissão aborda de modo integrado a sociedade da informação e as políticas audiovisuais na União Europeia. Tem em vista coordenar a acção dos Estados-Membros para facilitar a convergência digital e responder aos desafios ligados à sociedade da informação. Para elaborar este quadro estratégico, inspirou-se numa vasta consulta aos intervenientes sobre as iniciativas e instrumentos anteriores, como eEurope e a comunicação sobre o futuro da política europeia de regulação do audiovisual.

A Comissão propõe três objectivos prioritários a realizar antes de 2010 para as políticas europeias da sociedade da informação e dos media: a criação de um espaço único europeu da informação; o reforço da inovação e do investimento em investigação na área das tecnologias da informação e das comunicações (TIC); e a realização de uma sociedade da informação e dos media inclusiva.

Um espaço único europeu da informação

A fim de encorajar um mercado interno aberto e concorrencial para a sociedade da informação e dos media, o primeiro objectivo da iniciativa i2010 é criar um espaço único europeu da informação que ofereça comunicações de elevado débito seguras e a preços acessíveis, conteúdos de qualidade e diversificados e serviços digitais. A Comissão procura atingir quatro objectivos:

  • aumentar a velocidade dos serviços de elevado débito na Europa;
  • incentivar novos serviços e conteúdos online;
  • promover equipamentos e plataformas que comuniquem entre si;
  • tornar a Internet mais segura contra a fraude, os conteúdos nocivos e as falhas tecnológicas.

Para criar o espaço único europeu da informação, a Comissão prevê:

  • rever o quadro regulamentar das comunicações electrónicas , incluindo a definição de uma estratégia eficaz de gestão do espectro de radiofrequências;
  • criar um quadro coerente para os serviços da sociedade da informação e dos media através:
    • da modernização do quadro jurídico para os serviços audiovisuais, começando pela revisão da Directiva “Televisão sem fronteiras” (2005);
    • da eventual adaptação do acervo comunitário que tenha incidência nos serviços da sociedade da informação e dos media (2007);
    • da promoção de uma aplicação rápida e eficaz do acervo existente e actualizado.
  • apoiar permanentemente a criação e a difusão de conteúdos europeus, nomeadamente através dos programas “eLearning ” e “eContentplus ” e seus sucessores;
  • definir e executar uma estratégia para uma sociedade da informação europeia segura, nomeadamente através da sensibilização para a necessidade de autoprotecção, vigilância e monitorização das ameaças e de uma resposta rápida e eficaz a ataques e falhas nos sistemas;
  • identificar e promover acções com objectivos muito específicos em matéria de interoperabilidade, nomeadamente para a gestão dos direitos digitais.

Inovação e investimento na investigação

Para reforçar a inovação e o investimento na investigação respeitante às TIC, a Comissão deseja encorajar uma investigação e uma inovação ao melhor nível mundial no sector das TIC, reduzindo a diferença entre a Europa e os seus principais concorrentes. Concretamente, propõe:

  • aumentar em 80% o apoio à investigação no domínio das TIC a nível comunitário até 2010, convidando os Estados-Membros a fazerem o mesmo;
  • dar prioridade aos principais pilares tecnológicos do 7º Programa-Quadro de investigação e desenvolvimento tecnológico (PQID), como as tecnologias ao serviço do conhecimento, conteúdos e criatividade, redes de comunicações avançadas e abertas, software seguro e fiável, sistemas integrados, nanoelectrónica;
  • lançar iniciativas de investigação e implantação para eliminar os principais nós de estrangulamento, nomeadamente para a interoperabilidade, a segurança e a fiabilidade, a gestão da identidade e dos direitos, que exigem soluções simultaneamente tecnológicas e estruturais;
  • definir medidas complementares destinadas a encorajar o investimento privado na investigação e inovação no domínio das TIC (2006);
  • elaborar propostas específicas com vista a uma sociedade da informação para todos nas orientações estratégicas comunitárias sobre a coesão para o período 2007-2013;
  • definir políticas em matéria de comércio electrónico destinadas a eliminar os obstáculos tecnológicos, organizativos e jurídicos à adopção das TIC, centrando as atenções nas pequenas e médias empresas (PME);
  • desenvolver ferramentas para incentivar novos padrões de trabalho que favoreçam a inovação nas empresas e a adaptação às novas necessidades em matéria de competências.

Inclusão, melhores serviços públicos e qualidade de vida

A Comissão pretende reforçar a coesão social, económica e territorial através da criação de uma sociedade da informação europeia inclusiva. Prevê dar apoio ao crescimento e ao emprego de modo coerente com o desenvolvimento sustentável e dar prioridade ao melhoramento dos serviços públicos e da qualidade de vida. Para atingir o objectivo de uma sociedade da informação inclusiva, que ofereça serviços públicos de grande qualidade e melhore a qualidade de vida, a Comissão prevê, nomeadamente:

  • difundir as orientações políticas sobre a info-acessibilidade e a cobertura territorial em elevado débito para facilitar a utilização de sistemas TIC a um maior número de pessoas (2005);
  • propor uma iniciativa europeia sobre a info-inclusão que abranja a igualdade de oportunidades, as competências em TIC e as clivagens regionais (2008);
  • adoptar um plano de acção para a administração pública online e orientações estratégicas para encorajar os serviços públicos a utilizarem as TIC. Lançará projectos de demonstração, a uma escala operacional, para testar soluções tecnológicas, jurídicas e organizativas no domínio dos serviços públicos online;
  • pôr em marcha, numa primeira fase, três iniciativas emblemáticas que envolvem a utilização das TIC para melhorar a qualidade de vida: cuidados para as pessoas numa sociedade que envelhece, transportes mais seguros e menos poluentes, nomeadamente com “veículos inteligentes ”, e bibliotecas digitais para incentivar a diversidade cultural.

Governação

A Comissão tenciona elaborar propostas para actualizar os quadros regulamentares das comunicações electrónicas e dos serviços da sociedade da informação e dos media. Propõe-se igualmente utilizar os instrumentos financeiros comunitários para estimular o investimento na investigação estratégica e para suprimir os nós de estrangulamento que entrava m a inovação no domínio das TIC. Por último, pretende encorajar as políticas em prol da inclusão e da qualidade de vida.

No âmbito dos programas nacionais de reforma, os Estados-Membros, devem fixar, até meados de Outubro de 2005, as prioridades para a sociedade da informação em conformidade com as orientações integradas para o crescimento e o emprego. Devem tomar medidas para, nomeadamente:

  • transpor rápida e integralmente os novos quadros regulamentares que afectam a convergência digital, colocando a tónica em mercados abertos e concorrenciais;
  • aumentar a parte consagrada à investigação no domínio das TIC na despesa nacional com vista a serviços públicos modernos e interoperáveis apoiados nas TIC;
  • incentivar a inovação no sector das TIC graças a investimentos;
  • fazer avançar a sociedade da informação à escala nacional, fixando para tal objectivos ambiciosos.

Os Estados-Membros apresentaram as suas realizações no quadro definido por ocasião da revisão da Estratégia de Lisboa.

A Comissão convida igualmente as outras partes interessadas a iniciarem um diálogo para apoiar o desenvolvimento da sociedade da informação. Dirige-se, em especial, aos parceiros industriais, para que estes aumentem os investimentos na investigação relativa às novas tecnologias neste domínio.

Para reunir todas as partes interessadas, a Comissão propõe-se utilizar o método aberto de coordenação, que inclui o intercâmbio de boas práticas e relatórios anuais sobre a realização dos objectivos de Lisboa.

ACTOS RELACIONADOS

Comunicação da Comissão ao Parlamento Europeu, ao Conselho, ao Comité Económico e Social Europeu e ao Comité das Regiões – Relatório sobre a competitividade da Europa em matéria digital: principais resultados da estratégia “i2010” entre 2005 e 2009 [COM(2009) 390 final – Não publicada no Jornal Oficial].
A presente comunicação faz o balanço da estratégia “i2010” levada a cabo entre 2005 e 2009. Conclui que as acções realizadas no domínio das TIC nos últimos quatro anos permitiram modernizar a Europa de um ponto de vista quer económico, quer social, e contribuíram para os seguintes resultados:

  • o número de europeus online aumentou fortemente, particularmente o número de utilizadores de grupos desfavorecidos;
  • a Europa encontra-se agora no primeiro lugar no domínio da Internet de banda larga;
  • as ligações de banda larga aumentaram;
  • a Europa é líder no que diz respeito à telefonia móvel;
  • a oferta e a utilização dos serviços online aumentaram fortemente;
  • realizaram-se avanços no sector das TIC ligadas à microelectrónica, à nanoelectrónica, aos cuidados de saúde e à segurança rodoviária;
  • as políticas em matéria de TIC foram integradas progressivamente nas políticas gerais.

No entanto, se compararmos os seus resultados com os dos EUA, Japão ou Coreia do Sul, a União Europeia regista ainda um atraso notório em termos de investigação e desenvolvimento tecnológicos no domínio das TIC. Para manter a sua competitividade, é portanto importante que a Europa se equipe com uma nova agenda digital. Para isso, a Comissão prevê lançar uma consulta pública online sobre determinados aspectos-chave para as futuras políticas da UE no domínio das TIC e dos media.

Comunicação da Comissão, de 17 de Abril de 2008, ao Parlamento Europeu, ao Conselho, ao Comité Económico e Social Europeu e ao Comité das Regiões – Preparar o futuro digital da Europa – Avaliação intercalar da iniciativa i2010 [COM(2008) 199final –Não publicado no Jornal Oficial].
AComissão verifica que se registou um forte crescimento da banda larga na Europa.Mais de metade dos europeus (250 milhões de pessoas) utilizam regularmente a Internet. Em 2007, foram registados perto de 40 milhões de novos utilizadores. Os serviços públicos, de que são exemplos 96% das escolas europeias e 57% dos médicos, recorrem cada vez mais às ligações em banda larga. Quanto às empresas, 77% dispunham deste tipo de ligação. A ligação em banda larga está a tornar-se progressivamente o tipo de ligação mais corrente.
No entanto, a par do forte crescimento da banda larga na UE, o relatório realça as propostas concretas de reorientação da iniciativa i2010 para o período 2008-2010. O objectivo consiste em incentivar a competitividade dos países mais avançados, reduzindo simultaneamente as diferenças entre os Estados-Membros. Concretamente, a Comissão pretende impulsionar as iniciativas tecnológicas conjuntas para favorecer a investigação no domínio das TIC. Em 2008, será publicado um guia dos direitos e obrigações dos utilizadores das tecnologias digitais na UE, para promover a utilização das novas tecnologias online e reduzir a clivagem digital entre os Estados-Membros. A Comissão tenciona igualmente desenvolver os serviços públicos pan-europeus, nomeadamente com a iniciativa destinada a promover a assinatura e a autenticação electrónicas .

Comunicação da Comissão, de 30 de Março de 2007, ao Parlamento Europeu, ao Conselho, ao Comité Económico e Social Europeu e ao Comité das Regiões – i2010 – Relatório Anual de 2007 sobre a Sociedade da Informação [COM(2007) 146 final – Não publicado no Jornal Oficial]
Neste segundo relatório, a Comissão formula um conjunto de recomendações e acções para 2007 e 2008, nomeadamente:

  • revisão do quadro regulamentar das comunicações electrónicas;
  • prossecução da política de inovação no domínio das TIC, com as iniciativas tecnológicas conjuntas, a política comunitária de normalização e o Programa para a Competitividade e a Inovação (PCI);
  • inclusão, melhoria contínua dos serviços públicos e da qualidade de vida (acessibilidade online, medioliteracia, administração pública online, veículo inteligente, eficiência energética).

Tendo em vista uma revisão intercalar em 2008, o relatório define uma série de acções preparatórias, a saber:

  • definir perspectivas de evolução, nomeadamente através das possibilidades da nova Internet, em colaboração com o Grupo de Alto Nível i2010;
  • lançar uma consulta pública que envolva todas as partes interessadas;
  • abordar as principais questões a ter em conta na revisão intercalar num evento de alto nível consagrado à iniciativa i2010 a realizar em 2008.

O resultado destas acções alimentará, em parte, os debates do Conselho Europeu da Primavera de 2008, que se debruçará sobre as questões da Internet da nova geração.

Última modificação: 09.12.2009
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página