RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 11 idiomas

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Cooperação com as populações indígenas

O relatório analisa os progressos realizados na cooperação entre a União Europeia e as populações indígenas, assim como fazer recomendações para o futuro.

ACTO

Relatório da Comissão ao Conselho sobre a análise do progresso do trabalho com as populações indígenas, de 11 de Junho de 2002 [COM (2002) 291 final - Não publicado no Jornal Oficial].

SÍNTESE

Antecedentes

A participação activa das populações indígenas desempenha um papel importante no processo de desenvolvimento, visto que permite a essas populações, frequentemente vulneráveis e desfavorecidas, modelar o seu próprio desenvolvimento.

A União Europeia já estabeleceu um quadro para as suas actividades nesse domínio através de um documento de trabalho apresentado em 1998 e reafirmado por uma resolução do Conselho Desenvolvimento durante o mesmo ano (Conclusões do Conselho Desenvolvimento - 30.11.1998). O relatório constitui a consolidação dessas iniciativas.

Âmbito da cooperação

No relatório foram identificadas três orientações concretas:

  • Integrar a questão das populações indígenas em todas as políticas, programas e projectos da União.
  • Consultar as populações indígenas sobre as políticas e as actividades que as afectam.
  • Ajudar essas populações em áreas temáticas fulcrais.

Progressos realizados na aplicação

O relatório examina principalmente o período 1998-2000, durante o qual a União realizou actividades de grande envergadura. Foram concedidos 21,9 milhões de euros a projectos que beneficiam directamente as populações indígenas.

Progressos realizados: integração das questões relativas às populações indígenas em todas as políticas, programas e actividades

As populações indígenas são directa ou indirectamente afectadas por uma vasta gama de políticas e de actividades da União, entre as quais pode citar-se a promoção dos direitos humanos e da democracia, assim como a política do ambiente e de desenvolvimento sustentável. A fim de integrar plenamente a questão das populações indígenas, é necessário:

  • Integrá-la nos procedimentos, nos regulamentos, etc.
  • Integrá-la nas discussões estratégicas com os países em desenvolvimento beneficiários (durante a elaboração da estratégia nacional por país, por exemplo).
  • Controlar sistematicamente os projectos que afectam as populações indígenas.
  • Formar o pessoal da Comissão e dos Estados-Membros a fim de o sensibilizar para este assunto.
  • Reforçar a coordenação e a coerência na União.

A Comissão conseguiu integrar esta problemática numa vasta gama de actos legislativos. A sua integração na Iniciativa Europeia para a Democracia e Defesa dos Direitos Humanos (IEDDH) foi especialmente importante.

A execução da ajuda humanitária ocorre igualmente através de debates e da adopção de orientações estratégicas entre a União e os beneficiários. As questões relativas às populações indígenas foram integradas num conjunto de acordos-quadro e de documentos estratégicos concluídos com os parceiros da União, tais como os países ACP (África, Caraíbas e Pacífico). Uma vez concedida a ajuda, o seu acompanhamento sistemático deve compreender um controlo do impacto das medidas sobre essas populações.

A fim de melhorar a realização e o impacto da ajuda da União, a Comissão já elaborou um programa de formação para o pessoal. Uma das acções adoptadas para melhorar a coordenação e a coerência na União é a criação de um grupo de trabalho.

Progressos realizados: consulta às populações indígenas

O empenhamento total dos beneficiários de um projecto em todas as suas fases é a melhor garantia do seu êxito. Por conseguinte, a Comissão identificou três acções principais para atingir esse objectivo:

  • Estabelecer metodologias e procedimentos para assegurar a participação das populações indígenas no processo de desenvolvimento.
  • Identificar as prioridades das populações indígenas.
  • Assegurar às populações indígenas a possibilidade de avaliarem e exprimirem opiniões informadas sobre as actividades específicas da União.

A Comissão instaurou mecanismos de consulta e pontos de contacto nos serviços da Comissão. A consulta faz-se igualmente através de uma rede informal entre três organizações para as populações indígenas.

Realizou-se uma ampla consulta às populações com o objectivo de conhecer melhor a sua situação real (jurídica, sócio-económica, etc.). Essa consulta permitiu à União definir as prioridades das populações indígenas, tendo sido identificadas duas prioridades principais: o ambiente e o racismo. A participação restrita das populações indígenas no processo de desenvolvimento e na sociedade civil é uma questão que deve ser igualmente abordada.

Os resultados das consultas mostraram também que os procedimentos para a obtenção da ajuda financeira constituem um obstáculo importante à participação dessas populações. Deve igualmente ter-se em conta a possibilidade de criar microprojectos, mais adaptados à sua situação.

Progressos realizados: apoio às populações indígenas em áreas prioritárias

A Comissão apresenta alguns exemplos de um grande número de projectos realizados durante esse período. Trata-se de projectos concebidos para:

  • Apoiar os esforços nacionais para reconhecer e respeitar os direitos das populações indígenas. Existe, por exemplo, um programa de gestão da fauna selvagem no Botswana.
  • Formar e educar as populações.
    Foi executado um projecto na Tailândia destinado a organizar e reforçar as capacidades das tribos das regiões montanhosas através da educação. O programa incentiva as populações a preservar e a transmitir a sua cultura e os seus conhecimentos à nova geração.
  • Desenvolver as capacidades das organizações indígenas. Foram concedidas subvenções para reforçar as capacidades das pequenas organizações não governamentais e facilitar a coordenação dos microprojectos.
  • Permitir a constituição de redes e o intercâmbio de experiências entre populações indígenas. Foi concedida uma subvenção a uma associação na América Latina para construir uma rede de rádio destinada a intensificar as comunicações entre as populações amazónicas e para defesa da sua forma de vida e do ecossistema amazónico.
  • Reforçar a salvaguarda do conhecimento, das inovações e das práticas das populações indígenas.Foi concedida uma contribuição financeira da Comunidade Europeia à realização de um estudo internacional sobre a cultura, os costumes e as tradições das populações indígenas.

Outras acções necessárias

A cooperação com as populações indígenas é um processo em plena evolução. São propostas algumas medidas para melhorar essa cooperação no futuro:

  • Continuar a melhorar a integração dessa problemática nas políticas, nos programas, etc. Deve aperfeiçoar-se a metodologia para a sua integração, identificar sistematicamente os projectos relativos às populações e fazer uma referência específica às populações indígenas com vista à criação de uma base de dados central sobre as acções que as afectam.
  • Continuar a melhorar a cooperação e a coerência na União e com outras entidades financiadoras.
  • Inserir orientações específicas para a protecção das populações indígenas nos documentos oficiais da Comissão relativamente a todas as políticas pertinentes.
  • Intensificar a consulta às populações.
    Deve-se designadamente assegurar que as pequenas organizações sejam mais informadas sobre o trabalho da União e que as delegações da Comissão sejam reforçadas para que possam participar na gestão dos microprojectos.

ACTOS RELACIONADOS

Conclusões do Conselho sobre as populações indígenas.
Conselho Assuntos Gerais - 18 de Novembro de 2002 [Não publicado no Jornal Oficial].
Nestas conclusões, o Conselho convida a Comissão e os Estados-Membros a:

  • Facilitarem a identificação, no âmbito dos seus serviços e administrações nacionais, dos pontos de contacto para as questões relativas às populações indígenas.
  • Reforçarem o diálogo directo e a longo prazo entre as populações indígenas, a UE, as organizações internacionais e as organizações não governamentais (ONG).
  • Estabelecerem uma rede de intercâmbio de informações entre os pontos de contacto na Comissão e nos Estados-Membros e os representantes das populações indígenas.

O Conselho convida igualmente a Comissão a:

  • Garantir que o seu pessoal receba uma formação em matéria de direitos das populações indígenas e aplicação dos processos participativos.
  • Prestar uma atenção especial aos direitos das mulheres, dos idosos e das crianças que são membros das populações indígenas.
  • Incluir, nos documentos de estratégia por país, dados relativos à situação económica, social, cultural e política das populações indígenas. Estes documentos devem incluir uma análise da influência da política de cooperação da EU sobre as populações indígenas;
  • Abordar a questão das populações indígenas no quadro do diálogo político com os países parceiros da UE.
  • Facilitar a participação dos representantes das populações indígenas ao longo de todo o ciclo dos projectos de cooperação da UE.
  • Fazer o necessário para que o relatório anual da EU sobre os direitos humanos inclua uma parte dedicada à avaliação da política comunitária relativa às populações indígenas.
Última modificação: 06.06.2007
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página