RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 23 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  BG - CS - ET - GA - LV - LT - HU - MT - PL - RO - SK - SL

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Plano de acção do Programa de Estocolmo

Este plano de acção prevê um roteiro para a aplicação das prioridades políticas definidas no Programa de Estocolmo no domínio da justiça, da liberdade e da segurança entre 2010 e 2014.

ACTO

Comunicação da Comissão ao Parlamento Europeu, ao Conselho, ao Comité Económico e Social Europeu e ao Comité das Regiões, de 20 de Abril de 2010 – Realização de um espaço de liberdade, de segurança e de justiça para os cidadãos europeus – Plano de Acção de aplicação do Programa de Estocolmo [COM(2010) 171 final – Não publicada no Jornal Oficial].

SÍNTESE

As prioridades da União Europeia (UE) relativas ao desenvolvimento de um espaço de justiça, de liberdade e de segurança para o período de 2010-2014 estão definidas no Programa de Estocolmo. Este plano de acção tem por finalidade concretizar essas prioridades, bem como preparar para desafios futuros tanto a nível europeu como a nível mundial.

A Europa dos direitos

O plano de acção prevê medidas para garantir a protecção dos direitos fundamentais. Estas medidas consistem em reforçar a legislação em matéria de protecção de dados através de um novo quadro jurídico global, bem como em integrar a protecção de dados em todas as políticas da UE, na aplicação da lei, na prevenção da criminalidade e nas relações internacionais. As acções destinam-se igualmente a combater todas as formas de discriminação, racismo, xenofobia e homofobia. É dada uma atenção particular à protecção dos direitos da criança e dos grupos vulneráveis, incluindo as vítimas da criminalidade e do terrorismo. Para a protecção destas vítimas, a Comissão irá propor um instrumento abrangente e medidas práticas, incluindo uma decisão europeia de protecção. A Comissão irá também apresentar propostas legislativas relativamente aos direitos do indivíduo em processos penais e acções relacionadas com detenção. Para além disso, o plano de acção prevê medidas para dotar os cidadãos europeus de maior capacidade para exercerem os seus direitos, nomeadamente, o direito à livre circulação, o direito a protecção em países terceiros e o direito de participação cívica.

A Europa da justiça

Para reforçar o espaço judiciário europeu, o plano de acção estabelece medidas para prosseguir a aplicação do princípio do reconhecimento mútuo. Estas medidas incluem propostas legislativas sobre a obtenção e recolha de provas, sobre decisões de privação de direitos e sobre sanções financeiras em matéria penal. A Comissão pretende também propor uma nova legislação em matéria civil, por exemplo, em relação ao divórcio, e rever o regulamento relativo a decisões judiciais em matéria civil e comercial. Para que o princípio de reconhecimento mútuo funcione com eficácia, a Comissão adoptará medidas para reforçar a confiança mútua. Para tal, serão também propostas acções para desenvolver as normas mínimas comuns nos direitos penal e civil. Adicionalmente, de forma que os cidadãos beneficiem mais do espaço judiciário europeu, a Comissão irá propor acções para facilitar o acesso à justiça, especialmente em termos de legislação relativa aos actos sobre o estado civil, e para apoiar a actividade económica, como propostas legislativas sobre a execução das decisões judiciais. Ao mesmo tempo, a Comissão pretende reforçar a presença internacional da UE no domínio do direito civil e do direito penal, especialmente através da negociação de acordos e convenções com países terceiros.

A Europa que protege

Para melhor proteger os cidadãos e combater a criminalidade transfronteiras, o plano de acção prevê a elaboração de uma estratégia de segurança interna. A Comissão tem igualmente como objectivo melhorar os instrumentos existentes de segurança, nomeadamente os instrumentos relacionados com a gestão de fluxos de informação, bem como propor a adopção de instrumentos tecnológicos de segurança, como um registo europeu dos nacionais de países terceiros condenados. O plano de acção prevê ainda políticas melhoradas de luta contra a criminalidade transfronteiras, nomeadamente uma cooperação melhorada na aplicação da legislação europeia, incluindo entre o Serviço Europeu de Polícia (Europol), a Eurojust e a Agência Europeia de Gestão da Cooperação Operacional nas Fronteiras Externas (Frontex), bem como uma maior prevenção da criminalidade. Tendo em vista uma protecção contra a criminalidade grave e organizada, o plano de acção prevê igualmente medidas específicas para combater o crime, incluindo propostas legislativas sobre:

  • o tráfico de seres humanos;
  • a exploração sexual de crianças e a pornografia infantil;
  • a criminalidade informática e a segurança das redes e da informação;
  • a criminalidade económica e a corrupção;
  • a droga;
  • o terrorismo.

A Comissão pretende ainda reforçar a capacidade da UE para prevenir, estar preparada e dar resposta a catástrofes de origem humana e natural. Para tal, o plano de acção prevê medidas que complementam e melhoram a gestão das catástrofes pela UE.

O acesso à Europa

A Comissão irá adoptar medidas para continuar a desenvolver a abordagem integrada da gestão das fronteiras externas da UE. Estas medidas incluem propostas legislativas para alterar a Frontex, o Código das Fronteiras de Schengen e o Sistema Europeu de Vigilância das Fronteiras (Eurosur). A Comissão irá ainda propor a instituição de um sistema de entrada/saída e de um programa de viajantes registados. Para além disso, a Comissão irá prosseguir a liberalização do regime de vistos através da negociação de acordos de facilitação de vistos com países terceiros, bem como o lançamento do Sistema de Informação sobre Vistos (VIS).

A Europa da solidariedade

A Comissão pretende prosseguir uma política de imigração dinâmica e global, que consistirá em acções que:

  • continuem a desenvolver a Abordagem Global da UE em matéria de migrações para reforçar a cooperação com países terceiros;
  • apoiem a migração de forma a satisfazer as necessidades dos mercados de trabalho dos países da UE;
  • promovam a integração e os direitos dos migrantes;
  • combatam a migração ilegal através de acordos de readmissão e políticas de regresso;
  • considerem a situação dos menores não acompanhados.

A Comissão tem ainda como objectivo adoptar uma política comum de asilo de forma a realizar um espaço comum de protecção para os requerentes de asilo através da partilha de responsabilidades entre os países da UE. O plano de acção prevê ainda uma dimensão externa reforçada através da cooperação com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados e do desenvolvimento do programa de reinstalação da UE e de novos programas de protecção regionais.

A Europa num mundo globalizado

O plano de acção volta a realçar a interligação existente entre a dimensão interna e externa das políticas em matéria de justiça, de liberdade e de segurança. Por conseguinte, prevê acções que reforcem a dimensão externa, nomeadamente para uma cooperação e partilha de informação melhoradas entre os países da UE. Adicionalmente, a Comissão tem como objectivo considerar a dimensão externa nas suas relações com países terceiros, incluindo numa variedade de acordos e acordos de parceria. O plano de acção prevê ainda um apoio continuado às convenções do Conselho da Europa sobre o tráfico de seres humanos, a protecção de dados, a protecção de crianças, a criminalidade informática e a corrupção, bem como à Conferência da Haia de Direito Internacional Privado.

A perspectiva para o futuro

Por forma a transformar as prioridades políticas estabelecidas pelo Programa de Estocolmo em acções e resultados concretos, o plano de acção prevê medidas para:

  • avaliar as políticas e os mecanismos em matéria de justiça, de liberdade e de segurança;
  • formar profissionais da justiça e da segurança, bem como as autoridades judiciárias e policiais;
  • actividades de sensibilização do público;
  • um diálogo com a sociedade civil;
  • novos programas financeiros.
Última modificação: 28.05.2010
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página