RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Pôr em prática a Carta dos Direitos Fundamentais

A comunicação apresenta a estratégia da Comissão para a aplicação efetiva da Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia (UE). Reflete sobre o papel dos direitos fundamentais no processo legislativo, incluindo a metodologia da Comissão para a fase preparatória desse processo, bem como na aplicação do direito da UE.

ATO

Comunicação da Comissão de 19 de outubro de 2010 – Estratégia para a aplicação efetiva da Carta dos Direitos Fundamentais pela União Europeia [COM(2010) 573 final – Não publicado no Jornal Oficial].

SÍNTESE

Com a entrada em vigor do Tratado de Lisboa no dia 1 de dezembro de 2009, a Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia (UE) passou a ser juridicamente vinculativa. Este novo estatuto da carta reforça a ação da União no respeito pelos direitos fundamentais. A presente comunicação fornece uma estratégia para a aplicação da carta no atual quadro jurídico.

O objetivo da estratégia da Comissão consiste em assegurar a aplicação efetiva dos direitos fundamentais estabelecidos na carta. A este respeito, a própria União tem de dar o exemplo para:

  • permitir às pessoas que vivem na União gozarem dos direitos consignados na carta;
  • promover a confiança mútua entre países da UE;
  • promover a confiança do público nas políticas da UE;
  • melhorar a credibilidade da ação externa da UE no que respeita aos direitos humanos.

Uma cultura dos direitos fundamentais na Comissão

A Comissão realiza controlos sistemáticos para assegurar que as suas propostas e atos legislativos são compatíveis com a carta. Não obstante, é necessário reforças esses controlos nos serviços que elaboram essas propostas e esses atos, introduzindo «uma cultura dos direitos fundamentais» em todas as fases do procedimento. Este aspeto é particularmente importante para avaliar a necessidade e a proporcionalidade das propostas, em particular porque alguns direitos são absolutos (por exemplo, o direito à dignidade humana, a proibição da tortura, etc.), ao passo que outros poderão, em determinadas circunstâncias, estar sujeitos a limitações.

A Comissão dispõe de uma metodologia para assegurar que são realizados controlos sistemáticos e rigorosos relativamente ao respeito pelos direitos humanos na elaboração de propostas legislativas durante:

  • as consultas preparatórias;
  • as avaliações de impacto;
  • a redação dos projetos de atos.

A Comissão realiza também controlos para assegurar que a carta se reflete nas avaliações ex-post dos instrumentos da UE. Contudo, são necessários esforços adicionais para uma melhor aplicação da metodologia na prática. Em particular, a Comissão dedicará especial atenção às propostas e atos que levantem questões específicas de compatibilidade com a carta ou que visem promover especificamente um direito fundamental protegido pela carta.

A carta e o processo legislativo

Uma vez que metodologia instaurada pela Comissão só é aplicável na fase da preparação do processo legislativo, as propostas da mesma podem ser objeto de alteração pelo Conselho ou pelo Parlamento Europeu sem controlos sistemáticos do impacto e da compatibilidade das alterações relativamente aos direitos fundamentais. Por conseguinte, a Comissão está disponível para ajudar as outras instituições a examinar as respetivas alterações face à carta. Nos casos em que as alterações à proposta da Comissão não garantam o respeito suficiente pelos direitos fundamentais, a Comissão comunicará a sua oposição à redução dos níveis de proteção e tomará medidas, incluindo, quando aplicável, a retirada da sua proposta. Quaisquer propostas de alteração que possam ser incompatíveis com a carta devem ser tratadas através de um diálogo interinstitucional transparente.

A carta e os países da UE

Os países da UE estão obrigados ao cumprimento da carta apenas aquando da aplicação do direito da UE. A Comissão tomará medidas para impor o respeito pelos direitos fundamentais nos países da UE:

  • recordando-lhes esta obrigação e ajudando-os a aplicar corretamente o direito da UE;
  • interpondo processos de infração contra um país da UE que viole esta obrigação.

Informação aos cidadãos

É necessário que os cidadãos estejam sempre devidamente informados sobre os direitos consignados na carta e sobre os meios de fazer valer esses direitos quando não são respeitados, nomeadamente no que se refere à defesa dos direitos das crianças. É essencial que os cidadãos conheçam as vias de recursos à sua disposição, bem como toda a informação necessária para as acionar. Por esse motivo, a Comissão tenciona adotar medidas orientadas e adaptadas à resolução de quaisquer dificuldades relacionadas com a comunicação, nomeadamente:

  • novas atividades de informação sobre o papel e os poderes da União em matéria de direitos fundamentais;
  • ações destinadas a assegurar a facultar informações práticas sobre as vias de recurso existentes, em particular através do portal e-justice.

Relatórios anuais sobre a aplicação da carta

Com o objetivo de examinar o progresso na aplicação da carta e para proporcionar a troca de impressões regular com o Parlamento Europeu e o Conselho, a Comissão redigirá relatórios anuais sobre a aplicação da carta. A Comissão irá preparar esses relatórios em estreita colaboração com todas as instituições e partes interessadas relevantes.

ATOS RELACIONADOS

Relatório da Comissão ao Parlamento Europeu, ao Conselho, ao Comité Económico e Social Europeu e ao Comité das Regiões: Relatório sobre a aplicação da Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia [COM (2012) 169 final – Não publicado no Jornal Oficial].
Na sequência de um inquérito Eurobarómetro que revelou que os inquiridos no conjunto da UE gostariam de conhecer melhor a Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia, o presente relatório examinou os progressos realizados para assegurar a aplicação efetiva da Carta e destacou as evoluções mais importantes registadas em 2011. O relatório concluiu que, em 2011, a UE tomou medidas concretas para a aplicação efetiva da Carta, nomeadamente:

  • prosseguindo uma política de aplicação rigorosa do direito de livre circulação dos cidadãos;
  • promovendo os direitos da criança, através da adoção do programa da UE para os direitos da criança e da adoção de novas regras em matéria de luta contra o abuso e a exploração sexual de crianças e a pornografia infantil;
  • reforçando os direitos das vítimas e os direitos processuais, propondo um novo conjunto de instrumentos com o objetivo de assegurar às vítimas respeito e dignidade;
  • reiterando a firme rejeição pela Comissão de todas as formas e manifestações de xenofobia e de racismo;
  • contribuindo para a competitividade da UE – o direito à ação perante um tribunal é importante para a aplicação do direito económico da UE que contribui para o desenvolvimento. Com efeito, assegura que as empresas possam invocar de forma efetiva os direitos previstos na legislação da UE.

O relatório reconheceu ainda a adoção de medidas importantes para a elaboração da proposta de novas regras da UE em matéria de proteção de dados a apresentar em 2012.

Última modificação: 05.02.2013
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página