RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


O Tribunal de Contas da União Europeia

O presente regulamento rege o funcionamento do Tribunal de Contas da União Europeia (UE) que controla a boa gestão do orçamento comunitário. O Tribunal verifica a cobrança das receitas da UE e controla a execução das despesas.

ACTO

Regulamento Interno do Tribunal de Contas da União Europeia [Jornal Oficial L 103 de 23.04.2010].

SÍNTESE

Este regulamento, que entrou em vigor em 1 de Junho de 2010, estabelece o funcionamento interno do Tribunal, as regras de nomeação do presidente e o procedimento para a tomada das decisões. O próprio Tribunal estabelece o seu regulamento interno. Este último é submetido à aprovação do Conselho que delibera por maioria qualificada.

Papel

O artigo 287.º do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia (UE) define o papel e as prerrogativas do Tribunal de Contas.

O Tribunal controla assim a legalidade das receitas e das despesas da UE e dos seus órgãos. O controlo do Tribunal realiza-se na dupla perspectiva de melhorar os resultados da gestão financeira e prestar contas ao cidadão europeu sobre a utilização do erário público.

O controlo do Tribunal é efectuado:

  • com base em documentos comprovativos das operações financeiras e, se for caso disso, in loco junto das instituições europeias;
  • nos locais dos organismos que gerem as receitas ou as despesas em nome da UE;
  • nos Estados-Membros, nomeadamente nos locais de qualquer pessoa singular ou colectiva beneficiária de pagamentos provenientes do orçamento europeu.

Na sua missão de controlo, o Tribunal coopera com os serviços nacionais e as instituições europeias. Para além disso, pode solicitar às instituições e órgãos da UE, aos organismos beneficiários de pagamentos provenientes do orçamento europeu ou às instituições nacionais de controlo qualquer informação necessária para a concretização da sua missão.

No que respeita à actividade de gestão das despesas e receitas exercida pelo Banco Europeu de Investimento, o direito de acesso do Tribunal de Contas às informações detidas pelo Banco rege-se por um acordo celebrado entre o Tribunal, o Banco e a Comissão.

O Tribunal de Contas deve assinalar eventuais irregularidades às instituições competentes. Para esse efeito, colabora estreitamente com o Organismo Europeu de Luta Antifraude (OLAF).

Apesar do seu nome, o Tribunal de Contas Europeu não tem poder jurisdicional próprio, ou seja, não tem qualquer poder de sanção. Após cada encerramento de exercício, redige um relatório anual que é publicado no Jornal Oficial. Este relatório incide sobre a gestão do orçamento europeu pelas instituições competentes. Constitui um elemento fundamental da decisão do Parlamento Europeu em relação à atribuição da descarga orçamental à Comissão.

O Tribunal de Contas fornece também ao Conselho e ao Parlamento uma declaração de fiabilidade das contas que comprove a boa utilização do orçamento europeu. O Tribunal pode ainda apresentar, em qualquer momento, as suas observações, nomeadamente sob a forma de relatórios especiais sobre determinadas questões e formular pareceres a pedido de uma das outras instituições da UE.

Composição

Os artigos 285.º e 286.º do Tratado sobre o Funcionamento da UE estabelecem as regras relativas à composição do Tribunal de Contas.

O colégio é o principal órgão de tomada de decisões do Tribunal. É composto por um membro por Estado-Membro da UE. Os membros são nomeados pelo Conselho por maioria qualificada, após consulta do Parlamento Europeu, com base em propostas apresentadas pelos Estados-Membros. Os membros susceptíveis de serem nomeados pelos Estados-Membros devem pertencer no seu país respectivo a um organismo de controlo externo ou possuir uma qualificação especial para esta função. Exercem a sua função junto do Tribunal de Contas com toda a independência. O seu mandato, renovável, é de seis anos.

O presidente do Tribunal é eleito por voto secreto de entre os membros do Colégio. O candidato que obtiver a maioria de dois terços dos votos dos membros do Tribunal na primeira volta é eleito. Se esta maioria não for conseguida, o candidato deve obter na segunda volta a maioria dos votos. O seu mandato, renovável, é de três anos. O presidente exerce as seguintes funções:

  • adopta a ordem trabalhos;
  • convoca as reuniões do Colégio e preside às mesmas;
  • assegura o bom desenrolar dos debates;
  • vela pela execução das decisões do Tribunal;
  • assegura o bom funcionamento dos serviços e a boa gestão das diferentes actividades do Tribunal;
  • designa o agente que representa o Tribunal em todos os processos contenciosos;
  • representa o Tribunal nas suas relações com o exterior, por exemplo, com as instituições e os outros órgãos de controlo da UE.

O Tribunal nomeia o seu secretário-geral na sequência de uma eleição por escrutínio secreto. O secretário-geral assegura o secretariado do Tribunal. Além disso, são criadas câmaras e comités. As câmaras têm a função de preparar pareceres e relatórios adoptados pelo Tribunal. Os comités tratam as matérias não cobertas pelas câmaras.

O Tribunal decide, em sessão, por maioria dos seus membros a aprovação do relatório anual, dos relatórios especiais ou dos pareceres. As sessões do Tribunal não são públicas, excepto decisão em contrário do Tribunal. O Tribunal pode igualmente decidir, caso a caso, a adopção de decisões por procedimento escrito.

Origens

O Tribunal de Contas foi instituído pelo Tratado de Bruxelas, de 22 de Julho de 1975, tendo entrado em funções em Outubro de 1977. O Tratado de Maastricht (1992) instituiu o Tribunal enquanto instituição de pleno direito. A sede do Tribunal é no Luxemburgo.

REFERÊNCIAS

ActoEntrada em vigorTransposição nos Estados-MembrosJornal Oficial

Regulamento Interno do Tribunal de Contas da União Europeia

1.6.2010

-

JO L 103 de 23.4.2010

Última modificação: 06.08.2010

Veja também

Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página