RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Parceria mundial para o desenvolvimento sustentável

A presente comunicação indica os elementos através dos quais a União Europeia contribui para o desenvolvimento mundial sustentável e as acções que visam estabelecer um pacto mundial para o desenvolvimento sustentável.

ACTO

Comunicação da Comissão, de 21 de Fevereiro de 2002, ao Parlamento Europeu, ao Conselho, ao Comité Económico e Social e ao Comité das Regiões intitulada: "Para uma parceria global no domínio do desenvolvimento sustentável" [COM (2002) 82 final - Não publicada no Jornal Oficial].

SÍNTESE

A União Europeia estabeleceu, em Maio de 2001, uma estratégia em favor do desenvolvimento sustentável. Ao aprovar esta estratégia, o Conselho Europeu de Gotemburgo reconheceu que convinha desenvolver a sua dimensão externa. O mesmo Conselho convidou igualmente a Comissão a debruçar-se sobre a contribuição da União para o desenvolvimento sustentável a nível mundial. A presente comunicação responde a esse pedido e representa um contributo para a elaboração da posição da UE na cimeira mundial sobre o desenvolvimento sustentável, que se desenrolou em Joanesburgo em 2002.

A comunicação parte da ideia de que a globalização constitui um motor com potência para alimentar o crescimento mundial e libertar os meios que permitam responder aos problemas planetários, como a saúde, a educação e o ambiente. Mas, entregues a si próprias, as forças de mercado geram e acentuam as desigualdades, as forças de exclusão, arriscando-se a criar danos irremediáveis ao ambiente. A globalização deve, portanto, ser acompanhada de medidas destinadas a evitar ou a atenuar esses efeitos. Nos domínios cruciais do comércio, do financiamento do desenvolvimento, da gestão do ambiente e da luta contra a pobreza e a criminalidade, é indispensável prosseguir os esforços para elaborar regras colectivas efectivamente aplicadas e controladas. É igualmente necessário melhorar a governança mundial, ou seja, promover um controlo mais eficiente da interdependência.

A comunicação apresenta uma série de acções destinadas a contribuir para o desenvolvimento sustentável a nível mundial. Tais acções completam a estratégia em favor do desenvolvimento sustentável de Maio de 2001 e cobrem os aspectos económicos, sociais, ambientais, financeiros, de coerência das políticas comunitárias e de governança a todos os níveis.

Controlar a globalização: o comércio ao serviço do desenvolvimento sustentável

A fim que a globalização contribua para o desenvolvimento sustentável. As acções económicas concretas enunciadas pela Comissão são as seguintes:

  • No âmbito da Organização Mundial do Comércio (OMC), integrar melhor os países em desenvolvimento na economia mundial.
  • Ajudar os países em desenvolvimento a beneficiarem do sistema de comércio mundial.
  • Modificar o sistema de preferências generalizadas (SPG), tendo em conta o desenvolvimento sustentável.
  • Integrar o desenvolvimento sustentável nos acordos bilaterais e regionais.
  • Reduzir a utilização opaca do sistema financeiro internacional e instaurar para ele uma regulação mais eficaz.
  • Incentivar as empresas europeias a assumirem a sua responsabilidade social.
  • Promover a cooperação entre a OMC e os organismos ambientais internacionais.
  • Lutar contra a pobreza e promover o desenvolvimento social.

O objectivo é reduzir, até 2015, a pobreza extrema no mundo (pessoas que vivem com um máximo de 1 dólar por dia). Por conseguinte, há que reforçar a qualidade, a quantidade, o impacto e a sustentabilidade da cooperação para o desenvolvimento. As acções a empreender neste domínio são as seguintes:

  • Centrar a política de desenvolvimento da UE na redução da pobreza.
  • Procurar que as políticas da União contribuam para combater a fome.
  • Integrar os aspectos de distribuição e de saneamento dos recursos hídricos nas políticas da saúde e da educação.
  • Integrar a questão do género nas políticas da União.
  • Investir mais nos sectores da saúde, educação, formação e doenças transmissíveis.
  • Promover a investigação sobre desenvolvimento sustentável.

Gestão sustentável dos recursos naturais e ambientais

O objectivo neste domínio é inverter a tendência de perda dos recursos ambientais antes de 2015 e desenvolver objectivos intermédios nos sectores da água, dos solos, da energia e da biodiversidade. As acções concretas enunciadas são as seguintes:

  • Na cimeira mundial de Joanesburgo, lançar uma iniciativa que vise a gestão sustentável dos recursos hídricos.
  • Lançar uma iniciativa relativa à cooperação nos domínios da energia e do desenvolvimento (EN)(FR).
  • Promover a aplicação dos acordos ambientais internacionais.
  • Reconstituir parcialmente o Fundo mundial para a protecção do ambiente.
  • Estabelecer um plano de acção destinado a combater a exploração ilícita das florestas.
  • Investir em meios de transporte sustentáveis.
  • Promover a pesca sustentável.
  • Envidar esforços no domínio da prevenção de catástrofes naturais.
  • Alargar o sistema de vigilância global do ambiente e da segurança (GMES) (EN) aos países em desenvolvimento.

Melhorar a coerência das políticas da União Europeia

O objectivo é integrar o desenvolvimento sustentável em todas as políticas da União. As acções a executar são as seguintes:

  • Estabelecer um sistema de análise do impacto económico, social e ambiental de todas as grandes propostas políticas da União.
  • Prosseguir com o processo de adaptação das políticas aos objectivos do desenvolvimento sustentável.
  • Assinar o Protocolo das Nações Unidas contra o tráfico e o fabrico ilícito de armas de fogo.
  • Combater os efeitos negativos da emigração.

Melhor governança a todos os níveis

O objectivo é reforçar a participação da sociedade civil, a legitimidade, a coerência e a eficácia da governança económica, social e ambiental global. A comunicação propõe as seguintes acções concretas:

  • Reforçar as instituições públicas e a sociedade civil nos países em desenvolvimento.
  • Reforçar a luta contra a corrupção.
  • Garantir o respeito das normas laborais fundamentais.
  • Na Cimeira de Joanesburgo, encorajar a adopção de decisões que melhorem a governança global.
  • Reforçar a luta contra a discriminação das mulheres.

Financiamento do desenvolvimento sustentável

Os objectivos são os do Milénio, ou seja: erradicar a pobreza e a fome, assegurar a instrução primária para todos, promover a igualdade entre os sexos, reduzir a mortalidade infantil, melhorar a saúde das mulheres, combater as doenças transmissíveis, promover o desenvolvimento sustentável e instaurar uma parceria mundial. As acções propostas são as seguintes:

  • Avançar no que respeita ao objectivo de atribuir uma ajuda pública de 0,7 % do RNB (rendimento nacional bruto) ao desenvolvimento, bem como ao objectivo intermédio de 0,33 % do RNB, no mínimo, para todos os países da União a partir de 2006.
  • Reduzir a dívida dos países pobres altamente endividados.
  • Participar no debate sobre a possibilidade de os Estados oferecerem bens públicos mundiais.

ACTOS RELACIONADOS

Declaração conjunta do Conselho e dos Representantes dos Governos dos Estados-Membros reunidos no Conselho, do Parlamento Europeu e da Comissão sobre a política de desenvolvimento da União Europeia: " O Consenso Europeu " [Jornal Oficial C 46/1 de 24.2.2006].
Nesta declaração, a União Europeia reafirma que o objectivo da sua política de desenvolvimento é a redução da pobreza no mundo no contexto do desenvolvimento sustentável.

Última modificação: 26.09.2007
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página