RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Parceria UE-África em matéria de infra-estruturas

A África necessita das infra-estruturas essenciais para o seu crescimento económico e desenvolvimento humano e social. Neste contexto, a Comissão toma a iniciativa de estabelecer uma parceria com África tendo em vista o desenvolvimento de grandes redes de infra-estruturas. Esta parceria constitui um elemento central da estratégia da União Europeia para África, adoptada em Dezembro de 2006.

ACTO

Comunicação da Comissão ao Conselho e ao Parlamento Europeu de 13 de Julho de 2007 - Interconectar África: Parceria UE-África em matéria de infra-estruturas [COM(2006) 376 final - Não publicada no Jornal Oficial].

SÍNTESE

Infra-estruturas em África: situação actual

O acesso limitado aos transportes, aos serviços de telecomunicações e de energia e à água potável constitui um travão importante à redução da pobreza e à realização dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio (ODM) em África. Efectivamente, o desenvolvimento de infra-estruturas adequadas e dos serviços associados incentiva o crescimento económico e promove as trocas comerciais e a integração regional.

Os sistemas de transporte africanos estão ainda pouco desenvolvidos, pois a circulação de pessoas e mercadorias efectua-se essencialmente por transporte rodoviário, sendo as ligações e os serviços insuficientes. As potencialidades energéticas do continente são elevadas mas utilizadas de modo ineficaz. Os recursos hídricos estão repartidos de modo desigual e sujeitos a importantes flutuações sazonais. Além disso, a maioria da população não tem acesso à água potável e aos serviços sanitários de base. Por último, o acesso aos serviços de telecomunicações é oneroso e desigual, sendo a clivagem digital em África a mais elevada do mundo.

Nos anos 90, os governos africanos e os Estados-Membros da União Europeia (UE) reduziram progressivamente os recursos afectados ao desenvolvimento de infra-estruturas no continente. Por conseguinte, é necessário aumentar os investimentos. A UE tenciona prosseguir na via dos progressos já realizados através de uma colaboração entre a Comissão, os governos africanos e outros doadores. Por exemplo, o desenvolvimento do comércio e da integração económica regional beneficiaram do reforço da rede rodoviária primária e dos portos marítimos.

Parceria para enfrentar os desafios

Face a este desafios, a UE estabelece uma parceria com África para o desenvolvimento de grandes redes de infra-estruturas no continente. Esta parceria baseia-se na estratégia da UE para África, bem como nos objectivos definidos no plano de acção a curto prazo no domínio das infra-estruturas (i-STAP) da União Africana (UA) e da NEPAD (Nova Parceria para o Desenvolvimento de África).

A parceria baseia-se essencialmente nas infra-estruturas que permitem a interligação a nível continental e regional em África, ou seja:

  • os transportes (redes rodoviária e ferroviária, portos, vias marítimas e fluviais, transportes aéreos), a fim de reduzir os custos e melhorar a qualidade dos serviços;
  • a água e a rede sanitária, a fim de melhorar a gestão dos recursos hídricos a nível local, nacional e das bacias transfronteiriças, bem como o acesso à água potável e a infra-estruturas sanitárias adequadas;
  • a energia, a fim de permitir a extensão das redes, a distribuição nas regiões rurais e a melhoria das ligações transfronteiriças;
  • as tecnologias da informação e da comunicação (TIC), a fim de assegurar um acesso adequado a tecnologias abordáveis graças ao apoio à reforma da regulamentação, ao reforço das capacidades e ao desenvolvimento de infra-estruturas de banda larga.

Esta parceria apoia simultaneamente investimentos em infra-estruturas materiais, medidas de desenvolvimento institucional e de reforço das capacidades, bem como medidas de apoio ao quadro político e regulamentar a nível nacional.

Além disso, a África pode beneficiar da experiência adquirida pela UE com o desenvolvimento das redes transeuropeias (RTE) de infra-estruturas regionais, nomeadamente a metodologia para identificar os projectos prioritários e os princípios que estabelecem um consenso tendo em vista a harmonização dos quadros de regulamentação.

As intervenções no quadro da parceria são guiadas por uma preocupação de coerência entre os investimentos à escala continental e regional e as estratégias nacionais de desenvolvimento das infra-estruturas e redução da pobreza. Esta parceria funciona, pois, a três níveis:

  • a nível continental, a UA-NEPAD coordena o estabelecimento das prioridades continentais e regionais;
  • a nível regional, os programas indicativos regionais apoiam os quadros políticos e regulamentares que acompanham os investimentos materiais;
  • a nível nacional a UA-NEPAD e as delegações da UE supervisionam em conjunto as acções nacionais que contribuem para a realização dos objectivos da parceria.

O financiamento das acções no quadro da parceria baseia-se em vários instrumentos:

  • as dotações regionais e nacionais do 10.° Fundo Europeu de Desenvolvimento (FED) no montante de 5 600 milhões de euros. Este montante representa um aumento notável dos recursos afectados às infra-estruturas africanas pelo FED até à data (contra 3 750 milhões de euros ao abrigo do 9.° FED);
  • os recursos intra-ACP, incluindo os afectados pelas facilidades para a energia ( (ES) (DE) (EN) (FR)) e a água;
  • o novo fundo fiduciário criado pela UE e pelo Banco Europeu de Investimento (BEI), tendo em vista, nomeadamente, os investimentos em infra-estruturas transfronteiriças. Este fundo é co-financiado pela Comissão, Estados-Membros interessados e instituições financeiras de desenvolvimento europeias e africanas. Na fase de arranque, em 2006-2007, foram afectados a este fundo 87 milhões de euros, que serão dispensados sob a forma de subvenções provenientes da Comunidade e dos Estados-Membros, bem como 260 milhões de euros, que serão distribuídos sob a forma de um empréstimo concedido pelo BEI.

A fim de assegurar o êxito da parceria, é necessário estabelecer uma coordenação eficaz entre a Comissão, os Estados-Membros e outras iniciativas e organismos internacionais, como o Banco Mundial e o BEI. Esta coordenação deverá completar a apropriação dos projectos pelos beneficiários, nomeadamente através do empenhamento político dos governos numa boa governação em relação a todos os sectores de infra-estruturas. O sector privado é também incentivado a participar na parceria.

Números-chave da Comunicação
  • População total sem acesso à água potável em África: 42%.
  • População total sem acesso a instalações sanitárias de base: 60%.
  • População total sem acesso à electricidade: mais de 80%.
  • Potencial hidroeléctrico total transformado em electricidade: 7%.
Última modificação: 31.10.2007
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página