RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Incineração de resíduos

A União Europeia (UE) estabelece medidas destinadas a prevenir ou reduzir a poluição do ar, da água e do solo causada pela incineração e a co-incineração de resíduos, assim como os riscos para a saúde humana daí resultantes. As medidas impõem, nomeadamente, a obtenção de uma licença para as instalações de incineração ou de co-incineração e limites para a emissão para a atmosfera de certas substâncias poluentes e para a sua descarga na água.

ACTO

Directiva 2000/76/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 4 de Dezembro de 2000, relativa à incineração de resíduos [Ver Acto(s) Modificativo(s)].

SÍNTESE

A incineração de resíduos perigosos e não perigosos pode ocasionar emissões de substâncias que poluem a atmosfera, a água e o solo e com efeitos nocivos na saúde humana. Para limitar estes riscos, a União Europeia (UE) impõe condições de exploração e requisitos técnicos rigorosos para as instalações de incineração * e de co-incineração * de resíduos.

Instalações

A presente directiva aplica-se não só às instalações destinadas à incineração dos resíduos sólidos ou líquidos, mas também às instalações de co-incineração.

Estão excluídas do âmbito de aplicação da directiva as instalações experimentais destinadas a melhorar o processo de incineração que tratem menos de 50 toneladas de resíduos por ano, bem como as instalações que tratem apenas:

  • resíduos vegetais provenientes da agricultura e da silvicultura;
  • resíduos vegetais provenientes da transformação de produtos alimentares, se o calor gerado for recuperado;
  • alguns resíduos vegetais fibrosos provenientes da produção de pasta de papel e do papel, se forem co-incinerados no local de produção e o calor gerado for recuperado;
  • alguns resíduos de madeira;
  • resíduos de cortiça;
  • resíduos radioactivos;
  • carcaças de animais;
    resíduos resultantes da exploração de petróleo e de gás e incinerados em instalações off-shore.

Licenças

Todas as instalações de incineração ou de co-incineração devem dispor de uma licença para exercer as suas actividades. Esta licença é emitida por uma autoridade competente sob reserva da observância das condições definidas na presente directiva, e especifica as categorias e as quantidades de resíduos que podem ser tratados, a capacidade de incineração ou de co-incineração da instalação e os procedimentos de amostragem e medição dos poluentes do ar e da água que vão ser utilizados.

Entrega e recepção de resíduos

Aquando da entrega e da recepção de resíduos, o operador da instalação de incineração ou co-incineração toma as precauções necessárias para prevenir ou limitar os efeitos negativos para o ambiente e os riscos para as pessoas.

Para além disso, antes que resíduos perigosos possam ser aceites numa instalação de incineração ou de co-incineração, o operador da instalação deve ter informações administrativas sobre o processo de geração, a composição física e química dos resíduos e os riscos inerentes a estes resíduos.

Condições de exploração

A fim de garantir a combustão total dos resíduos, a directiva prevê a obrigação de todas as instalações manterem os gases resultantes da incineração e da co-incineração a uma temperatura mínima de 850 °C durante pelo menos 2 segundos. Caso se trate de resíduos perigosos com um teor de substâncias orgânicas halogenadas, expresso em cloro, superior a 1 %, a temperatura deve atingir 1100 °C durante pelo menos 2 segundos.

O calor resultante do processo de incineração deverá, tanto quanto possível, ser valorizado.

Valores-limite das emissões para a atmosfera

Os valores-limite das emissões para a atmosfera das instalações de incineração estão indicados no Anexo V da directiva. Referem-se aos metais pesados, dioxinas e furanos, monóxido de carbono (CO), poeiras, carbono orgânico total (COT), cloreto de hidrogénio (HCl), fluoreto de hidrogénio (HF), dióxido de enxofre (SO2) e os óxidos de azoto (NO e NO2).

Os valores-limite das emissões para a atmosfera determinados para as instalações de co-incineração estão indicados no Anexo II. São também indicadas disposições especiais para os fornos de cimento e para as instalações de combustão onde se realiza a co-incineração de resíduos.

Descargas de águas provenientes da depuração de gases de combustão

As instalações de incineração ou de co-incineração devem possuir uma licença que as autorize a descarregar as águas residuais resultantes da depuração dos gases de escape. Esta licença deve garantir que os valores-limite de emissão indicados no anexo IV da directiva são respeitados.

Produtos residuais

Os resíduos do processo de incineração ou de co-incineração devem ser reduzidos ao mínimo e, na medida do possível, reciclados. No momento do transporte dos resíduos secos, devem ser tomadas precauções para evitar a sua dispersão no ambiente. Devem ser realizados ensaios para conhecer as características físicas e químicas dos resíduos, bem como o seu potencial de poluição.

Controlo e monitorização

A directiva prevê a instalação obrigatória dos sistemas de medição que permitem controlar os parâmetros de exploração e as emissões pertinentes. As emissões para a atmosfera e para a água são medidas contínua ou periodicamente em conformidade com o artigo 11.º e o Anexo III da directiva.

Acesso à informação e participação do público

Os pedidos de licenças para novas instalações serão postos à disposição do público para que este possa emitir observações antes de a autoridade competente tomar uma decisão.

As instalações com uma capacidade nominal igual ou superior a duas toneladas por hora devem pôr à disposição da autoridade competente e do público um relatório anual relativo ao seu funcionamento e ao seu controlo. A autoridade competente elaborará e tornará pública a lista das instalações que não atingem aquela capacidade.

Relatórios de aplicação

Antes de 31 de Dezembro de 2008, a Comissão apresentará um relatório ao Parlamento Europeu e ao Conselho relativo à aplicação da directiva, aos progressos realizados no controlo das emissões e à experiência na gestão dos resíduos. Este relatório foi incluído na Comunicação COM(2007) 843 final.

Serão também elaborados outros relatórios relativos à aplicação da directiva.

Sanções

Os Estados-Membros determinarão as sanções aplicáveis às violações das disposições estabelecidas na directiva.

Contexto

A presente directiva visa integrar na legislação existente os progressos técnicos em matéria de controlo das emissões dos processos de incineração e garantir o respeito dos compromissos internacionais assumidos pela Comunidade em termos de redução da poluição, nomeadamente os que dizem respeito à fixação de valores-limite para as emissões de dioxinas, mercúrio e poeiras decorrentes da incineração de resíduos. A directiva assenta numa abordagem integrada: aos valores-limite actualizados para as emissões atmosféricas acrescem limites relativos às descargas na água.

Palavras-chave do acto
  • Instalação de incineração: qualquer unidade e equipamento técnico fixo ou móvel dedicado ao tratamento térmico de resíduos, com ou sem recuperação da energia térmica gerada pela combustão. Esta definição inclui a incineração de resíduos por oxidação e outros processos de tratamento térmico, como a pirólise, a gaseificação ou processos de plasma, na medida em que as substâncias resultantes do tratamento sejam subsequentemente incineradas.
  • Instalação de co-incineração: uma instalação fixa ou móvel que tem como principal finalidade a geração de energia ou a produção de materiais e:
    1. que utiliza resíduos como combustível regular ou adicional, ou
    2. na qual os resíduos são sujeitos a tratamento térmico com vista à respectiva eliminação.

REFERÊNCIAS

ActoEntrada em vigorPrazo de transposição nos Estados-MembrosJornal Oficial

Directiva 2000/76/CE

28.12.2000

28.12.2002

JO L 332 de 28.12.2000

Acto(s) Modificativo(s)Entrada em vigorPrazo de transposição nos Estados-MembrosJornal Oficial

Regulamento (CE) n.º 1137/2008

11.12.2008

-

JO L 311 de 21.11.2008

As sucessivas modificações e correcções da Directiva 2000/76/CE foram integradas no texto de base. Esta versão consolidada tem apenas valor documental.

ACTOS RELACIONADOS

Directiva 2010/75/UE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 24 de Novembro de 2010 , relativa às emissões industriais (prevenção e controlo integrados da poluição)[Jornal Oficial L 334 de 17.12.2010].

Decisão 2006/329/CE da Comissão, de 20 de Fevereiro de 2006, que estabelece um questionário a utilizar na elaboração dos relatórios sobre a aplicação da Directiva 2000/76/CE relativa à incineração de resíduos [Jornal Oficial L 121 de 6.5.2006].

Última modificação: 27.10.2011
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página