RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Aliança Global contra as Alterações Climáticas

A União Europeia (UE) propõe o lançamento de uma Aliança Global com os países em desenvolvimento mais expostos às alterações climáticas, a fim de os ajudar a prepararem-se para enfrentar este desafio. Centrando-se sobre os países menos desenvolvidos e os pequenos Estados insulares em desenvolvimento, esta aliança proporcionará um diálogo estruturado, bem como uma cooperação concreta em relação a acções financiadas pela política de desenvolvimento da UE.

ACTO

Comunicação da Comissão ao Conselho e ao Parlamento Europeu de 18 de Setembro de 2007 - Criar uma Aliança Global contra as Alterações Climáticas entre a União Europeia e os países em desenvolvimento pobres e mais vulneráveis às alterações climáticas[COM(2007) 540 final - não publicado no Jornal Oficial].

SÍNTESE

Os países em desenvolvimento serão os mais afectados pelas alterações climáticas, nomeadamente os países menos desenvolvidos (PMD) e os pequenos Estados insulares em desenvolvimento (PEID), que não dispõem de recursos suficientes para se prepararem e adaptarem às mudanças em curso. De acordo com o Painel Intergovernamental sobre as Alterações Climáticas (PIAC), o continente africano é especialmente vulnerável a este desafio, o que a expõe a dificuldades de abastecimento de água, a fenómenos meteorológicos extremos, bem como à insegurança alimentar ligada à seca e à desertificação.

A Aliança Global contra as Alterações Climáticas (AGAC) tem em vista apoiar os países mais pobres e mais vulneráveis a melhorarem a sua capacidade de adaptação aos efeitos das alterações climáticas. Por um lado, constituirá uma plataforma de diálogo e de intercâmbio periódicos entre a UE e estes países a fim de integrar as alterações climáticas nas estratégias de desenvolvimento nacional, bem como na cooperação para o desenvolvimento. Este diálogo será conduzido igualmente a nível regional, por exemplo com o grupo de Estados da África, das Caraíbas e do Pacífico (ACP), a União Africana (UA), os PEID, bem como no âmbito do Encontro Ásia-Europa (ASEM). Por outro lado, a AGAC prestará assistência técnica e financeira a medidas de adaptação e de integração das alterações climáticas nas estratégias de desenvolvimento.

Esta troca de perspectivas e de experiências fora do contexto negocial permitirá apoiar o processo em curso no âmbito da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (CQNUAC), contribuir para a convergência dos pontos de vista entre a Europa e os países em desenvolvimento e promover a elaboração de um acordo sobre alterações climáticas para o período pós-2012.

A Comissão propõe cinco domínios prioritários de acção, que serão debatidos e aprofundados no âmbito do diálogo AGAC, nomeadamente:

  • A aplicação de medidas de adaptação às alterações climáticas, apoiando a elaboração de planos nacionais de adaptação para os países vulneráveis que não fazem parte do grupo dos PMD, bem como a aplicação destes planos nos PMD e nos PEID que os finalizaram. As outras medidas propostas incluem o financiamento de projectos-piloto de adaptação, bem como o apoio à investigação sobre o impacto das alterações climáticas nos países em desenvolvimento. É igualmente proposta a concepção de soluções de adaptação inovadoras, por exemplo através do 7.º Programa-Quadro de Investigação da UE e do Programa Temático de Segurança Alimentar ( (ES) (DE) (EN) (FR));
  • A redução das emissões resultantes da desflorestação nos países em desenvolvimento, mediante o reforço das competências nacionais de monitorização da desflorestação e do desenvolvimento de estratégias nacionais de luta contra este fenómeno. Além disso, a UE propõe a introdução de medidas de incentivo económico, assim como o alargamento da iniciativa "Aplicação da Legislação, Governação e Comércio no Sector Florestal" (ALGCSF ( (ES) (DE) (EN) (FR)));
  • O apoio à participação no Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDP), graças ao reforço das capacidades e ao apoio técnico para a elaboração de projectos remuneradores, bem como à valorização dos projectos mais bem adaptados às condições específicas dos PMD e dos PEID;
  • A promoção da redução do risco de catástrofes (RRC) através da melhoria dos sistemas de previsão e de informação no domínio do clima e da utilização de dados recolhidos para a aplicação de medidas de preparação eficazes. Além disso, a Comissão propõe apoiar o reforço das capacidades regionais para fazer face ao risco de catástrofes naturais ligadas ao clima, bem como a elaboração de medidas destinadas a ajudar os países em desenvolvimento a proceder à aplicação do Quadro de Acção de Hyogo (EN);
  • A integração das alterações climáticas nas estratégias e programas de redução da pobreza. Esta medida consiste em promover a inclusão dos planos de adaptação nas estratégias de desenvolvimento, por um lado, e em reforçar a capacidade institucional dos PMD e dos PEID para que integrem considerações climáticas nas suas políticas, por outro. Além disso, a Comissão propõe uma análise de impacto ambiental dos projectos e programas de desenvolvimento financiados pela UE. Propõe ainda que a questão das alterações climáticas seja sistematicamente abordada aquando da revisão intercalar dos documentos de estratégia nacionais e regionais.

Financiamento

A AGAC será financiada principalmente através do programa temático "Ambiente e gestão sustentável dos recursos naturais, incluindo a energia ( (ES) (DE) (EN) (FR))", ao qual foram atribuídos 50 milhões de euros suplementares para o período de 2008-2010. A este montante acrescentar-se-ão os recursos mobilizados a título do 10.º Fundo Europeu de Desenvolvimento (FED), ou seja, as dotações nacionais e regionais que podem contribuir para a AGAC, bem como um montante de cerca de 200 milhões de euros ao abrigo do programa intra-ACP no domínio das alterações climáticas, do ambiente e da prevenção dos riscos de catástrofe.

Além disso, a Comissão exorta os Estados-Membros a contribuírem para o financiamento da AGAC, nomeadamente consagrando uma parte do aumento da ajuda pública ao desenvolvimento que se comprometeram a atingir até 2010. Está igualmente a ser contemplada a possibilidade de criação de um mecanismo conjunto de financiamento da AGAC gerido pela Comissão.

Antecedentes

A estreita relação existente entre alterações climáticas e pobreza foi já sublinhada pela UE em 2003 ( (ES) (DE) (EN) (FR)). A ideia de estabelecer uma Aliança Global para fazer face às alterações climáticas foi proposta em Junho de 2007 no Livro Verde sobre a Adaptação às Alterações Climáticas na Europa que contém um pilar que visa a integração desta adaptação nas acções externas da UE. Com efeito, no seguimento das conclusões do Conselho Europeu de Março de 2007, o Livro Verde instava a um diálogo e a uma cooperação reforçados neste domínio entre a UE e os países em desenvolvimento.

ACTOS RELACIONADOS

Conclusões do Conselho sobre uma Aliança Global contra as Alterações Climáticas entre a União Europeia e os países em desenvolvimento pobres e mais vulneráveis às alterações climáticas. Conselho "Assuntos Gerais e Relações Externas" - 20 de Novembro de 2007 [não publicado no Jornal Oficial].

 
Última modificação: 12.12.2007
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página