RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Caça à baleia

A Comissão propõe que a União Europeia e os seus Estados-Membros adotem uma abordagem coordenada a nível internacional a fim de garantir uma proteção eficaz das baleias, em especial opondo-se à caça à baleia para fins comerciais.

PROPOSTA

Proposta de Decisão do Conselho, de 19 de dezembro de 2007, que estabelece a posição a adotar em nome da Comunidade Europeia nas reuniões da Comissão Baleeira Internacional.

Comunicação da Comissão Europeia ao Parlamento Europeu e ao Conselho, de 19 de dezembro de 2007, sobre a ação comunitária relativa à atividade baleeira [COM(2007) 823 final - Não publicada no Jornal Oficial].

SÍNTESE

A União Europeia (UE) adotou medidas para proteger os cetáceos (as baleias, os golfinhos, etc.) contra a caça, a captura ou a detenção, bem como contra toda a perturbação intencional ou troca comercial, incluindo produtos provenientes desses animais originários de países terceiros.

A proteção dos cetáceos é assegurada ao nível europeu por vários atos legislativos e estratégias, como, por exemplo:

No entanto, as baleias são animais migrantes e a sua proteção só pode ser eficaz se forem adotadas ao nível internacional medidas de conservação equivalentes às aprovadas a nível da UE.

A nível internacional, a caça à baleia é proibida desde a época de 1985/1986. Esta moratória foi decretada pela Comissão Baleeira Internacional (CBI), principalmente devido às incertezas científicas sobre as unidades populacionais de baleias no mundo.

A CBI é o organismo internacional competente para a conservação e a gestão das unidades populacionais de baleias, tendo sido instituída pela Convenção Internacional para a Regulamentação da Atividade Baleeira de 1946. Em novembro de 2011, conta com 89 membros, e a União Europeia tem assento na qualidade de observador.

Várias derrogações permitem a certos países não respeitar, na prática, a moratória sobre a caça à baleia decretada pela CBI. Assim, a Islândia e a Noruega não estão vinculadas pela moratória devido às objeções ou reservas que apresentaram, em conformidade com a Convenção de 1946. Além disso, a caça à baleia pode prosseguir graças a licenças especiais concedidas pelas autoridades nacionais para fins científicos. O Japão, em especial, desenvolve «programas científicos» e pode comercializar a carne das baleias capturadas ao abrigo desses programas. Finalmente, continua a ser autorizada a atividade baleeira autóctone de subsistência.

Por outro lado, o mandato da CBI abrange simultaneamente a gestão da caça e a conservação das baleias. Este duplo mandato dá origem a confrontos entre pontos de vista diametralmente opostos entre os oponentes e os partidários da caça à baleia, o que compromete a cooperação internacional e entrava a implantação de um sistema de proteção eficaz para todas as espécies de baleias.

A fim de reforçar a posição em favor da proteção das baleias, a UE convida todos os Estados-Membros que ainda não tenham aderido à Convenção de 1946 a fazê-lo. A UE e os seus Estados-Membros cooperarão com os outros países a fim de os convencer a opor-se à caça à baleia.

A Comissão propõe que os Estados-Membros apresentem uma posição política comum da UE no âmbito da CBI, a fim de permitir a criação de um quadro regulamentar internacional eficaz para a proteção das baleias. Segundo esta posição, os Estados-Membros devem, em especial, opor-se ao levantamento parcial ou total da moratória sobre a caça à baleia e ao alargamento do âmbito do voto secreto na CBI. Além disso, devem apoiar:

  • a criação de santuários de baleias;
  • a atividade baleeira autóctone de subsistência, desde que esta não comprometa as unidades populacionais em causa;
  • a criação de uma regulamentação global das atividades ligadas à caça à baleia, em especial a caça para fins científicos;
  • propostas coerentes com a posição da UE em relação à Convenção CITES e a outros acordos internacionais em que a UE é Parte;
  • a continuação das atividades do Comité de Conservação e as propostas destinadas a assegurar a conservação dos pequenos cetáceos;
  • a recolha de dados científicos por métodos não destrutivos, que não prejudiquem as baleias, bem como a investigação sobre a conservação das populações de baleias.

REFERÊNCIAS E PROCEDIMENTO

Proposta Jornal Oficial Procedimento

COM(2007) 821

-

-

Última modificação: 09.11.2011
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página