RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 11 idiomas

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Convenção de Genebra sobre a poluição atmosférica transfronteiriça a longa distância

Esta convenção estabelece um quadro de cooperação intergovernamental, com o objetivo de proteger a saúde e o ambiente contra a poluição atmosférica suscetível de afetar vários países. A cooperação incide na elaboração de políticas apropriadas, na troca de informações, na realização de atividades de investigação e na instituição e desenvolvimento de um mecanismo de vigilância.

ATO

Decisão 81/462/CEE do Conselho, de 11 de junho de 1981, relativa à conclusão da Convenção sobre a poluição atmosférica transfronteiriça a longa distância.

SÍNTESE

Nesta convenção, as partes (ou seja, a União Europeia ou os Estados que ratificaram a convenção) comprometem-se a limitar, prevenir e reduzir progressivamente as suas descargas de poluentes atmosféricos e, desse modo, combater a poluição transfronteiriça que delas resulta.

A poluição atmosférica transfronteiriça a longa distância é definida como a descarga pelo homem, de forma direta ou indireta, de substâncias ou energia para a atmosfera, com efeitos nocivos para a saúde, o ambiente ou os bens materiais de um outro país, sem possibilidade de distinguir as fontes individuais e coletivas dessa descarga.

Cooperação política

A convenção prevê que as Partes Contratantes elaborem e ponham em prática políticas e estratégias adequadas, em particular sistemas de gestão da qualidade do ar. Prevê igualmente a possibilidade de consultas rápidas em caso de poluição ou de risco importante de poluição de uma Parte.

As Partes reúnem-se regularmente (pelo menos uma vez por ano) para avaliarem os progressos efetuados e se concertarem sobre os assuntos associados à convenção.

Cooperação científica

As Partes empreendem atividades concertadas de investigação e desenvolvimento, designadamente em matéria de redução das emissões dos principais poluentes atmosféricos, de vigilância e de medição das taxas de emissão e das concentrações desses poluentes, assim como de compreensão dos efeitos desses poluentes na saúde e no ambiente.

Troca de informações

As Partes na convenção trocam informações, nomeadamente, sobre os dados relativos à emissão dos principais poluentes atmosféricos (começando pelo dióxido de enxofre) e aos seus efeitos, os elementos suscetíveis de provocar modificações importantes na poluição atmosférica transfronteiriça a longa distância (em especial a nível das políticas nacionais e do desenvolvimento industrial), as técnicas de redução da poluição atmosférica e as políticas e estratégias nacionais de luta contra os principais poluentes atmosféricos.

Cooperação em matéria de vigilância

As Partes participam no «Programa de Cooperação para a Vigilância Contínua e para a Avaliação do Transporte a Longa Distância dos Poluentes Atmosféricos na Europa» (EMEP). Este programa, regulamentado por um protocolo separado, visa fornecer às partes na convenção informações científicas sobre a vigilância da atmosfera, a realização de modelos informáticos, a avaliação das emissões e a realização de projeções.

Para levar a bom termo esta cooperação, as Partes preveem, nomeadamente:

  • aplicar o programa, centrado inicialmente na vigilância do dióxido de enxofre e das substâncias aparentadas, aos outros poluentes atmosféricos principais;
  • vigiar a composição dos meios suscetíveis de serem contaminados por aqueles poluentes (água, solo e vegetação), assim como os efeitos na saúde e no ambiente;
  • fornecer dados meteorológicos e físico-químicos relativos aos fenómenos que ocorram durante o transporte;
  • utilizar, sempre que possível, métodos de vigilância e de modelização comparáveis ou normalizados;
  • integrar o EMEP nos programas nacionais e internacionais apropriados;
  • intercambiar regularmente os dados obtidos em resultado desta vigilância.

Contexto

A convenção foi assinada em 1979 em Genebra, no âmbito da Comunidade Económica das Nações Unidas para a Europa, e entrou em vigor em 1983.

REFERÊNCIAS

Ato Entrada em vigor Prazo de transposição nos Estados-Membros Jornal Oficial

Decisão 81/462/CEE

11.6.1981

-

JO L 171 de 27.6.1981

ATOS RELACIONADOS

Decisão 2004/259/CE do Conselho, de 19 de fevereiro de 2004, relativa à celebração, em nome da Comunidade Europeia, do Protocolo à Convenção de 1979 sobre a poluição atmosférica transfronteiriça a longa distância relativo a poluentes orgânicos persistentes [Jornal Oficial L 81 de 19.3.2004].

Decisão 2003/507/CE do Conselho, de 13 de junho de 2003, relativa à adesão da Comunidade Europeia ao Protocolo da Convenção de 1979 sobre a poluição atmosférica transfronteiriça a longa distância, relativo à redução da acidificação, da eutrofização e do ozono troposférico [Jornal Oficial L 179 de 17.7.2003].

Decisão 2001/379/CE do Conselho, de 4 de abril de 2001, relativa à conclusão, em nome da Comunidade Europeia, do Protocolo da Convenção de 1979 sobre poluição atmosférica transfronteiras a longa distância, relativo aos metais pesados [Jornal Oficial L 134 de 17.5.2001].

Decisão 98/686/CE do Conselho, de 23 de março de 1998 relativa à celebração, pela Comunidade Europeia, do protocolo à convenção de 1979 sobre a poluição atmosférica transfronteiras a longa distância, respeitante a uma nova redução das emissões de enxofre [Jornal Oficial L 326 de 3.12.1998].

Decisão 93/361/CEE do Conselho, de 17 de maio de 1993 respeitante à adesão da Comunidade ao protocolo à Convenção de 1979 sobre a poluição atmosférica transfronteiras a longa distância, relativo à luta contra as emissões de óxidos de azoto ou seus fluxos transfronteiras [Jornal Oficial L 149 de 21.6.1993].

Decisão 86/277/CEE do Conselho, de 12 de junho de 1986 respeitante à celebração do Protocolo à Convenção de 1979 sobre poluição atmosférica transfronteiriça a longa distância, relativo ao financiamento a longo prazo do Programa de Cooperação para a Vigilância Contínua e para a Avaliação do Transporte a Longa Distância dos Poluentes Atmosféricos na Europa (EMEP) [Jornal Oficial L 181 de 4.7.1986].

Última modificação: 08.11.2011

Veja também

  • Comissão Económica das Nações Unidas para a Europa, Convenção de Genebra (EN ) (FR )
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página