RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 11 idiomas

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Letónia

Arquivos

1) REFERÊNCIAS

Parecer da Comissão [COM(97) 2005 final - Não publicado no Jornal Oficial]
Relatório da Comissão [COM(98) 704 final - Não publicado no Jornal Oficial]
Relatório da Comissão [COM(99) 506 final - Não publicado no Jornal Oficial]
Relatório da Comissão [COM(2000)706 final - Não publicado no Jornal Oficial]
Relatório da Comissão [COM(2001) 700 final - SEC (2001) 1749 - Não publicado no Jornal Oficial]
Relatório da Comissão [COM(2001) 700 final - SEC (2002) 1405 - Não publicado no Jornal Oficial]
Relatório da Comissão [COM(2003) 675 final - SEC(2003) 1203 - Não publicado no Jornal Oficial]
Tratado de Adesão à União Europeia [Jornal Oficial L 236 de 23.09.2003]

2) SÍNTESE

No seu parecer de Julho de 1997, a Comissão Europeia considerava que a transposição do acervo comunitário no domínio ambiental poderia ser concluída a médio prazo, tendo em conta as tendências observadas e o ritmo das reformas na Letónia. No entanto, considerava também que a efectiva conformidade com diversos actos legislativos (nomeadamente no que respeita ao tratamento de águas residuais urbanas, à água para consumo humano e a diversos aspectos da legislação em matéria de gestão de resíduos e poluição atmosférica) apenas poderia conseguir-se a longo prazo, por exigir um aumento considerável dos investimentos no domínio do ambiente, bem como de esforços para o reforço da capacidade administrativa.
O relatório de Novembro de 1998 verificava que se tinham realizado alguns progressos no respeito das prioridades a curto prazo definidas na parceria para a adesão, mas sublinhava igualmente a necessidade de realizar outros esforços nos sectores do ar, dos resíduos e das águas usadas, bem como na elaboração dos programas de aplicação de diversas directivas. A Letónia devia reforçar as infra-estruturas de controlo do ar e da água, nomeadamente a nível local. Era também necessário aumentar os investimentos públicos e privados, nomeadamente em cooperação com as instituições financeiras internacionais, para respeitar o acervo no domínio do ambiente.
O relatório de Outubro de 1999 sublinhava que o alinhamento com a legislação comunitária estava a progredir de modo satisfatório.
O relatório de Novembro de 2000 indicava que a Letónia havia avançado a nível da adopção do acervo, nomeadamente no que respeita à informação ambiental, à protecção da natureza, à gestão dos resíduos e aos organismos geneticamente modificados (OGM), tendo igualmente adoptado medidas de reforço da capacidade administrativa.
No seu relatório de Novembro de 2001, a Comissão assinalava os progressos consideráveis a nível do alinhamento da legislação com o acervo, nomeadamente no domínio da gestão dos resíduos, da poluição, da protecção da natureza e da segurança nuclear. Eram ainda necessários esforços em matéria de qualidade da água, gestão dos resíduos e substâncias químicas. Tinham sido instituídos diversos organismos especializados: a agência do ambiente da Letónia, o conselho de vigilância dos OGM, o conselho de gestão das embalagens e o centro de protecção contra as radiações.
O relatório de Novembro de 2002 salientava os progressos realizados a nível do alinhamento, nomeadamente nos sectores da qualidade da água, da gestão dos resíduos, da protecção da natureza e da redução da poluição sonora. A Letónia devia concentrar os seus esforços na finalização da transposição, no melhoramento da cooperação e da coordenação entre os níveis nacional, regional e local, bem como no reforço da capacidade administrativa.
O relatório de Novembro de 2003 indica que a Letónia respeita, no essencial, os compromissos assumidos no domínio do ambiente por ocasião das negociações de adesão (concluídas em Dezembro de 2002). O país deveria poder aplicar grande parte do acervo ambiental em 1 de Maio de 2004, data da sua adesão à União.
O tratado de adesão foi assinado em 16 de Abril de 2003 e a adesão teve lugar no dia 1 de Maio de 2004.

ACERVO COMUNITÁRIO

A política ambiental da Comunidade, decorrente do Tratado, tem por objectivo a sustentabilidade baseada na integração da protecção ambiental nas políticas sectoriais da UE, na acção preventiva, no princípio do poluidor pagador, no combate na fonte contra os danos ambientais efectuados e na partilha de responsabilidades. O acervo comunitário inclui cerca de 200 actos jurídicos abrangendo uma ampla gama de matérias, incluindo a poluição da água e do ar, a gestão dos resíduos e dos produtos químicos, a biotecnologia, a protecção contra as radiações, e a protecção da natureza. Os Estados-membros devem garantir a realização de uma apreciação do impacto ambiental antes da aprovação de certos projectos públicos e privados.

O Acordo Europeu dispõe que as políticas de desenvolvimento da Estónia devem ser orientadas pelo princípio do desenvolvimento sustentável e devem ter plenamente em conta considerações ambientais.

O Livro Branco abrange apenas uma pequena parte do acervo comunitário na área do ambiente, designadamente legislação relacionada com produtos, que está directamente relacionada com a liberdade de circulação de mercadorias.

AVALIAÇÃO

No seu plano nacional de política ambiental, a Letónia abordou a questão da integração do ambiente noutros sectores, tendo sido tomadas medidas específicas no programa nacional de acção ambiental. A Letónia participa igualmente parte na Agenda 21 para o Mar Báltico, tendo prosseguido, nesse quadro, a aplicação do programa de acção para o desenvolvimento sustentável. Em Março de 2002, foi criado um Conselho para o desenvolvimento sustentável. As questões ambientais foram tomadas em consideração em documentos estratégicos de outros sectores, tais como a agricultura, a energia e a pesca. Em Agosto de 2002, foi aprovada uma estratégia para o desenvolvimento sustentável.

Toda a legislação horizontal no domínio do ambiente foi adoptada e está em conformidade com o acervo, à excepção das disposições relativas à avaliação estratégica do impacto ambiental, que deverão ser adoptadas antes de Julho de 2004. Foi criado um serviço de estudos de impacto ambiental.

Em matéria de acesso à informação sobre ambiente, a legislação da Letónia está em conformidade com o acervo comunitário. Este domínio é da competência da agência do ambiente da Letónia. A Letónia assinou a Convenção de Aarhus em 1998 e ratificou-a em Abril de 2002..

A Letónia assinou o Protocolo de Quioto em 1998 e ratificou a convenção sobre as alterações climáticas. O Protocolo de Quioto foi ratificado pelo Parlamento da Letónia em Junho de 2002.

No que respeita à qualidade da água, a legislação foi adoptada e está em conformidade com o acervo, à excepção das recentes disposições-quadro relativas à agua, que deverão ser adoptadas antes da adesão da Letónia à União. Os programas respeitantes à poluição da água pelos nitratos e às rejeições de substâncias perigosas devem igualmente ser adoptados. É necessário emitir as licenças de rejeição antes de 1 de Maio de 2003. Encontram-se previstos regimes de transição para o tratamento das águas residuais municipais e da água para consumo humano até Dezembro de 2015.

No que respeita à gestão dos resíduos, o mais recente relatório da Comissão assinala que a legislação foi adoptada e dá cumprimento ao acervo, à excepção das disposições mais recentes relativas aos veículos fora de uso, que deverão ser transpostas antes da adesão da Letónia à União. As capacidades administrativas das agências regionais para o ambiente devem merecer especial atenção. Os sistemas de autorização e de anulação da matrícula dos veículos fora de uso e o recenseamento dos aparelhos que contêm PCB/PCT devem ser introduzidos antes da adesão. A construção de aterros para os resíduos perigosos e o amianto deve ser concluída antes de 1 de Maio de 2004. A lei relativa à gestão dos resíduos entrou em vigor em Março de 2001. Em Dezembro de 2000, foi criado um conselho de gestão das embalagens. Foram criados novos aterros e encerraram-se outros antigos. A recolha de resíduos foi melhorada, bem como a revisão do sistema de licenciamento. Em Agosto de 2002, foi adoptado um plano nacional para a gestão dos resíduos. Foram concedidos períodos de transição para os resíduos de embalagens e para a armazenagem de resíduos perigosos (até Dezembro de 2007 e Dezembro de 2004 respectivamente).

No que se refere à luta contra a poluição industrial e à gestão de riscos, a legislação foi adoptada e está em conformidade com o acervo. Eentrou em vigor em Julho de 2000, para as novas instalações, a lei relativa às grandes instalações de combustão. O novo acervo relativo às grandes instalações de combustão foi adoptado em 2002. Foi efectuado um recenseamento das principais instalações abrangidas pela Directiva IPPC e pelas directivas Seveso. Em Janeiro de 2002, foi lançado um sistema integrado de licenciamento tendo em vista a prevenção e o controlo integrados da poluição. É necessário continuar a proceder ao licenciamento e envidar esforços no sentido de dar cumprimento à directiva antes de Outubro de 2007. Foi concedido um regime de transição para determinadas instalações abrangidas pela Directiva IPPC até Dezembro de 2010.

No domínio da qualidade do ar, a legislação da Letónia está em conformidade com o acervo, à excepção das disposições relativas ao teor de enxofre dos combustíveis líquidos e da legislação recente referente ao ozono. Os planos e programas respeitantes à qualidade do ar devem continuar a ser melhorados. Estão criadas todas as instituições responsáveis pela aplicação das exigências relativas à qualidade do ar. A avaliação da qualidade do ar é da competência da agência hidrometeorológica da Letónia. Foi concedido, a determinadas instalações, um regime de transição até Dezembro de 2008 para as emissões de compostos orgânicos voláteis provenientes da armazenagem e distribuição de gasolina.

O quadro jurídico do controlo das substâncias químicas foi transposta e está em conformidade com o acervo. Devem ser adoptados os procedimentos de autorização dos biocidas Em Abril de 2000, foi adoptado um acto legislativo sobre a utilização e comercialização das substâncias químicas perigosas. Foi criado um serviço para as substâncias químicas. Em Agosto de 2002, foi adoptado um regulamento relativo aos processos de notificação e de avaliação dos riscos das novas substâncias químicas. Em Outubro de 2001, foi adoptada uma lei relativa ao amianto.

A legislação comunitária no domínio dos organismos geneticamente modificados (OGM) foi transposta e está em conformidade com o acervo, à excepção das disposições recentes relativas à disseminação de OGM, que deverão ser adoptadas antes da adesão. O mesmo acontece com o procedimento de notificação dos OGM. Por outro lado, as capacidades administrativas consagradas aos OGM não se afiguram suficientes, revelando-se a falta de uma autoridade competente no domínio dos OGM.

Em matéria de protecção contra as radiações e segurança nuclear, foi efectuada uma harmonização e a legislação está em conformidade com o acervo. Em Novembro de 2000, entrou em vigor uma lei relativa à segurança nuclear e à protecção contra as radiações e, em Julho de 2001, começou a funcionar um centro de protecção contra as radiações. Foram adoptados actos legislativos relativos à manipulação dos resíduos radioactivos, à contabilidade e controlo dos materiais nucleares, bem como aos critérios e princípios aplicáveis para efeitos de equivalência dos resíduos radioactivos. Foi concedido um período de transição até Dezembro de 2005 relativamente à exposição para fins médicos

No que respeita à protecção da natureza, o acervo comunitário foi devidamente transposto, à excepção das disposições de aplicação relativas às Directivas «Habitats» e «Aves», que deverão ser adoptadas antes da adesão da Letónia à União. As listas dos sítios de importância comunitária propostos e das zonas de protecção especial devem ser finalizadas antes da adesão. Em Maio de 2000, o governo adoptou um programa nacional a favor da biodiversidade. Em 2001, foram adoptados diversos regulamentos. Os mais importantes dizem respeito às microrreservas, à emissão das autorizações relativas às espécies cuja caça não é permitida, à indemnização associada aos danos causados às espécies e habitats protegidos, bem como à detenção em cativeiro de animais selvagens. Foi criada uma agência para a protecção da natureza, que entrou em funcionamento em Maio de 2002.

No domínio das emissões sonoras, a legislação está em conformidade com o acervo, à excepção das disposições recentes relativas ao ruído ambiente, que deverão ser adoptadas antes de Julho de 2004.

A Letónia calcula que o alinhamento com o acervo comunitário em matéria ambiental exigirá 1,2 milhares de milhão de euros de investimentos públicos e 305 a 742 milhões de fundos privados, o que deverá permitir concluir a transposição do acervo até 2015.

Foram adoptadas medidas com vista a reforçar as estruturas administrativas. Foram criados um Conselho para o desenvolvimento sustentável e uma Agência para a protecção da natureza. Foi reforçado o sistema de inspecção. Realizaram-se programas de formação nos domínios da legislação horizontal, das inspecções das agências regionais para o ambiente, da qualidade do ar, da gestão dos resíduos, da protecção da natureza, da segurança nuclear e da protecção contra as radiações.

A Letónia participa na Agência Europeia do Ambiente (EN) e na Rede Europeia de Informação e de Observação do Ambiente.

As negociações sobre este capítulo encontram-se encerradas.

A presente ficha de síntese, divulgada a título de informação, não tem por objectivo interpretar ou substituir o documento de referência.

Última modificação: 11.02.2004
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página