RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Reforçar a capacidade de resposta às catástrofes

A União Europeia deve basear-se numa nova estratégia para gerir as catástrofes de origem natural ou humana. Esta estratégia deverá permitir melhorar a coordenação das intervenções e a utilização dos instrumentos existentes.

ACTO

Comunicação da Comissão ao Parlamento Europeu e ao Conselho, de 26 de Outubro de 2010, intitulada «Reforçar a capacidade de resposta europeia a situações de catástrofe: papel da protecção civil e da ajuda humanitária» (Texto relevante para efeitos do EEE) [COM(2010) 600 final – Não publicada no Jornal Oficial].

SÍNTESE

A Comissão apresenta uma série de propostas para reforçar a capacidade de resposta da União Europeia (UE) a situações de catástrofe natural ou de origem humana. Com efeito, a UE presta a sua ajuda às vítimas de catástrofes nos países membros da UE, mas também em todo o mundo.

Assim, a nova estratégia visa facilitar a mobilização de competências e de recursos em matéria de protecção civil e de ajuda humanitária.

Estas propostas baseiam-se em duas novas disposições do Tratado de Lisboa: o artigo 196.º do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia (TFUE), que permite à UE melhorar a coordenação europeia em situação de catástrofe, e o artigo 122.º do TFUE, que prevê a constituição de uma ajuda financeira de solidariedade.

Coerência da resposta

A nova estratégia assenta no reagrupamento dos serviços de ajuda humanitária e de protecção civil. Neste contexto, deve ser constituído um novo centro de resposta às situações de emergência no seio da Direcção-Geral ECHO (EN) da Comissão. Este centro deve funcionar em ligação com as autoridades de protecção civil e de ajuda humanitária dos países da UE, bem como em coordenação com o Serviço Europeu para a Acção Externa (SEAE) (DE) (EN) (FR) e as delegações da UE no caso de intervenção em países terceiros.

A Comissão defende também uma melhor coordenação com a Organização das Nações Unidas (ONU), especialmente através de intercâmbios de informação. A qualidade destes intercâmbios de informação deve ser assegurada por intermédio do estabelecimento de vários níveis de pontos de contacto até ao nível local, instrumentos de comunicação electrónicos como o sistema CECIS e fornecimento de informações em tempo real.

Eficácia da resposta

A estratégia visa melhorar a eficácia das intervenções através dos seguintes meios:

  • o planeamento e o recenseamento prévio dos recursos e das capacidades, a fim de assegurar uma mobilização imediata;
  • o pré-posicionamento dos meios de assistência, graças ao estabelecimento de uma rede logística internacional, utilizando ao máximo os recursos locais;
  • a avaliação das necessidades, durante a fase de envio dos meios de assistência e, posteriormente, durante a preparação das operações de reabilitação;
  • a eficácia e a rentabilidade das operações logísticas, graças a unidades de coordenação a nível europeu;
  • a coordenação dos transportes, recorrendo aos sectores privados e militares e às organizações internacionais, mas também por via do aumento das possibilidades de co-financiamentos europeus;
  • a utilização dos meios militares, coordenando, nomeadamente, as intervenções no seio da Comissão.

A Comissão sugere igualmente aumentar a visibilidade das intervenções europeias graças a uma nova estratégia de comunicação.

Última modificação: 09.02.2011

Veja também

  • Comissão Europeia, Ajuda humanitária e protecção civil (EN) (FR)
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página