RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Convenção de Estocolmo relativa a poluentes orgânicos persistentes (POP)

A Convenção de Estocolmo relativa a poluentes orgânicos persistentes (POP) fornece um quadro, assente no princípio da precaução, que visa garantir a eliminação segura e a diminuição da produção e da utilização destas substâncias nocivas para a saúde humana e para o ambiente. A Convenção abrange doze POP prioritários, mas, a termo, o objectivo é abarcar outras substâncias.

ACTO

Decisão 2006/507/CE do Conselho, de 14 de Outubro de 2004, relativa à conclusão, em nome da Comunidade Europeia, da convenção de Estocolmo sobre os poluentes orgânicos persistentes.

SÍNTESE

A Convenção de Estocolmo visa limitar a poluição por poluentes orgânicos persistentes (POP). Define as substâncias abrangidas, bem como as regras relativas à sua produção, importação e exportação.

Definição

Os poluentes orgânicos persistentes são substâncias químicas que, possuindo certas propriedades tóxicas, resistem, contrariamente a outros poluentes, à degradação. Os POP são particularmente nocivos para a saúde humana e para o ambiente. Acumulam-se nos organismos vivos, propagam-se pelo ar, pela água e pelas espécies migratórias e acumulam-se nos ecossistemas terrestres e aquáticos. A poluição provocada pelos POP é um problema é transfronteiriço, que torna indispensável a acção a nível internacional.

Âmbito de aplicação

A Convenção de Estocolmo abrange 12 POP prioritários produzidos de forma deliberada ou não deliberada. A produção não deliberada destas substâncias provém de fontes diversas, tais como a combustão doméstica ou a utilização das incineradoras de resíduos.

Esses 12 POP prioritários são: a aldrina, o clordano, o diclorodifeniltricloroetano (DDT), a dieldrina, a endrina, o heptacloro, o mirex, o toxafeno, os bifenilos policlorados (PCB), o hexaclorobenzeno, as dioxinas e os furanos.

Numa primeira fase, a Convenção visa proibir a produção e a utilização de 9 POP e limitar a produção e a utilização de uma décima substância. Quanto aos dois últimos POP, trata-se de limitar a produção não deliberada e a libertação para o ambiente. As disposições da Convenção não se aplicam às quantidades de substâncias químicas destinadas à investigação laboratorial.

Organismos institucionais

Foram instituídos três organismos para a execução da Convenção a nível internacional:

  • A Conferência das Partes: é o organismo principal, composto por todas as partes na Convenção e, se for caso disso, por observadores. Fixa as regras para os procedimentos de execução e é responsável pelas decisões principais, tais como a adição de novas substâncias à Convenção e o acordo das derrogações;
  • O Comité de estudo dos poluentes orgânicos persistentes: composto por especialistas, tem por função examinar as propostas de acrescentamento de novas substâncias à Convenção;
  • O Secretariado: organismo responsável principalmente pelas funções administrativas.

Importação/exportação de POP

A Convenção prevê a cessação da importação e da exportação dos POP proibidos. As substâncias químicas classificadas como POP podem, ainda assim, ser importadas em determinadas circunstâncias, a saber:

  • Com vista a uma eliminação ecologicamente racional dos POP existentes (destruição de resíduos, etc.);
  • Substâncias cujas produção e utilização sejam autorizadas no âmbito de uma derrogação.

Quanto à exportação, é autorizada:

  • Com vista a uma eliminação ecologicamente racional dos POP existentes (destruição de resíduos, etc.);
  • Para uma parte à qual a Convenção conceda derrogação relativamente ao emprego da substância;
  • Para um Estado não-signatário da Convenção.

Neste último caso, o Estado importador deve fornecer uma certificação anual à parte exportadora. Esta certificação deve especificar, entre outros elementos, a utilização prevista para a substância química e compreender uma declaração pela qual esse Estado se compromete principalmente a proteger a saúde humana e o ambiente e a tomar medidas relativas à gestão dos resíduos, inclusive as que asseguram a eliminação irreversível da substância que constitui um POP.

Produção não intencional de POP

O objectivo é reduzir e, se possível, eliminar a produção não intencional e a libertação dos POP, para o que as partes na Convenção devem elaborar um plano de acção nacional, regional ou sub-regional. Este último inscreve-se no plano de acção principal de execução da Convenção. O plano deve prever uma avaliação das descargas, uma avaliação da eficácia da legislação e das políticas existentes de gestão das descargas e a elaboração das estratégias tendentes ao prosseguimento dos objectivos da Convenção.

Importa encorajar o desenvolvimento e a utilização de materiais, produtos e procedimentos alterados ou de substituição para evitar a produção involuntária de POP. A Convenção compreende as directivas gerais sobre as melhores técnicas disponíveis e as melhores práticas ambientais de prevenção ou redução das descargas. Prevê também medidas relativas à redução ou à eliminação das descargas que contenham POP provenientes dos efectivos e dos resíduos.

Derrogações

A Convenção permite certas derrogações à eliminação/limitação da produção ou à utilização destas substâncias e, consequentemente, às regras relativas à importação e à exportação. As derrogações que podem ser previstas são próprias de cada POP e especificadas, se for caso disso, nos anexos da Convenção.

As derrogações são inscritas num registo acessível ao público e são válidas durante um período de cinco anos. São renovadas pela Conferência das Partes, com base num relatório apresentado à Conferência pela parte interessada, atestando que a derrogação se mantém necessária. Entretanto, se mais nenhuma parte estiver registada para uma derrogação de determinado tipo, não é aceite qualquer novo registo para essa derrogação.

Execução pelas partes

Para cumprimento das obrigações que lhes incumbem por força da Convenção, as Partes devem elaborar um plano de acção e transmiti-lo à Conferência. A fim de facilitar o intercâmbio de informações, cada parte deve designar um correspondente nacional. Dado que os POP representam um problema transfronteiriço, as partes são encorajadas a cooperar a diversos níveis para facilitar a elaboração, aplicação e actualização dos seus planos de execução, inclusive a nível regional ou sub-regional.

Importa igualmente assegurar uma vigilância da evolução dos POP em relação ao ambiente e à saúde pública, bem como encorajar investigação e desenvolvimento.

Adição de uma nova substância

A pedido de uma parte, o comité científico examina uma proposta de POP a acrescentar aos POP já abrangidos pela Convenção. A fim de justificar a proposta, o pedido deve ser acompanhado das informações especificadas, que compreendem as provas relativas à persistência, à bioacumulação, ao potencial de propagação e aos efeitos nocivos para a saúde humana e para o ambiente. Quando tiver sido decidido que a proposta satisfaz os critérios de selecção, o Comité procede a novo exame da proposta, tendo em conta eventuais informações complementares pertinentes que tenha recebido, estabelece um projecto de descrição dos riscos e, se necessário, uma avaliação da gestão dos riscos. O Comité, com base nessas avaliações, recomenda à Conferência das Partes que considere ou não a inscrição da substância química nos Anexos A, B e/ou C. A decisão final cabe à Conferência das Partes.

Recursos financeiros e assistência técnica

Cada parte contribui para os recursos financeiros com vista à execução da Convenção, nomeadamente através de medidas/actividades empreendidas a nível nacional/regional no âmbito dos planos de acção. Os países em vias de desenvolvimento e as economias em transição podem deparar com dificuldades financeiras e técnicas na aplicação da Convenção. Os países desenvolvidos devem prestar o seu contributo por meio de um mecanismo estabelecido pela Convenção a fim de tentar resolver este problema, fornecendo recursos financeiros suplementares. A assistência aos países em vias de desenvolvimento e às economias em transição pode igualmente traduzir-se num apoio tecnológico fornecido por países desenvolvidos.

Disposições relativas à informação

É importante informar e sensibilizar o público, os responsáveis políticos e a indústria química sobre os riscos e as disposições em matéria de POP. São previstas medidas, como a formação dos indivíduos envolvidos. É também essencial assegurar uma comunicação eficaz entre as partes, principalmente através do Secretariado da Convenção.

Resolução de diferendos

Um eventual diferendo entre partes relativamente à interpretação ou à aplicação da Convenção será regulado por arbitragem ou apresentação do diferendo ao Tribunal Internacional de Justiça. O queixoso pode escolher o procedimento. No entanto, se se tratar de uma organização regional ou de integração económica.

Incumprimento da Convenção

A Convenção será dotada de um mecanismo relativo ao seu incumprimento e, se for caso disso, aos procedimentos a adoptar em conformidade.

Denúncia

Uma parte pode retirar-se da Convenção três anos após a sua entrada em vigor por denúncia escrita. Esta denúncia torna-se efectiva, no mínimo, um ano após a recepção do pedido de denúncia pelo depositário.

Contexto

A Convenção foi adoptada por 150 governos, incluindo os Estados-Membros da UE, e pelo Conselho, em nome da União Europeia, por ocasião da Conferência de Estocolmo de 22 e 23 de Maio de 2001.

Entrou em vigor em 17 de Maio de 2004.

A Convenção de Estocolmo surge na sequência de várias iniciativas tomadas a nível internacional. A Comunidade Europeia assinou, em Junho de 1998, o Protocolo de Aarhus relativo aos poluentes orgânicos persistentes, sob os auspícios da Comissão Económica das Nações Unidas para a Europa (CEE-ONU), no quadro da Convenção de Genebra sobre a poluição atmosférica transfronteiriça a longa distância. O protocolo abrange actualmente 16 POP, dos quais 12 se encontram representados na presente Convenção.

A Convenção também se inscreve no âmbito mais lato de grande número de tratados e convenções internacionais celebrados nos últimos anos no domínio do ambiente, designadamente a Declaração do Rio relativa ao ambiente e ao desenvolvimento.

REFERÊNCIAS

ActoEntrada em vigorTransposição nos Estados-MembrosJornal Oficial

Decisão 2006/507/CE

14.10.2004

-

JO L 209, 31.7.2006

ACTOS RELACIONADOS

Regulamento (CE) n.º 850/2004 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 29 de Abril de 2004, relativo a poluentes orgânicos persistentes e que altera a Directiva 79/117/CEE [Jornal Oficial L 158 de 30.4.2004].
O presente regulamento de 2004 visa completar a legislação já abundante da UE relativa às substâncias constantes das listas e testemunha a ambição de ir além das obrigações internacionais, nomeadamente no domínio das substâncias químicas e da gestão de resíduos.
O regulamento diz especificamente respeito à produção, colocação no mercado, utilização, rejeição e eliminação de substâncias abrangidas por interdições ou limitações em virtude da Convenção de Estocolmo sobre os POP, ou do Protocolo da CEE-ONU relativo aos POP. Tem por objectivo estabelecer, a nível europeu, exigências para uma aplicação eficaz desses dois acordos internacionais.

Decisão 2004/259/CE do Conselho, de 19 de Fevereiro de 2004, relativa à conclusão, em nome da Comunidade Europeia, do Protocolo de 1998 à Convenção de 1979 sobre a poluição atmosférica transfronteiras a longa distância, relativo aos poluentes orgânicos persistentes [Jornal Oficial L 81 de 19.3.2004].
A presente decisão aprova o Protocolo de 1998 à Convenção de 1979 sobre a poluição atmosférica transfronteiras a longa distância, relativo aos poluentes orgânicos persistentes.
Este Protocolo da Comissão Económica das Nações Unidas para a Europa foi assinado pela UE e pelos seus Estados-Membros em Junho de 1998 e incide nos mesmos doze POP que a Convenção de Estocolmo e em mais quatro substâncias suplementares (éter pentabromodifenílico, clordecone, hexabromobifenilo e hexaclorociclohexano). Dada a sua persistência, bioacumulação e propagação atmosférica transfronteiras a longa distância, estes POP têm efeitos nocivos significativos na saúde ou no ambiente.
O objectivo final do protocolo é pôr termo a eventuais descargas, emissões e fugas de POP. O protocolo proíbe categoricamente a produção e utilização de certos produtos (aldrina, clordano, clordecone, dieldrina, endrina, hexabromobifenilo, mirex e toxafeno). Também prevê a eliminação de outros produtos, numa fase posterior (DDT, heptacloro, hexaclorobenzeno e bifenilos policlorados (PCB)). Por último, restringe severamente a utilização de DDT, HCH (incluindo o lindano) e PCB.

Última modificação: 07.07.2011

Veja também

  • Convenção de Estocolmo (EN)
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página