RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Competitividade das indústrias metalúrgicas 

A presente comunicação identifica vários factores que influenciam a competitividade das indústrias metalúrgicas. A competitividade destas indústrias, caracterizadas por uma utilização intensiva de energia, é travada por condicionalismos mais acentuados que os existentes no resto do mundo. A Comissão apresenta uma série de grandes orientações que incentivam as indústrias metalúrgicas e o conjunto dos agentes implicados a colocar a tónica, por um lado, num aprovisionamento energético a preços competitivos sem negligenciar os aspectos ambientais e, por outro, na inovação.

ACTO

Comunicação da Comissão ao Conselho e ao Parlamento Europeu, de 22 de Fevereiro de 2008, sobre a competitividade das indústrias metalúrgicas ‑ Contribuição para a Estratégia da UE para o Crescimento e o Emprego [COM(2008) 108 final ‑ Não publicado no Jornal Oficial].

SÍNTESE

As indústrias metalúrgicas estão estreitamente associadas aos desempenhos dos grandes sectores da indústria transformadora, como o sector automóvel, a engenharia mecânica, a construção naval ou aeroespacial. Em 2005, o volume de negócios da indústria metalúrgica da União Europeia (UE) atingiu cerca de 316 mil milhões de euros e empregou 1,1 milhões de pessoas.

Apesar de um processo de reestruturação que visa reduzir os custos e melhorar a produtividade do trabalho, apesar da importância da inovação no desenvolvimento de novas aplicações, as indústrias metalúrgicas perdem terreno face à concorrência mundial.

Competitividade do sector e dependência em termos de matérias‑primas

A competitividade do sector é afectada pelo grande aumento dos preços do gás e da electricidade. A produção das indústrias metalúrgicas consome muita energia, cujo custo representa em geral mais de 10 % e até 37 % dos custos de produção. Na medida em que são grandes emissoras de CO2, as indústrias metalúrgicas têm igualmente um custo ambiental elevado.

A questão do acesso às matérias‑primas minerais não energéticas é crucial para este sector, que depende essencialmente das importações de minérios e seus concentrados a partir de países terceiros. Esta dependência é, porém, reduzida pela reciclagem, que permite consumir menos energia. A utilização de sucata reciclada aumentou, aliás, de forma significativa, correspondendo hoje em dia a 40 a 60 % da produção metalúrgica da UE.

Todavia, o desenvolvimento económico de numerosos países emergentes faz crescer a procura e contribui para o aumento dos preços dos metais e dos produtos metalúrgicos, bem como para uma pressão sem precedentes nos abastecimentos e nos preços das matérias‑primas.

Cinco grandes desafios para o futuro do sector e da sua competitividade

A constatação da incidência dos diferentes factores relacionados com a competitividade deste sector levou a Comissão a apresentar uma abordagem integrada com base em cinco desafios inerentes ao futuro das indústrias metalúrgicas. A presente comunicação tem em conta os resultados de uma consulta pública organizada em Setembro de 2006.

A Comissão examinará, em colaboração com as partes interessadas e os países terceiros, as opções de resposta às preocupações relacionadas com a competitividade no que toca às acções futuras referentes às alterações climáticas e aos objectivos em matéria de ambiente, apoiando‑se nas medidas relativas:

  • ao regime de comércio de licenças de emissão, tendo em conta a situação específica das indústrias de utilização intensiva de energia e os riscos de ver a produção deslocalizada para países em que os limites de emissão são menos rigorosos («fuga de carbono»);
  • à prevenção e ao controlo integrados da poluição a fim de reduzir as emissões industriais;
  • ao reforço da utilização rentável de sucata como matéria‑prima secundária;
  • à aplicação da Directiva REACH e, sobretudo, à elaboração de orientações técnicas relativas às substâncias incluídas em preparações especiais.

Os poderes públicos são convidados a privilegiar as iniciativas relativas à disponibilidade do aprovisionamento energético a preços competitivos, tal como sublinhado:

A Comissão deseja melhorar, a nível europeu e internacional, as condições de um acesso sustentável às matérias‑primas, prevendo ter por base, nomeadamente, os resultados de uma consulta pública lançada em 2008.

A Comissão incentiva as indústrias metalúrgicas a manterem a investigação, o desenvolvimento e a inovação como motores da competitividade, desenvolvendo as seguintes acções:

  • o projecto a longo prazo «ULCOS (Ultra Low CO2 Steelmaking – fabrico de aço com emissões de CO2 drasticamente reduzidas)» (EN);
  • o programa de investigação estratégico elaborado pelas plataformas tecnológicas europeias competentes, como a plataforma tecnológica do aço (ESTEP) (EN);
  • a melhoria da disponibilidade da mão‑de‑obra qualificada.

Finalmente, a Comissão propõe‑se continuar a recorrer a todos os instrumentos existentes para obviar práticas comerciais contrárias aos acordos comerciais internacionais e opor‑se‑á à instauração, pelos seus parceiros comerciais, de direitos de exportação sobre os metais e as matérias‑primas.

Contexto

A presente comunicação insere‑se no âmbito da política industrial integrada que comporta medidas horizontais e sectoriais.
Além disso, dá seguimento às conclusões do Conselho de 14 e 15 de Maio de 2001 sobre uma estratégia para a integração do desenvolvimento sustentável na política empresarial.

Última modificação: 03.06.2008
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página