RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Responsabilidade Social das Empresas: um contributo das empresas para o desenvolvimento sustentável

A aplicação da presente estratégia europeia deverá trazer benefícios para as empresas, para os agentes envolvidos e para o desenvolvimento sustentável da União Europeia (UE). De facto, o sucesso económico das empresas já não depende exclusivamente de estratégias de maximização de lucros a curto prazo, mas igualmente de uma tomada em consideração de objectivos sociais e ambientais, também no interesse dos consumidores.

ACTO

Comunicação da Comissão Europeia, de 2 de Julho de 2002, relativa à Responsabilidade Social das Empresas: um contributo das empresas para o desenvolvimento sustentável [COM(2002) 347 final – Não publicada no Jornal Oficial].

SÍNTESE

A Comissão apresenta uma estratégia europeia para a Responsabilidade Social das Empresas (RSE). A RSE é a integração voluntária, por parte das empresas, de objectivos sociais e ambientais nas suas operações e nas suas relações com os agentes envolvidos.

A Comissão sublinha que os programas de RSE contribuem para o desenvolvimento sustentável da União Europeia (UE). Além disso, têm um impacto positivo sobre a gestão e a competitividade das empresas, considerando nomeadamente:

  • a globalização do comércio, que leva as empresas a terem actividades e responsabilidades no estrangeiro, incluindo nos países em desenvolvimento;
  • a sensibilização dos consumidores para a imagem e a reputação das empresas;
  • a tomada em conta das actividades de RSE pelas instituições financeiras e pelos investidores, com vista à avaliação dos factores de risco e de sucesso das empresas;
  • a possibilidade de usar as actividades de RSE para desenvolver as competências dos trabalhadores.

Princípios da estratégia europeia

A estratégia de promoção da RSE proposta pela Comissão assenta num conjunto de princípios:

  • a natureza voluntária, transparente e credível das actividades de RSE;
  • a identificação dos domínios em que a acção europeia comporta um valor acrescentado;
  • o equilíbrio entre as acções levadas a cabo no plano económico, social, ambiental e no do interesse dos consumidores;
  • a tomada em conta das necessidades específicas das pequenas e médias empresas (PME);
  • o respeito dos acordos e instrumentos internacionais (nomeadamente os da Organização Internacional do Trabalho (OIT) e os da Organização de Cooperação e de Desenvolvimento Económico (OCDE)).

Acções-chave da estratégia europeia

Em primeiro lugar, a Comissão incentiva o aumento dos conhecimentos sobre o impacto da RSE no desempenho económico das empresas. Desde modo, propõe lançar estudos, actividades de sensibilização e de divulgação da informação.

A partilha de boas práticas entre empresas e entre Estados-Membros deve também ser promovida graças à ligação em rede e à coordenação dos agentes.

As competências das empresas devem ser apoiadas, recorrendo-se nomeadamente aos financiamentos europeus para a formação dos trabalhadores. Além disso, os princípios da RSE devem ser integrados nos programas de formação em gestão de empresas.

A capacidade de acção das PME deve ser reforçada, tendo em conta as suas especificidades e os seus recursos limitados. A Comissão incentiva assim a partilha e divulgação de boas práticas, as associações de PME, a cooperação entre grandes e pequenas empresas e as acções de sensibilização.

Deve garantir-se a transparência das práticas e dos instrumentos de RSE. Assim, a Comissão incentiva a adopção de:

  • códigos de conduta (relativos aos direitos dos trabalhadores, aos direitos humanos, à protecção do ambiente, etc.);
  • normas de gestão (para a integração dos aspectos sociais e ambientais nas actividades quotidianas das empresas);
  • instrumentos de aferição dos desempenhos (como relatórios internos de avaliação);
  • rotulagem dos produtos;
  • normas de investimento socialmente responsável (ISR) para orientar os investidores para as empresas que obtêm os melhores resultados em termos de RSE.

A criação de um fórum europeu pode trazer benefícios para todas as partes envolvidas nas acções de RSE, constituindo um local de intercâmbio de experiências, de cooperação e de identificação dos domínios em que uma acção europeia é necessária. A Comissão convida o Fórum a abordar, em primeiro lugar:

  • a relação entre a RSE e a competitividade das empresas;
  • a contribuição da RSE para o desenvolvimento sustentável, incluindo nos países terceiros;
  • os problemas específicos das PME;
  • a eficácia dos códigos de conduta existentes;
  • as directrizes e os critérios comuns para a avaliação das actividades de RSE;
  • os programas de rotulagem;
  • a divulgação de informação sobre as políticas de investimento socialmente responsável.

Por fim, a Comissão propõe a integração dos objectivos de RSE no conjunto de políticas europeias. Com efeito, em conformidade com a sua estratégia a favor do desenvolvimento sustentável, a UE comprometeu-se a integrar, nas suas políticas, considerações económicas, sociais e ambientais. Para além disso, os princípios da RSE são particularmente importantes para as políticas europeias:

  • de emprego e de assuntos sociais, nomeadamente nos domínios da educação e da formação, da igualdade de oportunidades e da integração social das pessoas com deficiência, da antecipação das mudanças industriais e das reestruturações de empresas;
  • do ambiente, através da avaliação dos resultados ambientais, das ecotecnologias e da ecoeficácia dos produtos (ou seja, a relação entre a quantidade dos produtos e o seu impacto no ambiente);
  • dos consumidores, nomeadamente para a sensibilização dos consumidores para as normas ambientais e sociais;
  • dos contratos públicos, para integrar critérios de ordem social e ambiental nos processos de adjudicação dos contratos públicos;
  • de comércio externo, de relações externas e de desenvolvimento, dirigindo-se inclusive às empresas multinacionais;
  • de administração pública, dado que as instituições europeias se comprometem igualmente a aplicar os princípios da RSE.

Contexto

A presente comunicação inscreve-se no seguimento do Livro Verde sobre a RSE publicado em 2001.

Última modificação: 17.08.2011
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página