RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Diálogo entre as sociedades civis da União Europeia e dos países candidatos

Esta comunicação define um quadro estratégico para o desenvolvimento de um diálogo entre as sociedades civis da União Europeia (UE) e dos países candidatos. Trata-se de informar melhor as opiniões públicas dos Estados-Membros sobre o impacto da adesão e as opiniões dos países candidatos sobre a história, o funcionamento e os valores da União. Este diálogo progredirá e evoluirá paralelamente às negociações de adesão e poderá exigir uma reorientação.

ACTO

Comunicação da Comissão ao Conselho, ao Parlamento Europeu, ao Comité Económico e Social Europeu e ao Comité das Regiões, de 29 de Junho de 2005, sobre o diálogo entre as sociedades civis da UE e dos países candidatos [COM(2005) 290 final - Não publicada no Jornal Oficial].

SÍNTESE

A Comissão pretende reduzir a falta de informação e preparação dos cidadãos verificada no último alargamento. Através do diálogo com as sociedades civis turca e croata, tenciona reforçar os contactos e a troca de experiências e melhorar a compreensão e o conhecimento mútuos.

A Comissão baseia-se num conceito tão lato quanto possível de sociedade civil *. Os municípios e outras comunidades locais também serão convidados a participar no diálogo.

A abordagem do diálogo diverge consoante o país: Croácia ou Turquia. A actividade da Comissão incide principalmente nas relações com este último. Propõe reforçar as acções em curso e completá-las mediante novas acções.

O reforço das acções em curso

Croácia

A União trabalha com a sociedade civil croata no âmbito do processo de estabilização e de associação (o acordo de estabilização e de associação celebrado com a Croácia entrou em vigor em 1 Fevereiro de 2005). Este diálogo é reforçado através da participação da Croácia em diferentes programas comunitários como o 6.º Programa-Quadro de IDT ou o programa Tempus.

Turquia

Já foram desenvolvidas acções bilaterais com a Turquia, abrangidas pelo conceito de diálogo entre as sociedades civis, por instâncias nacionais ou comunitárias.

A UE já financia várias acções com o objectivo de:

  • Desenvolver a sociedade civil por meio de um programa que incremente o desenvolvimento das ONG no país, da Iniciativa Europeia para a Democracia e os Direitos do Homem (IEDDH) e do programa de ajuda financeira de pré-adesão.
  • Reforçar o desenvolvimento de relações estreitas com os parceiros sociais e as organizações da sociedade civil nos domínios do diálogo social, do emprego e dos assuntos sociais, em especial nos domínios do direito do trabalho, da igualdade entre homens e mulheres e da luta contra a discriminação.
  • Incentivar a participação da Turquia nos programas comunitários em matéria de educação e formação, nomeadamente Socrates, Juventude e Leonardo da Vinci. Está igualmente previsto um financiamento suplementar proveniente dos fundos de pré-adesão para completar as bolsas propostas. No domínio universitário, o programa de bolsas Jean Monnet apoia os estudantes turcos que desejam aprofundar os seus conhecimentos acerca da integração europeia. A Comissão pretende aumentar a dotação global e analisar outras iniciativas como a extensão do programa aos estudantes da União que desejem estudar na Turquia.
  • Favorecer as acções Marie Curie que constituem um conjunto de programas estruturados de mobilidade destinados aos investigadores. Estas acções implicam o desenvolvimento e a transferência das competências de investigação, a consolidação e o alargamento das perspectivas profissionais dos investigadores e a promoção da excelência na investigação europeia.

As novas acções

O diálogo entre as sociedades civis deverá evoluir a longo prazo, em função das respectivas necessidades. A Comissão espera um papel activo na prossecução desse diálogo por parte dos actores da sociedade civil.

Croácia

O diálogo com a sociedade civil croata evoluirá em função do aprofundamento das relações deste país com a UE, o reforço da cooperação regional e o desenvolvimento do processo regional de reconciliação. A Comissão gostaria que o diálogo se centrasse nas consequências práticas do processo de adesão e propõe que se incentivem os contactos entre os parceiros sociais, os meios de comunicação social, as ONG, as comunidades religiosas na União e na Croácia.

Turquia

A Comissão tenciona realizar várias acções destinadas a reforçar as relações entre a Turquia e a UE em matéria de:

  • Parcerias a longo prazo entre organizações. A criação de um programa de ajuda financeira para permitir que as organizações da sociedade civil turca co-financiem projectos de intercâmbio bilaterais com organizações implantadas na União. Visa nomeadamente as organizações profissionais e os parceiros sociais. Será atribuída prioridade aos projectos que favoreçam o desenvolvimento de relações duradouras entre as organizações.
  • Igualdade entre homens e mulheres. A União deseja reforçar a posição das mulheres na sociedade turca e abordar diversos problemas como a violência doméstica. A Comissão procurará integrar a igualdade entre homens e mulheres e a dimensão da igualdade de oportunidades em todas as acções comunitárias.
  • Relações comerciais. A criação de um conselho de empresas UE-Turquia, reunindo as principais empresas europeias presentes na Turquia e seus equivalentes turcos, a fim de promover as relações entre os organismos europeus e as associações locais de empresas e contribuir para a expansão do comércio e dos investimentos.
  • Cooperação entre comunidades locais. A Comissão deseja apoiar a geminação entre cidades da Turquia e da União e integrar as comunidades locais das regiões isoladas e desfavorecidas nas acções realizadas no âmbito do presente diálogo. A Turquia poderia participar no programa «Cidadãos para a Europa», proposto para 2007-2013, que visa promover uma cidadania europeia activa.
  • Intercâmbios de jovens, universitários e profissionais. A Comissão pretende avaliar a eficácia dos mecanismos utilizados neste domínio e estudar novos projectos. Tenciona aprofundar a cooperação institucional entre as universidades europeias e turcas, o que permitiria a criação de instituições universitárias independentes, abertas aos estudantes de ambas as partes, e a realização de investigações e publicações comuns.
  • Cultura e meios de comunicação social. A Comissão realizará todos os esforços necessários para garantir um debate público aberto. Nesta perspectiva, está prevista a criação de plataformas e de um sítio Internet. Em colaboração com as instituições culturais dos Estados-Membros, apoiará projectos de aprendizagem das línguas e promoção da interpretação e da tradução, a partir do turco e para esta língua. Participará no financiamento de programas televisivos de informação sobre as sociedades turca e europeia. Apoiará os projectos de parceria para a realização de programas comuns entre as cadeias de televisão estabelecidas na União e na Turquia. Está ainda previsto um programa de seminários destinado aos jornalistas da União e da Turquia, que abordará principalmente as relações directas entre as organizações profissionais de jornalistas.

Na opinião da Comissão o diálogo entre as sociedades civis deverá igualmente abranger as questões de natureza religiosa e contar com a participação das Igrejas e outras organizações ou associações religiosas.

Modalidades de execução

A Comissão consultará regularmente diferentes personalidades turcas e europeias, que serão seleccionadas pelo seu profundo conhecimento acerca das relações entre a União e a Turquia.

O financiamento das acções supracitadas será assegurado, em princípio, pelo orçamento de ajuda à pré-adesão, destinado aos países considerados, eventualmente acrescido dos contributos de qualquer organismo público ou privado e da Comissão. Para o financiamento dos programas orçamentais, os países candidatos fornecem um contributo para o orçamento, coberto em parte pelos fundos de pré-adesão.

Para a execução dos projectos, a Comissão utilizará as estruturas e os recursos existentes, salvo necessidade em contrário. Na sua opinião, seria também desejável que os Estados-Membros facilitassem a concessão dos vistos aos participantes turcos neste diálogo.

Acompanhamento e relatórios

A Comissão assegurará um acompanhamento regular das acções empreendidas e dos seus resultados. As informações serão divulgadas no portal Internet «Europa». Será organizado um acompanhamento específico das percepções mútuas entre a União e a Turquia, a fim de reorientar a estratégia.

Palavras-chave do acto
  • Sociedade civil: todas as estruturas que existem na sociedade, fora da administração e do sector público, fundadas numa filiação voluntária ou obrigatória (os sindicatos e as federações patronais, as organizações que representam os agentes económicos e sociais em geral, as organizações não governamentais, as associações no terreno que permitem aos cidadãos participar na vida local, as comunidades religiosas e os meios de comunicação social).

A presente ficha de síntese, divulgada a título de informação, não tem por objectivo interpretar ou substituir o documento de referência.

Última modificação: 23.01.2007
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página