RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 11 idiomas

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Estratégia para o alargamento e Relatório 2003 sobre os países candidatos

Arquivos

1) OBJECTIVO

Passar em revista os avanços realizados pela Bulgária, pela Roménia e pela Turquia na sua via da adesão à União Europeia e definir a estratégia que a União seguirá no futuro em relação a estes três países candidatos.

2) ACTO

«Prosseguir o alargamento». Documento de estratégia e Relatório da Comissão Europeia, de 5 de Novembro de 2003, sobre os progressos realizados pela Bulgária, pela Roménia e pela Turquia na via da adesão [COM (2003) 676 final - Não publicado no Jornal Oficial].

3) SÍNTESE

A Comissão salienta que a Bulgária, a Roménia e a Turquia realizaram avanços importantes a fim de respeitarem os critérios de adesão. As negociações de adesão da Bulgária e da Roménia estão bem encaminhadas e continuam a pautar-se pelos mesmos princípios que foram aplicados aos dez países aderentes (Estónia, Chipre, Letónia, Lituânia, Hungria, Malta, Polónia, República Checa, Eslovénia e Eslováquia). A União apoia o objectivo da Bulgária e da Roménia de se tornarem membros em 2007. Quanto à Turquia, esta deve continuar a progredir no respeito dos critérios de adesão. Em Dezembro de 2004, o Conselho Europeu tomará uma decisão relativamente à abertura das negociações de adesão com a Turquia.

Progressos realizados pela Bulgária e pela Roménia

A Bulgária e a Roménia continuam a respeitar os critérios políticos de Copenhaga. Todavia, mantém-se o problema da corrupção nestes dois países. É necessário envidar ainda mais esforços para dispor de administrações públicas eficazes e qualificadas. Na Bulgária, subsistem problemas relativos às condições de vida dos deficientes mentais, ao sistema de protecção social infantil, a determinadas práticas policiais degradantes e ao tráfico de seres humanos. A Roménia, por seu lado, deve resolver os problemas associados à lentidão dos procedimentos administrativos, à falta de transparência e à capacidade limitada de aplicação das políticas.

No que se refere aos critérios económicos, o relatório salienta que os dois países candidatos dispõem de economias de mercado viáveis. Num futuro próximo, e caso a Bulgária e a Roménia continuem a aplicar os seus programas de reformas, estas economias estarão em condições de fazer face à concorrência e às forças de mercado no interior da União.

No que se refere ao respeito do critério relativo à aprovação do acervo comunitário, a Bulgária e a Roménia fizeram avanços importantes. Se continuarem a progredir ao mesmo ritmo, a transposição acervo comunitário deverá estar concluída antes da data prevista para a sua adesão. Todavia, as capacidades administrativas e judiciárias devem ainda ser melhoradas para que o acervo possa ser adequadamente aplicado. Na Roménia, a qualidade da legislação transposta nem sempre está à altura, devendo ser revista.

Estratégia de pré-adesão para a Bulgária e para a Roménia

No início de 2004, a Comissão apresentará um quadro financeiro para três anos com vista à adesão da Bulgária e da Roménia.

O reforço das capacidades institucionais dos países candidatos e os investimentos associados ao acervo comunitário continuam a ser os principais objectivos da ajuda comunitária de pré-adesão, designadamente no âmbito do programa Phare. A promoção da coesão económica e social constitui uma outra prioridade desta ajuda.

Encerramento das negociações com a Bulgária e com a Roménia

Foram iniciadas com a Bulgária e com a Roménia as negociações relativas aos trinta e um capítulos do acervo comunitário. Na data de publicação deste relatório, tinham sido provisoriamente encerrados vinte e seis capítulos com a Bulgária e vinte com a Roménia. O avanço das negociações depende do progresso de cada país na transposição e na aplicação do acervo. Para que estes dois países possam aderir à União em 2007, o Tratado de Adesão deve ser assinado o mais tardar até ao final de 2005 e as negociações devem estar concluídas muito antes.

Progressos realizados pela Turquia

A Turquia acelerou o ritmo das reformas legislativas para respeitar os critérios políticos. Não obstante, o país ainda não satisfaz inteiramente estes critérios. Continua a ser necessário envidar esforços para colmatar o fosso entre a legislação e a prática. A Comissão salienta que a ausência de acordo para resolver o problema cipriota poderia dificultar seriamente as aspirações europeias da Turquia. A Comissão considera que é possível uma solução global do problema antes da adesão de Chipre à União (1 de Maio de 2004).

Em relação aos critérios económicos, a economia de mercado turca realizou progressos significativos. Porém, persistem desequilíbrios macroeconómicos.

Relativamente à adopção do acervo comunitário, a Turquia efectuou importantes avanços em determinados domínios, mas ainda devem ser realizados esforços em muitos outros domínios. A capacidade administrativa deve ser reforçada a fim de melhorar a aplicação do acervo comunitário. A independência e o funcionamento do poder judicial, o enquadramento global do exercício das liberdades fundamentais, o alinhamento das relações entre civis e militares no que respeita às práticas europeias, a situação no sudeste do país e os direitos culturais devem ser melhorados.

Estratégia de pré-adesão para a Turquia

Para o período 2004-2006, está prevista uma assistência financeira à Turquia de um montante de 1 050 milhões de euros.

A Turquia participa em diversos programas comunitários em vários domínios e na Agência Europeia do Ambiente.

Abertura das negociações com a Turquia

Antes do final de Outubro de 2004, a Comissão publicará um relatório sobre o cumprimento dos critérios políticos de adesão pela Turquia. Em Dezembro de 2004, o Conselho Europeu terá em conta este documento para decidir da possível abertura das negociações de adesão com este país.

4) MEDIDAS DE APLICAÇÃO

5) TRABALHOS POSTERIORES

A presente ficha de síntese é divulgada a título de informação. Não visa interpretar ou substituir o documento de referência que é a única base jurídica vinculativa.

Última modificação: 31.05.2006
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página