RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 11 idiomas

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


O Programa Phare

Arquivos

O programa de ajuda comunitária aos países da Europa Central e Oriental (Phare) constitui o principal instrumento financeiro da estratégia de pré-adesão para os países da Europa Central e Oriental (PECO) candidatos à adesão à União Europeia. Desde 1994, as actividades do Programa Phare foram adaptadas às prioridades e necessidades de cada PECO. O Programa Phare renovado possui um orçamento que ascende a mais de dez mil milhões de euros para o período 2000-2006 (cerca de 1,5 mil milhões de euros por ano). O programa concentra-se, essencialmente, em duas prioridades: o reforço das instituições e das administrações; o financiamento dos investimentos. Embora inicialmente destinado aos PECO, o Programa Phare está em vias de ser alargado aos países candidatos dos Balcãs Ocidentais.

ACTO

Regulamento (CEE) nº 3906/89 do Conselho, de 18 de Dezembro de 1989, relativo à ajuda económica a favor da República da Hungria e da República Popular da Polónia [Ver Actos Modificativos].

SÍNTESE

O programa Phare, enquanto instrumento de pré-adesão, constitui o principal instrumento da cooperação financeira e técnica da Comunidade Europeia com os (PECO). As actividades do programa Phare concentram-se em duas prioridades:

  • Ajudar as administrações dos países candidatos a adquirir as capacidades necessárias para aplicar o acervo comunitário. O programa Phare ajuda igualmente as administrações nacionais e regionais e os órgãos de regulamentação e controlo dos países candidatos a familiarizarem-se com os objectivos e procedimentos comunitários.
  • Ajustar a sua indústria e infra-estruturas básicas às normas comunitárias, mobilizando os investimentos necessários. Este esforço será envidado especialmente em domínios como o ambiente, os transportes, a indústria, a qualidade dos produtos, as condições de trabalho, etc., nos quais as normas comunitárias são cada vez mais rigorosas.

A partir de 2000, o programa Phare adoptou métodos de gestão renovados, nomeadamente em matéria de:

  • Concentração dos projectos nas prioridades de aplicação do acervo programadas pelos parceiros de adesão.
  • Melhor execução orçamental.
  • Aumento radical da dimensão dos projectos.
  • Continuação da descentralização da gestão a favor dos países beneficiários.

Sistemas de financiamento

De uma forma geral, a assistência prevista pelo programa Phare assume mais a forma de ajudas não reembolsáveis do que de empréstimos. O auxílio é concedido pela Comunidade, quer de forma autónoma, quer em co-financiamento com Estados-Membros, o Banco Europeu de Investimento, países terceiros ou outros organismos dos países beneficiários.

Em conformidade com as indicações que figuram na Agenda 2000, o Programa Phare foi-se transformando progressivamente num fundo de tipo estrutural cujo objectivo consiste na promoção do desenvolvimento económico. Uma grande parte dos investimentos é co-financiada por outras instituições, tais como o Banco Mundial, o Banco Europeu de Reconstrução e Desenvolvimento ou o Banco Europeu de Investimento (BEI).

Programação

Inicialmente baseado numa programação anual, o programa Phare baseia-se actualmente num sistema de programação plurianual.

No âmbito da estratégia de pré-adesão, o instrumento de base de programação é a parceria para a adesão, estabelecida por cada país candidato, que inclui as prioridades, os objectivos intermédios, bem como os meios financeiros necessários para os alcançar. As parcerias são completadas por Programas nacionais para a adopção do acervo (PNAA).

As parcerias para a adesão estão na base da programação dos programas nacionais Phare e dos programas de cooperação transfronteiriça.

O programa Phare pode incluir projectos plurinacionais quando a abordagem plurinacional se justificar pela realização de economias de escala, a promoção da cooperação regional ou a necessidade de aplicar certos mecanismos de distribuição em sectores como a justiça ou os assuntos internos.

Procedimento

As disposições de aplicação do programa Phare baseiam-se nas disposições do regulamento de base e do regulamento financeiro da Comunidade, bem como nos procedimentos especialmente concebidos para o programa Phare.

É criado um comité de gestão junto da Comissão, composto por representantes dos Estados-Membros e presidido pelo representante da Comissão. Um representante do Banco Europeu de Investimento (BEI) participa igualmente nos trabalhos do comité de gestão.

A aplicação dos programas nacionais é descentralizada, incumbindo portanto aos países candidatos, na medida do autorizado pelo regulamento financeiro da Comunidade. A Comissão exerce o seu controlo conjuntamente com os países candidatos.

Contexto

Criado em 1989 para apoiar o processo de reforma e de transição económica e política na Polónia e na Hungria, o Programa Phare tornou-se o instrumento financeiro da estratégia de pré-adesão que tem como objectivo a adesão final dos dez países associados da Europa Central à União Europeia, na sequência do Conselho Europeu realizado em Essen em Dezembro de 1994.

Nas primeiras etapas da transição, a assistência incidia no fornecimento de "know-how" ou de assistência técnica e, se necessário, em intervenções de ajuda humanitária. Com os progressos realizados, as necessidades em termos de assistência técnica diminuíram relativamente e as necessidades em termos de ajuda ao investimento, nomeadamente em sectores como as infra-estruturas ou a protecção do ambiente, aumentaram de forma considerável.

Na sequência da publicação da Agenda 2000 e da intensificação do processo de alargamento que se seguiu, o programa Phare foi reorientado para a preparação dos países candidatos para a adesão e foi completado por outros dois instrumentos: o Instrumento Estrutural de Pré-adesão (ISPA) e o Instrumento Agrícola de Pré-adesão (SAPARD). Estes instrumentos, criados para o período de 2000 - 2006, são substituídos pelo Instrumento de Assistência de Pré-adesão (IAP) para o período de 2007 - 2013.

Os países candidatos que beneficiaram do programa Phare são os seguintes: Bulgária, Estónia, Hungria, Letónia, Lituânia, Polónia, República Checa, Roménia, Eslováquia, Eslovénia e Croácia. A Turquia beneficia de uma assistência de pré-adesão específica ao abrigo do Regulamento (CE) n.º 2500/2001 que será igualmente substituído pelo IAP.

REFERÊNCIAS

ActoEntrada em vigorTransposição nos Estados-MembrosJornal Oficial
Regulamento (CEE) n.° 3906/8926.12.1989-JO L 375 de 23.12.1989.

Acto(s) modificativo(s)Entrada em vigorTransposição nos Estados-MembrosJornal Oficial
Regulamento (CEE) n.° 2698/9024.09.1990-JO L 257 de 21.09.1990.
Regulamento (CEE) n.° 3800/9131.12.1991-JO L 357 de 28.12.1991.
Regulamento (CEE) n.° 2334/9214.08.1992-JO L 227 de 11.08.1992.
Regulamento (CEE) n.° 1764/9303.07.1993-JO L 162 de 03.07.1993.
Regulamento (CEE) n.° 1366/9520.06.1995-JO L 133 de 17.06.1995.
Regulamento (CEE) n.° 463/9618.03.1996-JO L 65 de 15.03.1996.
Regulamento (CEE) n.° 753/9629.04.1996-JO L 103 de 26.04.1996.
Regulamento (CE) n.° 1266/199929.06.1999-JO L 161 de 26.06.1999.
Regulamento (CE) n.° 2666/200007.12.2000-JO L 306 de 07.12.2000.
Regulamento (CE) n.° 2500/200110.09.2002-JO L 342 de 27.12.2001.
Regulamento (CE) n.° 807/200305.06.2003-JO L 122 de 16.05.2003.
Regulamento (CE) n.° 769/200430.04.2004-JO L 123 de 27.04.2004.
Regulamento (CE) n.° 2257/200402.01.2005-JO L 389 de 30.12.2004.

ACTOS RELACIONADOS

Relatório da Comissão, de 12 de Janeiro de 2007, intitulado - "Relatório de 2005 sobre os instrumentos Phare, de pré-adesão e de transição" [COM(2007) 3 final - Não publicado no Jornal Oficial].
O presente relatório apresenta um balanço da assistência financeira de pré-adesão em 2005, nomeadamente os programas Phare, ISPA e SAPARD e da assistência específica de pré-adesão à Turquia. Os programas Phare, ISPA e SAPARD foram alargados à Croácia. As autorizações financeiras em 2005 foram repartidas do seguinte modo:

  • Phare: 1178,96 milhões de euros, dos quais 921 milhões de euros para programas nacionais, 80 milhões de euros para acções de cooperação transfronteiriça, 84,75 milhões de euros para programas regionais e horizontais, 6,31 milhões de euros para a segurança nuclear. 50 milhões de euros para a desactivação da central de Kozloduy na Bulgária e 36,9 milhões de euros de dotações suplementares para as inundações na Bulgária e na Roménia.
  • Assistência de pré-adesão à Turquia: 277,7 milhões de euros.
  • Instrumento de transição (instrumento financeiro temporário de pré-adesão em favor dos dez Estados-Membros que aderiram em 2004 em conformidade com o Tratado de Adesão, artigo 34º): 128,1 milhões de euros.

Na perspectiva da adesão, os países candidatos preparam-se progressivamente para a gestão descentralizada dos fundos estruturais segundo o sistema de gestão descentralizada alargada (EDIS)). Esta descentralização é efectuada no âmbito da gestão da assistência de pré-adesão. A este título, a Bulgária e a Roménia beneficiaram de uma maior assistência da Comissão a fim de reforçar a transferência para as autoridades nacionais da responsabilidade de gestão e de aplicação dos programas Phare antes da sua adesão. A Croácia assegura a gestão dos fundos Phare de forma parcialmente descentralizada (DIS), bem como a Turquia, mas tem por objectivo passar ao EDIS em 2007.
O relatório de 2005 aborda igualmente o co-financiamento dos programas com as instituições financeiras internacionais (IFI) que diz respeito sobretudo aos programas horizontais do Phare relativos aos mecanismos de financiamento das pequenas e médias empresas (PME) e dos municípios. O Banco Europeu de Investimento (BEI) prossegue a aplicação do mecanismo estabelecido com a Comissão a nível das regiões transfronteiriças, a fim de promover a integração das regiões transfronteiriças dos países candidatos.

Relatório da Comissão, de 23 de Dezembro de 2005, intitulado - "Relatório de 2004 sobre os instrumentos Phare, de pré-adesão e de transição [COM(2005) 701 final - Não publicado no Jornal Oficial].
O presente relatório apresenta um balanço da assistência financeira de pré-adesão em 2004, nomeadamente dos programas Phare, ISPA e SAPARD, dos quais a Bulgária e a Roménia deixaram de ser os únicos beneficiários, bem como da assistência específica de pré-adesão à Turquia. Além disso, o relatório avalia a assistência concedida aos dez novos Estados-Membros, que deixaram de poder beneficiar dos instrumentos de pré-adesão, nomeadamente o instrumento de transição. Este instrumento é criado por força do Tratado de Adesão de 2003 para o período de 2004-2006. As autorizações financeiras em 2004 estão repartidas do seguinte modo:

  • Phare: 757,7 milhões de euros, dos quais 577,8 milhões de euros para os programas nacionais, 85 milhões de euros para desmantelamento nuclear, 64 milhões de euros para acções de cooperação transfronteiriça e 28,4 milhões de euros para os programas pluribeneficiários e horizontais. Os restantes 2,5 milhões de euros cobrem as autorizações pagas à Fundação Europeia para a Formação.
  • Assistência de pré-adesão à Turquia: 245,9 milhões de euros.
  • Instrumento de transição: 189,6 milhões de euros.

O relatório de 2004 aborda igualmente a assistência à parte setentrional de Chipre e o co-financimento de programas com o Banco Europeu de Investimento (BEI) e com as instituições financeiras internacionais (IFI). Apresenta a programação do Phare tendo em conta o alinhamento da cooperação transfronteiriça pelo INTERREG, a estratégia única relativa à segurança nuclear e a passagem ao sistema de gestão descentralizada alargada (EDIS) relativa à gestão de projectos.

Relatório da Comissão, de 1 de Março de 2005, intitulado - "Relatório de 2003 sobre o programa Phare e os instrumentos de pré-adesão para Chipre, Malta e Turquia" [COM(2005) 64 final - Não publicado no Jornal Oficial].
A Comissão avalia o estado de avanço do programa Phare nos dez países beneficiários, mas debruça-se igualmente sobre os instrumentos de pré-adesão para Chipre, Malta e a Turquia. O relatório é acompanhado de um documento técnico que contém secções dedicadas à programação e ao estado de avanço do programa Phare em cada um dos treze países beneficiários. Para 2003, as autorizações Phare elevaram-se, no total, a 1 699 milhões de euros, repartidos do seguinte modo: 1 223 milhões de euros para programas nacionais; 161 milhões de euros para a cooperação transfronteiriça; 187 milhões de euros para programas regionais e horizontais e 128 milhões de euros para a segurança nuclear.

Relatório da Comissão, de 11 de Novembro de 2003, intitulado - "Relatório de 2002 sobre o programa Phare e os instrumentos de pré-adesão para Chipre, Malta e a Turquia" [COM(2003) 497 final - Não publicado no Jornal Oficial].
Durante o período de 2000-2002, o programa Phare disponibilizou 5 mil milhões de euros para o financiamento de investimentos e o reforço das instituições nos países beneficiários. Os instrumentos utilizados para esse fim foram a geminação (destacamento de peritos para os países candidatos para prestarem assistência na aplicação da legislação comunitária) e a assistência técnica. Em 2002, as autorizações Phare elevavam-se a 1 699 milhões de euros, dos quais 1 168 milhões se destinavam aos programas nacionais, 163 milhões à cooperação transfronteiriça, 260 milhões aos programas regionais e horizontais e 108 milhões à segurança nuclear. No mesmo ano, os programas de ajuda de pré-adesão para Chipre, Malta e Turquia atingiram 168 milhões de euros, dos quais 10 milhões para Malta, 12 milhões para Chipre e 146 milhões para a Turquia.
A Comissão continuou a delegar nas autoridades dos países candidatos as responsabilidades de gestão e de aplicação do programa Phare. O mesmo acontece relativamente à ajuda de pré-adesão destinada a Malta e a Chipre. O objectivo desta delegação é de preparar os futuros países membros para a gestão descentralizada dos Fundos Estruturais.

Relatório especial n° 5/2003 sobre financiamento de projectos ambientais pelo programa Phare e pelo instrumento ISPA nos países candidatos, acompanhado das respostas da Comissão [Jornal Oficial C 167 de 17.07.2003].

Relatório da Comissão - Relatório geral sobre a assistência de pré-adesão (Phare - ISPA - SAPARD) em 2005 [COM(2006) 746 final - Não publicado no Jornal Oficial]

Relatório geral da Comissão ao Parlamento Europeu e ao Conselho, de 24 de Março de 2006, sobre a assistência de pré-adesão (Phare - ISPA - SAPARD) em 2004 [COM(2006) 137 final - Não publicado no Jornal Oficial].

Relatório da Comissão - Relatório geral sobre a assistência de pré-adesão (Phare - ISPA - SAPARD) em 2003 [COM(2005) 178 final - Não publicado no Jornal Oficial].

Relatório da Comissão - Relatório geral sobre a assistência de pré-adesão (Phare - ISPA - SAPARD) em 2002 [COM(2003) 844 final - Não publicado no Jornal Oficial].

Relatório da Comissão - Relatório geral sobre a assistência de pré-adesão (Phare - ISPA - SAPARD) em 2001 [COM(2003) 329 final - Não publicado no Jornal Oficial].

Relatório da Comissão - Relatório geral sobre a assistência de pré-adesão (Phare - ISPA - SAPARD) em 2000 [COM(2002) 781 final - Não publicado no Jornal Oficial].

Relatório anual 2001 da Comissão, de 3 de Março de 2003, sobre o programa Phare - [Relatório COM (2003) 97 final - Não publicado no Jornal Oficial].
No período de 2000-2006 o programa disponibiliza cerca de 11 mil milhões de euros para o reforço da capacidade institucional através de geminação e de assistência técnica, assim como para o apoio ao investimento.
Em 2001, as autorizações do Phare elevaram-se a 1 641 milhões de euros, dos quais 1 091 milhões se destinaram aos programas nacionais, 163 milhões à cooperação transfronteiriça, 219 milhões aos programas regionais e horizontais e 168 milhões à segurança nuclear. O programa reforçou o seu apoio às instituições dos países beneficiários responsáveis pela aplicação do acervo comunitário a partir da sua adesão à União. Em 2001, foram autorizados 111,6 milhões de euros no âmbito do Phare a título da participação dos dez PECO em programas comunitários e 2,15 a título da sua participação na Agência Europeia do Ambiente.
Relativamente à gestão do programa, prosseguiu-se em 2001 o processo de descentralização destinado a reforçar a capacidade de gestão da ajuda comunitária por parte dos PECO.

Decisão da Comissão de 13 de Outubro de 1999 relativa às orientações para a execução do programa Phare nos países candidatos para o período 2000-2006, em aplicação do artigo 8º do Regulamento (CEE) nº 3906/89
[SEC(1999) 1596 final - Não publicada no Jornal Oficial].
Esta decisão fixa as principais orientações relativas ao programa Phare para o período indicado. O programa Phare orientar-se-á em torno de duas prioridades principais:

  • Reforço da capacidade institucional.
  • Investimento.

A fim de reforçar a capacidade institucional, a decisão da Comissão prevê a "geminação" como instrumento principal. Além disso, serão levadas a cabo acções específicas relativas à participação dos países candidatos nos programas comunitários e nas agências comunitárias, bem como à adopção de medidas no domínio da sociedade civil para a salvaguarda e o desenvolvimento do processo de democratização. A prioridade relativa ao investimento centra-se em duas vertentes, nomeadamente o alinhamento dos países candidatos pelas regras e normas da União Europeia e o investimento em matéria económica e social, incluindo as consequências da reestruturação de importantes sectores da economia. Por último, a decisão da Comissão estabelece os mecanismos e os procedimentos de execução do programa Phare, que se basearão essencialmente na descentralização (que será alargada) e na supervisão por parte da Comissão (através das suas delegações).
As linhas directrizes indicadas nesta decisão serão revistas até ao final de 2002, podendo, pois, ser adaptadas de forma a ter em conta eventuais evoluções no processo de adesão.

A presente ficha de síntese, divulgada a título de informação, não tem por objectivo interpretar ou substituir o documento de referência.

Última modificação: 12.02.2007
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página