RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Roteiro das Energias Renováveis

O Roteiro das Energias Renováveis avalia a contribuição das mesmas para o cabaz energético e os progressos efectuados nesse domínio. Inclui igualmente o objectivo de as energias renováveis constituírem 20% da quantidade total de energia consumida na União Europeia até 2020, bem como uma série de medidas para promover o desenvolvimento das energias renováveis nos sectores da electricidade, dos biocombustíveis, do aquecimento e da refrigeração.

ACTO

Comunicação da Comissão, de 10 de Janeiro de 2007, intitulada: « Roteiro das Energias Renováveis. Energias Renováveis no Século XXI: construir um futuro mais sustentável » [COM(2006) 848 - Não publicada no Jornal Oficial].

SÍNTESE

O presente Roteiro apresenta a estratégia a longo prazo da Comissão em matéria de energias renováveis na União Europeia (UE). Essa estratégia visa permitir à UE a concretização do duplo objectivo de uma maior segurança do aprovisionamento energético e da redução das emissões de gases com efeito de estufa.

A avaliação da contribuição das energias renováveis para o cabaz energético, bem como os progressos realizados nos últimos 10 anos, revela que as energias renováveis podem ser mais bem exploradas.

Nesse Roteiro, a Comissão propõe estabelecer uma meta obrigatória de 20% para a quota das energias renováveis no consumo de energia da UE para 2020 e uma meta mínima obrigatória de 10% para os biocombustíveis. Propõe ainda um novo quadro legislativo para reforçar a promoção e utilização das energias renováveis.

Contribuição actual das energias renováveis

Em 2005, a repartição das diferentes fontes de energia renováveis produzidas na UE era a seguinte: 66,1% para a biomassa, 22,2% para a energia hidráulica, 5,5% para a energia eólica, 5,5% para a energia geotérmica e 0,7% para a energia solar (térmica e fotovoltaica).

Em 1997, a UE fixou uma meta de 12% para a quota das energias renováveis no consumo interno bruto em 2010. Apesar dos progressos significativos, a Comissão estima que essa meta não será atingida.

As dificuldades no cumprimento dessa meta explicam-se, nomeadamente, por:

  • Um custo elevado das energias renováveis em termos de investimentos e em virtude de não se ter em conta as externalidades (custos «externos» das diferentes fontes de energia, nomeadamente do ponto de vista do seu impacto a longo prazo na saúde ou no ambiente), o que confere uma vantagem artificial aos combustíveis fósseis.
  • Problemas administrativos ligados aos procedimentos de instalação e à natureza descentralizada da maioria das aplicações das energias renováveis.
  • Regras opacas e/ou discriminatórias para o acesso à rede.
  • Uma informação insuficiente dos fornecedores, dos clientes e dos instaladores.
  • O facto de a meta de 12% ser expressa em percentagem de energia primária, o que penaliza a contribuição da energia eólica (sector em que se observou um forte crescimento no período em questão).

Além disso, os progressos registados pelos Estados-Membros são pontuais e altamente desiguais: a ausência de uma meta vinculativa e as lacunas do quadro jurídico comunitário no sector das energias renováveis apenas permitiram progressos reais nos Estados cuja determinação foi mais forte que as mudanças de prioridades políticas.

De acordo com a Directiva 2001/77/CE (castellanodeutschenglishfrançais), todos os Estados-Membros adoptaram metas nacionais para o consumo de electricidade produzida a partir de fontes de energia renováveis. Se todos os Estados-Membros atingirem as suas metas nacionais, 21% do consumo global de electricidade na UE será produzido a partir de fontes de energia renováveis em 2010. Embora alguns Estados-Membros estejam efectivamente em vias de atingir a sua meta, verifica-se que a maioria dos países estão atrasados e que a quantidade de electricidade produzida a partir das fontes de energia renováveis apenas atingirá os 19% até 2010. Por conseguinte, são indispensáveis esforços suplementares.

Em 2005, a repartição das diferentes fontes de energia renováveis na produção de electricidade da UE era a seguinte: 66,1% para a energia hidráulica, 16,3% para a energia eólica, 15,8% para a biomassa, 1,2% para a energia geotérmica e 0,3% para a energia solar (térmica e fotovoltaica).

De igual modo, a meta de 5,75% para a quota-parte dos biocombustíveis no consumo de combustíveis até 2010, fixada com base na Directiva 2003/30/CE (castellanodeutschenglishfrançais), não será provavelmente atingida se as políticas actuais não forem reforçadas. Apenas dois Estados-Membros atingiram a meta intercalar de 2% de biocombustíveis estabelecida para 2005. Em 2005, o biodiesel representava 81,5% dos biocombustíveis produzidos na UE, enquanto que o bioetanol representava 18,5% do total.

A Comissão estima que o sector do aquecimento e da refrigeração, que constitui cerca de 50% do consumo energético final, explora muito pouco o potencial das energias renováveis, que representavam em 2005 menos de 10% da energia utilizada para fins de aquecimento ou de refrigeração. Até à data, a UE ainda não adoptou legislação directamente destinada a promover o aquecimento ou a refrigeração a partir das energias renováveis.

O aumento observado na utilização das energias renováveis nesse sector tem sido lento. A biomassa é a principal fonte de energia renovável utilizada para o aquecimento. As outras fontes desenvolveram-se de uma forma muito variável segundo o seu tipo e os países em questão (por exemplo: a energia geotérmica na Suécia e Hungria, a energia solar térmica na Alemanha e Grécia, entre outros).

As metas para o futuro

O Roteiro fixa uma meta global obrigatória estabelecendo uma contribuição de 20% das fontes de energia renováveis para o consumo interno bruto até 2020. O estabelecimento de metas ao nível europeu permitirá assegurar uma certa estabilidade às políticas nacionais na matéria.

A Comissão deseja estabelecer uma meta mínima de 10% até 2020 para os biocombustíveis. Essa meta será acompanhada por uma alteração da Directiva 98/70/CE (castellanodeutschenglishfrançais) sobre a qualidade dos combustíveis, com vista a integrar a contribuição dos biocombustíveis.

O Roteiro prevê a adopção pelos Estados-Membros de metas obrigatórias e de planos de acção adaptados aos seus respectivos potenciais. Esses planos de acção deveriam conter medidas e metas específicas nos três sectores da electricidade, dos biocombustíveis e do aquecimento e refrigeração. Essa abordagem flexível deixará aos Estados-Membros uma margem de manobra suficiente. Em 2007 serão apresentadas as propostas legislativas adequadas.

Políticas e medidas

A Comissão proporá medidas para melhorar o mercado interno e eliminar os obstáculos ao desenvolvimento das energias renováveis nos sectores da electricidade, do aquecimento e refrigeração, nomeadamente através da redução dos encargos administrativos, de uma maior transparência e difusão de informação, da adaptação e aumento do número das instalações e dos sistemas de interconexão.

Além disso, a Comissão proporá medidas de apoio, incentivo e promoção das fontes de energia renováveis, entre as quais a adopção de um sistema de apoio ou de incentivo a favor dos biocombustíveis, bem como o recurso aos concursos públicos particularmente no sector dos transportes.

Será mantida uma cooperação estreita entre a Comissão e os agentes envolvidos no sector das energias renováveis (autoridades responsáveis pela rede, entidades reguladoras da electricidade na Europa, indústria de energias renováveis) a fim de permitir uma melhor integração das fontes de energia renováveis na rede de energia.

A Comissão promoverá a optimização da utilização dos instrumentos financeiros existentes, como os Fundos Estruturais e Fundo de Coesão, bem como dos instrumentos orientados para o apoio à investigação e difusão das tecnologias, como o Plano Estratégico Europeu para as Tecnologias Energéticas, o Programa-Quadro de Investigação e de Desenvolvimento Tecnológico ou o Programa "Energia Inteligente para a Europa".

A Comissão assegurará igualmente que seja prosseguido o intercâmbio de boas práticas e que os custos externos das energias fósseis sejam incluídos no seu preço (nomeadamente através da tributação da energia).

Convidam-se os Estados-Membros e as autoridades locais e regionais a explorar ao máximo os instrumentos à sua disposição e a promover o desenvolvimento das fontes de energia renováveis, nomeadamente através da redução dos encargos administrativos e de uma melhor planificação.

Avaliação dos custos e benefícios

As fontes de energia renováveis emitem poucos ou nenhuns gases com efeito de estufa. Por conseguinte, o aumento da quota das fontes de energia renováveis no total dos combustíveis disponíveis reduzirá de forma significativa as emissões de gases com efeito de estufa da UE. A Comissão estima, pois, que a meta de 20% permitirá reduções da ordem de 600 a 900 milhões de toneladas de CO2 por ano, entre 150 e 200 mil milhões de euros de poupança, se o preço da tonelada de CO2 subir para 25 euros por tonelada.

Além disso, o desenvolvimento de fontes de energias alternativas às energias fósseis contribui para garantir a segurança do aprovisionamento energético da UE e para reduzir a factura energética decorrente do aumento dos preços das energias fósseis. Por conseguinte, se a UE conseguir atingir a meta de 20% em 2020, estima-se que a poupança anual seja superior a 250 Mtep (milhões de toneladas equivalente-petróleo) até 2020, dos quais aproximadamente 200 Mtep de importações.

Por outro lado, o desenvolvimento das tecnologias utilizadas no sector das energias renováveis trará novas perspectivas comerciais, nomeadamente em matéria de exportação dessas tecnologias. Estão igualmente previstos benefícios em matéria de emprego e de crescimento do PIB.

Nos últimos 20 anos, o custo das energias renováveis diminuiu de forma constante. Contudo, esse custo continua a ser mais elevado que o das energias convencionais, sobretudo pelo facto de os custos externos das energias fósseis não estarem incluídos. Estima-se que o custo médio anual adicional necessário para atingir a meta de 20% seja de 10 a 18 mil milhões de euros, em função dos preços da energia e dos esforços de investigação realizados.

Contexto

O presente Roteiro faz parte integrante da Análise Estratégica da Política Europeia da Energia do início de 2007 (« pacote energético»). Responde à solicitação do Conselho Europeu de Março de 2006 de uma maior promoção das fontes de energia renováveis a longo prazo.

ACTOS RELACIONADOS

Comunicação da Comissão, de 26 de Maio de 2004, "A quota das energias renováveis na UE - Relatório da Comissão nos termos do artigo 3.º da Directiva 2001/77/CE - Avaliação do efeito de instrumentos legislativos e outras políticas comunitárias no aumento da contribuição das fontes de energia renováveis na UE e propostas de acção concretas" [COM(2004) 366 final (castellanodeutschenglishfrançais) - Não publicada no Jornal Oficial].

Comunicação da Comissão, de 26 de Novembro de 1997, "Energia para o futuro: fontes de energia renováveis - Livro Branco para uma Estratégia e um Plano de Acção comunitários" [COM(97) 599 final (castellanodeutschenglishfrançais) - Não publicada no Jornal Oficial].

Livro Verde da Comissão, de 20 de Novembro de 1996, "Energia para o Futuro: Fontes Renováveis de Energia" [COM(96) 576 final- Não publicado no Jornal Oficial].

 
Última modificação: 09.02.2007
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página