RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Agência de Aprovisionamento da Euratom

A Comunidade Europeia da Energia Atómica (Euratom) intervém nos domínios ligados à energia atómica, nomeadamente a investigação, a elaboração de normas de segurança e a utilização pacífica da energia nuclear. Através da criação desta agência, a Euratom visa assegurar um aprovisionamento regular e equitativo de minérios, matérias-primas e materiais cindíveis especiais na União Europeia (UE).

ACTO

Tratado que institui a Comunidade Europeia da Energia Atómica (Euratom).
Decisão 2008/114/CE, Euratom do Conselho, de 12 de Fevereiro de 2008, que estabelece os Estatutos da Agência de Aprovisionamento da Euratom [Jornal Oficial L 41 de 15.2.2008].

SÍNTESE

A Agência de Aprovisionamento da Euratom foi instituída pelo Tratado Euratom e entrou em funcionamento em 1 de Junho de 1960.

Missão

A Agência deve assegurar que todos os utilizadores na União Europeia (UE) beneficiem de um acesso regular e equitativo aos minérios e combustíveis nucleares (matérias-primas e materiais cindíveis especiais), através de uma política comum de aprovisionamento e em conformidade com os princípios estabelecidos no capítulo VI do Título II do Tratado.

Para desempenhar adequadamente a tarefa que lhe foi confiada, a Agência deve:

  • prestar assistência especializada, informações e aconselhamento à Comunidade no que respeita ao mercado da energia nuclear;
  • observar as tendências do mercado dos materiais e serviços nucleares que podem ter impacto sobre a segurança dos aprovisionamentos;
  • colaborar com o Comité Consultivo.

Enquanto responsável pela gestão da oferta e da procura de minérios, matérias-primas (urânio natural, por exemplo) e materiais cindíveis especiais (por exemplo, urânio enriquecido e plutónio) na União Europeia, a Agência dispõe:

  • do direito de opção sobre os minérios, matérias-primas e matérias cindíveis especiais produzidos no território dos Estados-Membros;
  • do direito exclusivo de celebrar contratos de fornecimento de minérios, matérias-primas ou matérias cindíveis especiais que provenham do interior ou do exterior da Comunidade.

Sede e estatuto

A Agência, com sede no Luxemburgo, foi colocada sob a alçada da Comissão Europeia, que dispõe de um direito de veto sobre todas as decisões (n.º 1 do artigo 53.º). Foi ainda dotada de personalidade jurídica e de autonomia financeira.

Direito de opção (artigo 57.º)

A Agência tem direito de opção sobre os materiais produzidos na Comunidade. Este direito aplica-se à propriedade plena dos minérios e das matérias-primas e ao direito de utilização e de consumo dos materiais cindíveis especiais. De acordo com as disposições do Tratado, antes da sua utilização, transferência ou armazenamento, os produtores devem oferecer à Agência os minérios, matérias-primas ou materiais cindíveis especiais produzidos nos territórios dos Estados-Membros. Esse direito de opção é exercido mediante a celebração de contratos de fornecimento simplificados.

Os produtores podem, contudo, conservar esses materiais, com a autorização da Agência, para armazenagem, utilização ou colocação à disposição de empresas localizadas na UE. Para o efeito, é necessário preencher determinadas condições específicas e informar a Comissão.

No caso de a Agência decidir não exercer o seu direito de opção, tal deve constar claramente do contrato celebrado. No que se refere aos minérios e às matérias-primas, o comprador detém, assim, todos os direitos de propriedade. No caso dos materiais cindíveis especiais, o comprador apenas detém o direito de utilização e consumo, o direito de propriedade continuando a pertencer à Comunidade.

Direito exclusivo de celebrar contratos de fornecimento (artigo 52.º)

Qualquer contrato de fornecimento de materiais deve ser autorizado e celebrado pela Agência. Este direito é o instrumento-chave do funcionamento da Agência. Aplica-se a todos os contratos de fornecimentos, designadamente aos contratos de compra e venda de materiais (urânio natural, empobrecido ou enriquecido, tório, plutónio), às transacções comerciais e aos empréstimos.

Esta regra aplica-se a todos os fornecimentos quer provenham do interior quer do exterior da Comunidade. No que diz respeito aos materiais provenientes do exterior da União, se a Comissão constatar que a Agência não está em condições de entregar as matérias num prazo razoável, os utilizadores podem celebrar contratos com outras partes, directamente, com a autorização da Comissão.

No caso de se tratar da transferência, importação ou exportação de pequenas quantidades de materiais para fins de investigação bastará notificar a Agência.

Saliente-se que, na prática e de acordo com o regulamento da Agência, os utilizadores estão autorizados a negociar livremente com o produtor da sua escolha. Após negociação, os contratos de fornecimento de minérios e matérias-primas e, por analogia, os contratos de fornecimento de materiais cindíveis especiais, incluindo os contratos de enriquecimento, devem ser sujeitos à apreciação da Agência e celebrados por ela.

Financiamento

O Tratado prevê a possibilidade de cobrar uma taxa sobre as transacções efectuadas, para cobertura das despesas de funcionamento da Agência, a qual é, na quase totalidade, financiada pela subvenção do orçamento comunitário, pelo rendimento do seu capital e pelos seus investimentos bancários.

Todos os anos, o Director-Geral da Agência deve apresentar um orçamento previsional à Comissão.

Director-Geral e recursos humanos

O Director-Geral, nomeado pela Comissão, é responsável pela gestão e representa a Agência em determinadas situações. O pessoal da Agência é constituído por funcionários do quadro permanente da Comissão, que são colocados à disposição da Agência.

Comité Consultivo

A Agência de Aprovisionamento da Euratom é assistida por um comité consultivo, que estabelece a ligação entre os produtores, os utilizadores e a Agência. Elabora recomendações, pareceres e informações sobre o aprovisionamento de energia nuclear e sobre as transacções comerciais relacionadas com a energia nuclear. Também funciona como fórum de discussão.

O Comité é constituído por 56 membros nomeados pelos Estados-Membros para um mandato de três anos renovável e seleccionados entre os produtores, os utilizadores e os peritos no domínio da energia nuclear em função do seu grau de experiência e de especialização. O Director-Geral deve consultar o Comité, caso as decisões incidam, designadamente, no capital da Agência, no estabelecimento de um regulamento para definição das modalidades de confronto entre a oferta e a procura, na elaboração do balanço e do relatório anuais da Agência, na criação de sucursais ou, ainda, na dissolução da Agência.

De uma forma geral, o Comité reúne duas vezes por ano, mas pode ser convocado a pedido do Director-Geral ou mediante pedido por escrito de um terço dos membros do Comité, sempre que necessário.

Acompanhamento

O Director-Geral, em consulta com o Comité, elabora três documentos principais:

  • O balanço anual, completado com uma conta de exploração. O documento é submetido à apreciação do Tribunal de Contas, que apresenta um relatório sobre a situação financeira da Agência.
  • O relatório anual sobre as actividades da Agência. Este documento compila os dados relativos ao aprovisionamento e à procura de combustíveis nucleares na UE.
  • O orçamento para o ano seguinte.

REFERÊNCIAS

ActoEntrada em vigorPrazo de transposição nos Estados-MembrosJornal Oficial
Decisão 2008/114/CE

3.6.2008

-

JO L 41 de 15.2.2008

ACTOS RELACIONADOS

Regulamento (Euratom) n.º 66/2006 da Comissão, de 16 de Janeiro de 2006, relativo à dispensa de aplicação das disposições do capítulo sobre o aprovisionamento para a transferência de pequenas quantidades de minérios, de matérias-primas e de materiais cindíveis especiais [Jornal Oficial L 11 de 17.1.2006].

Última modificação: 27.09.2011

Veja também

  • Agência de Aprovisionamento da Euratom (EN)
  • Direcção-Geral da Energia - EURATOM (EN)
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página