RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Livro Branco sobre os serviços de interesse geral

Apresentado como prolongamento do Livro Verde sobre serviços de interesse geral, o Livro Branco da Comissão Europeia expõe a abordagem adoptada pela União Europeia para favorecer o desenvolvimento de serviços de interesse geral de qualidade, bem como os principais elementos de uma estratégia que visa assegurar que todos os cidadãos e empresas da União tenham acesso a serviços de interesse geral de qualidade e a preços acessíveis.

ACTO

Comunicação da Comissão ao Parlamento Europeu, ao Conselho, ao Comité Económico e Social Europeu e ao Comité das Regiões, de 12 de Maio de 2004, intitulada "Livro Branco sobre os serviços de interesse geral" [COM(2004) 374 final - Ainda não publicada no Jornal Oficial].

SÍNTESE

O Livro Branco apresenta as conclusões a que a Comissão chegou após uma vasta consulta pública (DE) (EN) (FR) lançada com base no Livro Verde. A consulta revelou importantes diferenças de pontos de vista e de perspectivas. Contudo, parece haver um consenso quanto à necessidade de assegurar uma combinação harmoniosa dos mecanismos de mercado e das missões de serviço público. O Livro Branco expõe a abordagem adoptada pela Comissão para que a União Europeia desempenhe um papel positivo na promoção do desenvolvimento de serviços de interesse geral de qualidade e apresenta os principais elementos de uma estratégia que visa assegurar que todos os cidadãos e empresas da União tenham acesso a serviços de qualidade e a preços acessíveis.

Ao apresentar o Livro Branco, não é intenção da Comissão encerrar o debate que decorre a nível europeu. O seu objectivo é contribuir para esse debate e fazê-lo avançar, definindo o papel da União e estabelecendo um quadro que permita o correcto funcionamento dos serviços em causa.

SERVIÇOS DE INTERESSE GERAL: UMA COMPONENTE ESSENCIAL DO MODELO EUROPEU E UMA RESPONSABILIDADE PARTILHADA DAS AUTORIDADES PÚBLICAS NA UNIÃO EUROPEIA

O Livro Branco sublinha claramente a importância dos serviços de interesse geral enquanto pilar de um modelo europeu de sociedade e a necessidade de assegurar o fornecimento de serviços de interesse geral de qualidade e a preços acessíveis a todos os cidadãos e empresas da União Europeia. Na União, os serviços de interesse geral continuam a ser essenciais para a coesão social e territorial e para a competitividade da economia europeia.

Se bem que o fornecimento de serviços de interesse geral possa ser organizado em colaboração com o sector privado ou confiado a empresas privadas ou públicas, a definição das obrigações e missões de serviço público, em contrapartida, continua a ser da competência das autoridades públicas ao nível adequado. Compete igualmente a essas autoridades regular os mercados e assegurar que os operadores realizem as missões de serviço público que lhes são confiadas.

Neste contexto, o Livro Branco precisa que a responsabilidade dos serviços de interesse geral é partilhada entre a União Europeia e os seus Estados-Membros. Esta partilha da responsabilidade resulta do princípio subjacente ao artigo 16º do Tratado CE, que confia à Comunidade Europeia e aos Estados-Membros a responsabilidade de assegurar, no âmbito das respectivas competências, que as suas políticas permitam aos operadores de serviços de interesse económico geral desempenhar as missões de que estão incumbidos. O direito dos Estados-Membros de imporem determinadas obrigações de serviço público aos operadores económicos e assegurarem o seu cumprimento é igualmente reconhecido de modo implícito no nº 2 do artigo 86º do Tratado CE.

O Tratado CE confere à Comunidade uma série de meios para que os utentes tenham acesso a serviços de interesse geral de qualidade e a preços acessíveis na União Europeia. A Comissão considera, a este propósito, que os poderes de que a Comunidade dispõe são adequados e suficientes para permitir manter e desenvolver serviços eficazes em toda a União. Contudo, é essencialmente às autoridades competentes a nível nacional, regional e local que incumbe definir, organizar, financiar e controlar os serviços de interesse geral.

OS PRINCÍPIOS ORIENTADORES DA ABORDAGEM DA COMISSÃO

A abordagem da Comissão baseia-se num certo número de princípios contidos nas políticas sectoriais da Comunidade e que podem ser esclarecidos com base nos resultados do debate sobre o Livro Verde:

  • Permitir às autoridades públicas estar próximas dos cidadãos:
    A Comissão respeita o papel essencial atribuído aos Estados-Membros e às autoridades regionais e locais no sector dos serviços de interesse geral. As políticas comunitárias relativas a esses serviços baseiam-se em vários graus de acção e no recurso a diferentes instrumentos no respeito do princípio da subsidiariedade.
  • Atingir objectivos de serviço público em mercados abertos e competitivos:
    Um mercado interno aberto e competitivo, por um lado, e o desenvolvimento de serviços de interesse geral de qualidade, acessíveis e a preços abordáveis, por outro, são objectivos compatíveis.
  • Assegurar a coesão e o acesso universal:
    O acesso de todos os cidadãos e empresas a serviços de interesse geral de qualidade e a preços acessíveis em todo o território dos Estados-Membros é essencial para favorecer a coesão social e territorial da União Europeia, incluindo a redução das deficiências provocadas pela acessibilidade reduzida que caracteriza as regiões mais isoladas.
  • Manter um nível elevado de qualidade e segurança:
    Além do fornecimento de serviços de interesse geral de qualidade, a Comissão deseja garantir a segurança física dos consumidores e dos utentes, de todas as pessoas que intervêm na produção e na prestação desses serviços, bem como do público em geral e, em particular, assegurar uma protecção contra eventuais ameaças, tais como os atentados terroristas e as catástrofes ecológicas.
  • Garantir os direitos dos consumidores e dos utentes:
    Estes direitos dizem em especial respeito ao acesso aos serviços, designadamente os serviços transfronteiriços em todo o território da União, e para todas as camadas da população, a acessibilidade financeira dos serviços, incluindo regimes especiais para as pessoas com baixos rendimentos, a segurança física, a segurança e a fiabilidade, a continuidade, um alto nível de qualidade, a escolha, a transparência e o acesso às informações dos fornecedores e dos reguladores.
  • Acompanhar e avaliar o funcionamento dos serviços:
    Segundo a Comissão, uma avaliação e um acompanhamento sistemáticos são um instrumento essencial para manter e desenvolver serviços de interesse geral de qualidade, acessíveis, a preços abordáveis e eficientes na União Europeia. A avaliação deve ser pluridimensional e incidir sobre todos os aspectos jurídicos, económicos, sociais e ambientais pertinentes. Deve também ter em conta as particularidades do sector avaliado e as situações próprias aos diferentes Estados-Membros e às suas regiões.
  • Respeitar a diversidade dos serviços e das situações:
    Porque as necessidades e preferências dos utentes e dos consumidores diferem consoante a sua situação económica, social, geográfica ou cultural, importa preservar a diversidade dos serviços. Tal é, nomeadamente, o caso dos serviços sociais e de saúde ou ainda da radiodifusão.
  • Aumentar a transparência:
    O princípio da transparência é uma noção-chave para a elaboração e a aplicação das políticas públicas relativas aos serviços de interesse geral. Assegura às autoridades públicas a possibilidade de exercer as suas responsabilidades e garante que se possam fazer e respeitar escolhas democráticas. Este princípio deve aplicar-se a todos os aspectos do processo de execução e abranger a definição das missões de serviço público, a organização, o financiamento e a regulamentação dos serviços, bem como a sua produção e avaliação, incluindo os mecanismos para o tratamento das queixas apresentadas.
  • Promover a segurança jurídica:
    A Comissão reconhece que a aplicação do direito comunitário aos serviços de interesse geral pode levantar questões complexas. Por esse motivo, irá desenvolver esforços constantes, a fim de melhorar a segurança jurídica ligada à aplicação do direito comunitário ao fornecimento dos serviços de interesse geral. A Comissão já actualizou as regras em matéria de contratos públicos e lançou iniciativas no domínio dos auxílios estatais e das parcerias entre os sectores público e privado.

NOVAS ORIENTAÇÕES PARA UMA POLÍTICA COERENTE

Uma das principais questões apresentadas no âmbito da consulta pública dizia respeito à necessidade de uma directiva-quadro relativa aos serviços de interesse geral. Os pareceres expressos a este propósito continuam divididos, mantendo-se o cepticismo entre alguns Estados-Membros e o Parlamento Europeu quanto a esta questão.

Por esse motivo, não há a certeza de que uma directiva-quadro seja a melhor via a seguir nesta fase e que traga um valor acrescentado suficiente. Em consequência, a Comissão conclui que não é conveniente apresentar uma proposta nesta altura. Por enquanto, vai, de modo geral, prosseguir e desenvolver a sua abordagem sectorial propondo, sempre que necessário e adequado, regras sectoriais que permitam ter em conta as necessidades e as situações específicas de cada sector.

Voltará a examinar a viabilidade e a necessidade de uma lei-quadro relativa aos serviços de interesse geral quando da entrada em vigor do Tratado que estabelece uma Constituição para a Europa, em especial da nova base jurídica que introduzirá o artigo III-6º ,o qual prevê o seguinte: "Sem prejuízo dos artigos III-55°, III-56° e III-136°, e atendendo à posição que os serviços de interesse económico geral ocupam, enquanto serviços a que todos na União atribuem valor, e ao papel que desempenham na promoção da sua coesão social e territorial, a União e os seus Estados-Membros, dentro dos limites das respectivas competências e no âmbito de aplicação da Constituição, zelam por que esses serviços funcionem com base em princípios e em condições, designadamente económicas e financeiras, que lhes permitam cumprir as suas missões. A lei europeia estabelece esses princípios e condições (…)". Além disso, a Comissão reexaminará em 2005 a situação dos serviços de interesse geral na União Europeia e a necessidade de adoptar eventualmente medidas horizontais, tencionando apresentar, até ao final de 2005, um relatório sobre as suas conclusões.

Com base nos resultados da consulta pública, a Comissão considera igualmente necessário continuar a clarificar e a simplificar o quadro jurídico relativo ao financiamento das obrigações de serviço público (as compensações). Para o efeito, a Comissão tenciona adoptar um pacote de medidas o mais tardar até Julho de 2005. A maior parte dos elementos desse pacote já foram submetidos a consulta sob a forma de projectos.

Por outro lado, o debate público sublinhou a necessidade de um enquadramento claro e transparente para a escolha das empresas encarregadas de um serviço de interesse geral. A Comissão conta examinar a legislação comunitária que garante a adjudicação transparente das concessões de serviços, tendo iniciado uma consulta sobre os aspectos relativos aos contratos públicos das parcerias público-privado.

O Livro Verde suscitou igualmente um interesse considerável junto das partes interessadas no sector dos serviços sociais e de saúde, que apontaram para a necessidade de uma maior clareza e previsibilidade com vista a assegurar uma evolução harmoniosa desses serviços. A Comissão considera útil desenvolver uma abordagem sistemática, a fim de identificar e de reconhecer as particularidades dos serviços sociais e de saúde de interesse geral e de clarificar o quadro em que funcionam e podem ser modernizados. Esta abordagem será apresentada numa comunicação sobre os serviços sociais de interesse geral, incluindo os serviços de saúde, cuja adopção está prevista para 2005.

A avaliação do funcionamento dos serviços, tanto a nível comunitário como nacional, é essencial para assegurar o desenvolvimento de serviços de interesse geral de qualidade, acessíveis e a preços abordáveis, numa conjuntura em constante mutação. A Comissão compromete-se a intensificar e melhorar as suas actividades de avaliação no sector dos serviços de interesse geral.

No plano interno, a regulamentação sectorial criada a nível comunitário diz essencialmente respeito às grandes indústrias de rede. A Comissão considera que a consulta pública sobre o Livro Verde confirmou esta abordagem e terá em conta os resultados da consulta quando dos exames previstos para os diferentes sectores.

No plano internacional, a Comissão está determinada a assegurar a coerência entre o quadro regulamentar interno da Comunidade e as obrigações assumidas por esta e pelos seus Estados-Membros no âmbito de acordos comerciais internacionais. Deseja igualmente promover os serviços de interesse geral na cooperação para o desenvolvimento

ACTOS RELACIONADOS

Resolução do Parlamento Europeu, de 13 de Janeiro de 2004, sobre o Livro Verde sobre serviços de interesse geral [A5-0484/2003].
O Parlamento Europeu congratula-se com a publicação do Livro Verde da Comissão e convida-a a apresentar um seguimento, o mais tardar, em Abril de 2004. Considera que determinados serviços de interesse geral, como a saúde, a educação e o alojamento social, mas também os serviços de interesse geral que visam manter ou aumentar o pluralismo da informação e a diversidade cultural, devem ser excluídos do âmbito de aplicação das regras de concorrência. Além disso, convida a Comissão a defender esta posição quando das negociações no âmbito da Organização Mundial do Comércio e relativas ao Acordo Geral sobre o Comércio dos Serviços. O Parlamento Europeu considera que não é possível nem pertinente elaborar definições comuns dos serviços de interesse geral e das obrigações de serviço público daí decorrentes, mas que a União Europeia deve estabelecer princípios comuns tais como universalidade e igualdade de acesso, continuidade, segurança, adaptabilidade, qualidade, eficácia, acessibilidade tarifária, transparência, protecção dos grupos sociais desfavorecidos, protecção dos utentes, dos consumidores e do ambiente e participação dos cidadãos, subentendendo-se que convém ter em conta as especificidades sectoriais. Salienta ainda a compatibilidade das regras de concorrência com as obrigações de serviço público e pronuncia-se claramente contra a liberalização do abastecimento de água. Considera que nos sectores da água e dos resíduos, os serviços não devem ser objecto de directivas sectoriais da União Europeia, mas sublinhou que a União deve manter inteira responsabilidade pelas normas de protecção da qualidade e do ambiente nesses sectores.

Livro Verde da Comissão, de 21 de Maio de 2003, sobre serviços de interesse geral [COM(2003) 270 final - Jornal Oficial C 76 de 25.03.2004].
Com o Livro Verde, a Comissão efectua um reexame completo das suas políticas em matéria de serviços de interesse geral. Prossegue o objectivo de organizar um debate aberto sobre o papel global da União na definição dos objectivos de interesse geral prosseguidos por esses serviços, e sobre a maneira como são organizados, financiados e avaliados. Simultaneamente, o Livro Verde reitera a contribuição significativa do mercado interno e das regras da concorrência para a modernização e a melhoria da qualidade e da eficácia de numerosos serviços públicos, em benefício dos cidadãos e das empresas da Europa. Neste contexto, o Livro Verde tem também em conta a globalização e a liberalização, e coloca ainda a questão de saber se seria oportuno criar um quadro jurídico geral, a nível comunitário, para os serviços de interesse geral. Procura tratar estas matérias colocando questões sobre os seguintes aspectos: o alcance de eventuais iniciativas comunitárias suplementares que aplicam o Tratado no respeito integral do princípio da subsidiariedade; princípios susceptíveis de serem incluídos numa eventual legislação-quadro sobre os serviços de interesse geral e o valor acrescentado concreto de tal instrumento legislativo; definição de boa governança em matéria de organização, regulamentação, financiamento e avaliação dos serviços de interesse geral; análise de qualquer nova medida susceptível de ser instaurada para aumentar a segurança jurídica e permitir a coordenação coerente e harmoniosa entre o objectivo da manutenção de serviços de interesse geral de qualidade e a aplicação rigorosa das regras relativas à concorrência e ao mercado interno.

Última modificação: 24.08.2004
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página