RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 11 idiomas

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Um novo enquadramento para o método aberto de coordenação aplicado às políticas de protecção social e inclusão social

Arquivos

Esta comunicação tem por objectivo instaurar um método aberto de coordenação reforçado, a aplicar às políticas de protecção social e combate à pobreza. Este MAC reforçado será mais visível, mais centrado na execução e mais bem articulado com a estratégia de Lisboa revista. Irá simplificar o mecanismo de apresentação de resultados e aumentar as possibilidades de troca de ideias entre os Estados-Membros sobre a política a desenvolver.

ACTO

Comunicação da Comissão, de 22 de Dezembro de 2005: «Um novo enquadramento para o método aberto de coordenação aplicado às políticas de protecção social e inclusão social» [COM(2005) 706 - Não publicada no Jornal Oficial].

SÍNTESE

AVALIAÇÃO DO TRABALHO REALIZADO NO ÂMBITO DO MAC

Antes de apresentar as suas propostas, a Comissão solicitou aos Estados-Membros, aos parceiros sociais, a ONG e a instituições de protecção social que preenchessem um questionário sobre o MAC e respectivos métodos de trabalho.

As partes interessadas valorizam o MAC e consideram que ele tem um impacto positivo na elaboração de políticas. São favoráveis a um processo mais direccionado, dotado de mecanismos simplificados de apresentação dos resultados.

A racionalização deve:

  • Reunir as três vertentes do trabalho, permitindo, ao mesmo tempo, que os aspectos específicos e importantes de cada uma delas continuem a desenvolver-se e tendo em conta que os novos objectivos comuns integrados não devem reduzir as possibilidades de aprofundar o trabalho em cada domínio de intervenção.
  • Contribuir para o reforço da aprendizagem e melhorar a articulação deste aspecto com o trabalho de apresentação de resultados e avaliação.
  • Favorecer uma boa interacção com a estratégia de Lisboa revista e a estratégia relançada em matéria de desenvolvimento sustentável.
  • Fomentar a prática de envolvimento dos agentes actualmente mais avançados no domínio da intervenção.

NOVOS OBJECTIVOS COMUNS PARA O MAC REFORÇADO

Estes novos objectivos assentam nos objectivos preexistentes definidos em Nice para a inclusão e em Laeken para as pensões.

Objectivos gerais

  • Promover a coesão social e a igualdade de oportunidades para todos, através de políticas de inclusão social e sistemas de protecção social adequados, acessíveis, financeiramente viáveis, adaptáveis e eficientes.
  • Interagir de perto com os objectivos de maior crescimento económico e mais e melhores empregos fixados em Lisboa, bem como com a estratégia de desenvolvimento sustentável da União.
  • Reforçar a governação, a transparência e a participação dos agentes relevantes na concepção, na aplicação e no acompanhamento das políticas.

Objectivos aplicáveis às diferentes vertentes do trabalho

  • Dar um impulso decisivo à erradicação da pobreza e da exclusão social 
    - Garantir a inclusão activa de todos, através da promoção da participação no mercado de trabalho e do combate à pobreza e à exclusão dos grupos mais marginalizados;
    - Combater todas as formas de discriminação conducentes à exclusão;
    - Integrar o combate à pobreza e à exclusão social em todas as políticas públicas pertinentes, incluindo as políticas económicas e orçamentais e os programas dos Fundos estruturais (nomeadamente o FSE).
  • Garantir pensões adequadas e sustentáveis 
    - Assegurar a todos um rendimento adequado na reforma e o acesso a pensões que lhes permitam manter, numa medida razoável, os seus níveis de vida após a reforma;
    - Garantir a viabilidade financeira dos regimes de pensões públicos e privados, designadamente através do apoio ao prolongamento da vida profissional e do envelhecimento activo, da garantia de um equilíbrio justo entre contribuições e prestações, bem como da manutenção da segurança dos regimes por capitalização e dos regimes privados;
    - Tomar providências para que os regimes de reforma sejam transparentes e que as pessoas recebam as informações de que necessitam para planear a sua retirada da vida activa.
  • Assegurar cuidados de saúde e cuidados prolongados acessíveis, de qualidade e sustentáveis 
    - Garantir o acesso de todos a cuidados de saúde adequados, velando por que a necessidade destes não conduza à pobreza e à dependência financeira;
    - Promover a qualidade dos cuidados de saúde e uma utilização racional dos recursos.

PROCEDIMENTOS E MODALIDADES DE TRABALHO PARA UM MAC REFORÇADO

Dispositivos de apresentação de resultados e de avaliação

Com base nos novos objectivos comuns, serão concebidas estratégias nacionais para a protecção social e a inclusão social, que comportarão:

  • Uma secção comum em que se fará a avaliação da situação social e a apresentação da abordagem estratégica global de modernização das políticas de protecção social e inclusão social.
  • Três planos temáticos que incidirão sobre a inclusão social, as pensões e os cuidados de saúde. Estes planos devem ter um carácter prospectivo e definir objectivos nacionais prioritários que traduzam os objectivos comuns.

A Comissão elaborará um relatório conjunto (a adoptar pelo Conselho e pela própria Comissão) sobre a protecção social e a inclusão social, onde se fará o ponto sobre os progressos realizados pelos Estados-Membros e se passarão em revista as principais tendências.

Calendário para a apresentação de resultados e a avaliação

Normalmente, as estratégias nacionais abrangerão um período prospectivo de três anos. Tendo em conta o novo calendário de Lisboa, os primeiros relatórios deverão ser apresentados em Setembro de 2006. Os Estados-Membros não terão de apresentar estratégias nacionais em anos intermédios (chamados "light"). Poderão, se assim o desejarem, dar conta de eventuais novas iniciativas ou dos avanços registados na execução das suas acções.

Apoio ao reforço da aprendizagem mútua

Os intercâmbios de práticas e a aprendizagem mútua deveriam assumir um lugar mais importante e ser mais bem integrados no processo de apresentação de resultados e avaliação. A futura rubrica orçamental PROGRESS irá financiar intercâmbios deste tipo em todos os domínios relevantes do MAC.

Participação dos agentes relevantes e governação

O MAC reforçado deve prestar uma atenção redobrada à promoção de uma boa governação, da transparência e da participação dos agentes relevantes:

  • No que diz respeito à inclusão: favorecer a participação na tomada de decisões, assegurar uma coordenação entre os sectores e escalões dos poderes públicos.
  • No que diz respeito às pensões: tornar os regimes compreensíveis e dar aos cidadãos as informações de que necessitam para preparar a sua reforma.
  • No que diz respeito à saúde: instaurar uma boa coordenação entre os diferentes elementos do sistema e informar bem os cidadãos.

Reforçar a visibilidade

O reforço da visibilidade do MAC permitiria dar um contributo positivo aos debates nacionais. Aproveitando o ritmo menos intenso previsto para o processo de apresentação de resultados e avaliação, poderá ser consagrada mais atenção à divulgação do MAC através de seminários nacionais abertos a todos os agentes relevantes.

Contexto

Em matéria de protecção social e inclusão social, na falta de integração destas políticas no direito comunitário, o mecanismo criado desde o Conselho Europeu de Lisboa de Março de 2000 no interior da União é o do método aberto de coordenação (MAC). Este método permite definir objectivos comuns e comparar as boas práticas entre Estados-Membros em três domínios: a inclusão social (desde 2000), as pensões e regimes de reforma (desde 2001) e o futuro do sector da saúde e dos cuidados prolongados (desde 2004). Concretamente, o MAC consiste na proclamação de objectivos gerais comuns, na elaboração de planos de acção e relatórios nacionais que estabelecem a política que os Estados-Membros prevêem desenvolver para atingir os objectivos comuns e na avaliação desses planos e estratégias noutros relatórios conjuntos da Comissão e do Conselho.
A fim de melhor coordenar entre si os processos sociais e de os alinhar com a estratégia de Lisboa (em especial com as grandes orientações das políticas económicas e a estratégia europeia para o emprego), foi decidido que, a partir de 2003, se procederia à racionalização do MAC (ver Comunicação da Comissão, de Maio de 2003, sobre como racionalizar a coordenação no domínio da protecção social (castellanodeutschenglishfrançais)).
Na continuidade dos esforços de racionalização, a presente comunicação propõe um novo conjunto de objectivos comuns para as três vertentes do MAC e a aplicação de novos procedimentos a partir de 2006. Este MAC reforçado deve agir em paralelo e em estreita interacção com a estratégia de Lisboa revista: irá nutrir os objectivos em matéria de crescimento e emprego, enquanto os programas decorrentes da estratégia de Lisboa irão contribuir para a prossecução dos objectivos de coesão social.

ACTOS RELACIONADOS

Comunicação da Comissão, de 20 de Abril de 2004, intitulada «Modernizar a protecção social para o desenvolvimento de cuidados de saúde e de cuidados prolongados de qualidade, acessíveis e duradouros: um apoio às estratégias nacionais pelo "método aberto de coordenação"» [COM(2004) 304 final - Não publicada no Jornal Oficial].

Comunicação da Comissão, de 27 de Maio de 2003, intitulada «Reforçar a dimensão social da estratégia de Lisboa: racionalizar a coordenação aberta no domínio da protecção social» [COM(2003) 261 final -Jornal Oficial L 314 de 13.10.2004].

Comunicação da Comissão intitulada «Apoiar as estratégias nacionais em prol de regimes de pensões seguros e sustentáveis através de uma abordagem integrada» - [COM(2001) 362 final - Não publicada no Jornal Oficial].

Última modificação: 19.01.2006
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página