RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Reforço das normas do trabalho marítimo

A Comissão Europeia pretende consultar os parceiros sociais quanto à maneira de integrar no direito comunitário as disposições pertinentes da Convenção da Organização Internacional do Trabalho (OIT) sobre as normas do trabalho marítimo, adoptada em Fevereiro de 2006 .

ACTO

Comunicação da Comissão, de 15 de Junho de 2006, nos termos do n.º 2 do artigo 138.º do Tratado CE, sobre o reforço das normas do trabalho marítimo [COM(2006) 287 final - Não publicado no Jornal Oficial].

SÍNTESE

A Comissão Europeia apoiou vivamente a elaboração da Convenção da OIT (EN) (FR) (ES) sobre as normas do trabalho marítimo; considera que é indispensável a aplicação desta convenção, tanto a nível comunitário como nacional.

Nos termos do n.º 2 do artigo 138.ºdo Tratado que institui a Comunidade Europeia (UE), a Comissão, antes de apresentar propostas no domínio da política social, consultará os parceiros sociais sobre a possível orientação da acção comunitária.

Âmbito de aplicação da convenção

A convenção agrupa um conjunto de disposições que se destinam a garantir condições de trabalho e de vida decentes a bordo dos navios de arqueação bruta igual ou superior a 500 TAB, que efectuam viagens internacionais ou trajectos entre portos estrangeiros. As normas consignadas abordam os pontos seguintes:

  • condições mínimas requeridas aquando do recrutamento;
  • condições de emprego e direitos dos trabalhadores;
  • acomodações a bordo;
  • protecção social;
  • definição das responsabilidades na aplicação da Convenção.

Contributos da Convenção

O primeiro objectivo da Convenção da OIT é consolidar as convenções e recomendações relativas ao trabalho marítimo adoptadas pela OIT desde 1919 num só um texto de elevado valor jurídico e político. Além disso, a Convenção utiliza mecanismos inovadores para conferir plena eficácia ao texto.

Gerir a globalização e garantir condições de concorrência mais equitativas são metas do segundo objectivo desta convenção, que visa contribuir para estabilizar o sector dos transportes marítimos, confrontado com uma forte concorrência mundial, e para normalizar o estatuto do marítimo no contexto da globalização. Com efeito, certos efeitos perversos, como o dumping social, penalizam os marítimos e os armadores cumpridores das regras vigentes.

Através do último objectivo pretende-se reforçar a segurança marítima e a atractividade da profissão. De notar que 80 % dos acidentes marítimos se devem a erro humano. Por conseguinte, é necessário criar normas sociais mínimas num quadro coerente, bem como reconsiderar a formação. Na verdade, as qualificações e as condições de trabalho são complementares.

Papel da UE

Convicta da pertinência da iniciativa que visa erradicar a concorrência desleal e fazer avançar as normas sociais a nível mundial, a Comissão deu todo o seu apoio aos trabalhos preparatórios da Convenção desde o princípio. Desempenhou um papel dinamizador, contribuindo com valor acrescentado para as negociações e garantindo a compatibilidade entre o texto da Convenção e o direito comunitário. Além disso, coordenou as posições dos Estados-Membros e prestou um contributo financeiro.

Actualmente, a Comissão procura incentivar e acelerar as ratificações a fim de obter rapidamente a entrada em vigor da convenção. O peso da União, com os seus 27 Estados-Membros, permite acelerar o processo, dado que a condição de entrada em vigor da Convenção é a sua ratificação por 30 Estados que representem pelo menos 33 % da arqueação bruta mundial.

De referir ainda o empenho da Comissão em fazer evoluir e enriquecer as normas comunitárias, procurando integrar as disposições mais pertinentes da convenção no direito comunitário.

Deste modo, os parceiros sociais, para esta primeira fase de consulta, são convidados a pronunciar-se sobre diversas questões ligadas à aplicação da convenção e que são igualmente objecto de um estudo de impacto, ou seja:

  • a oportunidade de fazer evoluir o acervo comunitário, adaptando-o, consolidando-o ou completando-o segundo certas orientações;
  • a utilidade de, no âmbito do direito comunitário, ultrapassar o disposto na Convenção;
  • a pertinência de tornar obrigatória a parte não vinculativa da Convenção;
  • a eventual participação dos parceiros sociais em negociações com vista a alcançar um acordo aplicável com base em decisão do Conselho, nos termos do artigo 139.º do Tratado.

A Comissão gostaria ainda que os parceiros sociais se pronunciassem sobre a necessidade de reflectir a estrutura tripartida comunitária na comissão de acompanhamento prevista pela Convenção.

Contexto

Após adopção da Convenção, a Comissão Europeia considerou indispensável mobilizar os meios adequados para a sua execução, a nível tanto comunitário como nacional. A Comissão procura afirmar os valores e os interesses da UE, bem como promover normas de elevado valor a nível mundial.

ACTOS RELACIONADOS

Decisão 2007/431/CE do Conselho, de 7 de Junho de 2007, que autoriza os Estados-Membros a ratificarem, no interesse da Comunidade Europeia, a Convenção sobre o Trabalho Marítimo de 2006, da Organização Internacional do Trabalho [Jornal Oficial L 161 de 22.6.2007].
Em matéria de coordenação dos regimes de segurança social, a Comissão possui competência exclusiva, mas não pode ratificar uma convenção em vez dos Estados-Membros. A Decisão do Conselho de 7 de Junho de 2007 torna possível a ratificação pelos Estados-Membros da convenção que inclui aspectos relativos à coordenação dos regimes de segurança social.

Última modificação: 10.01.2008
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página