RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Estratégia comunitária para a saúde e a segurança no trabalho (2007-2012)

Os acidentes de trabalho e as doenças profissionais custam caro em termos humanos e económicos. Nesta estratégia, a Comissão propõe uma redução de 25 % na taxa total de incidência de acidentes de trabalho até 2012.

ACTO

Comunicação da Comissão ao Conselho, ao Parlamento Europeu, ao Comité Económico e Social Europeu e ao Comité das Regiões, de 21 de Fevereiro de 2007, intitulada «Melhorar a qualidade e a produtividade do trabalho: estratégia comunitária para a saúde e a segurança no trabalho (2007-2012)» [COM(2007) 62 final - Não publicado no Jornal oficial].

SÍNTESE

Uma boa saúde no trabalho permite melhorar a saúde pública em geral, assim como a produtividade e a competitividade das empresas. Além disso, os problemas de saúde e de segurança no trabalho custam caro aos sistemas de protecção social. É, pois, necessário assegurar aos trabalhadores condições de trabalho agradáveis e contribuir para o seu bem-estar geral.

A presente estratégia comunitária para a saúde e a segurança no trabalho vem no seguimento da estratégia para 2002-2006. Esta última deu os seus frutos: os acidentes de trabalho registaram uma clara diminuição. A nova estratégia para 2007-2012, mais ambiciosa, fixa como principal objectivo uma redução de 25 % na taxa total de incidência de acidentes de trabalho. Para o conseguir, a Comissão estabeleceu seis objectivos intermédios que a seguir se sintetizam.

Criar um quadro normativo moderno e eficaz

A legislação europeia em matéria de saúde e de segurança no trabalho é por vezes mal, quando não pouco, aplicada. A Comissão assegurará a efectiva transposição das directivas comunitárias (se necessário, recorrendo a procedimentos por infracção). Esta instituição lembra também aos Estados-Membros, responsáveis pela aplicação da legislação comunitária, que estes dispõem de vários métodos como a formação, a divulgação de informações, o recurso a inspectores do trabalho ou ainda a adopção de medidas de incentivo económico.

Importa não só aplicar mais frequentemente a legislação comunitária, como também aplicá-la de forma equivalente em todos os Estados-Membros a fim de que os trabalhadores europeus estejam protegidos de forma idêntica. A nível comunitário, o Comité de Altos Responsáveis da Inspecção do Trabalho (CARIT) envidará esforços para desenvolver mecanismos que permitam encontrar soluções comuns para problemas que afectem diversos Estados-Membros. Terá igualmente por missão facilitar a cooperação entre as inspecções do trabalho.

Para proteger o trabalhador, torna-se por outro lado essencial adaptar o quadro normativo à evolução do mundo do trabalho e aos últimos progressos técnicos. A Comissão examinará, por exemplo, a possibilidade de lançar iniciativas em matéria de riscos de ordem músculo-esquelética ou ainda no domínio dos agentes cancerígenos.

Adaptar o quadro normativo é afinal também simplificá-lo e torná-lo mais eficaz. A Comissão salienta que a simplificação da legislação deve processar-se sem, no entanto, reduzir os níveis de protecção existentes.

Favorecer o desenvolvimento e a execução de estratégias nacionais

A Comissão convida os Estados-Membros a definirem e adoptarem estratégias nacionais em articulação com a estratégia comunitária e a fixarem, neste contexto, objectivos quantitativos a atingir. Propõe aos Estados-Membros que prestem especial atenção a quatro domínios de acção:

  • a prevenção e a vigilância da saúde;
  • a reabilitação e a reinserção dos trabalhadores;
  • as respostas a dar às mudanças sociais e demográficas (envelhecimento da população, trabalhadores mais jovens);
  • a coordenação entre, por um lado, as políticas de saúde e de segurança no trabalho e, por outro, as políticas de saúde pública, de desenvolvimento regional e de coesão social, as políticas relativas à contratação pública e as políticas em matéria de reestruturações.

Promover mudanças de comportamento

Há que incentivar as mudanças de comportamento tanto na escola como na empresa. Para integrarem a saúde e a segurança nos programas de educação e de formação, a Comissão convida os Estados-Membros a fazerem maior uso do potencial que o Fundo Social Europeu e outros fundos comunitários proporcionam. No interior das empresas, a sensibilização pode ser apoiada por medidas de incentivo económico directo ou indirecto, como reduções de contribuições sociais ou de prémios de seguro, ou ainda por assistência financeira.

Fazer face a novos riscos e a riscos mais sérios

É fundamental reforçar a investigação científica a fim de antecipar e identificar os novos riscos em matéria de saúde e de segurança no trabalho, e de lhes dar resposta. No plano comunitário, a investigação em matéria de saúde e de segurança no trabalho é apoiada pelo sétimo programa-quadro de investigação e desenvolvimento. A nível nacional, a Comissão preconiza a aproximação entre os programas de investigação nos Estados-Membros.

Entre os problemas de saúde que podem vir a tornar-se cada vez mais sérios e dar origem a uma incapacidade para o trabalho, encontra-se a depressão. Importa promover a saúde mental no trabalho, por exemplo reforçando a prevenção da violência e do assédio no trabalho ou lutando contra o stress.

Avaliar melhor os progressos realizados

A Comissão tomará providências para coligir dados estatísticos e informações sobre as estratégias nacionais, assim como para elaborar indicadores qualitativos que permitam conhecer melhor os progressos realizados em matéria de saúde e de segurança no trabalho.

Promover a saúde e a segurança a nível internacional

No intuito de elevar as normas laborais em todo o mundo, a União Europeia tentará estreitar a sua cooperação com os países terceiros e com as organizações internacionais como a Organização Internacional do Trabalho (OIT (EN) (ES) (FR)) ou a Organização Mundial da Saúde (OMS). Promoverá, por exemplo, a aplicação da estratégia global para a segurança e saúde no trabalho (EN ) (ES ) (FR ), adoptada pela OIT em 2003, a ratificação do Quadro Promocional para a Segurança e Saúde no Trabalho (EN ) (ES ) (FR ), adoptado em 2006, ou ainda a proibição do amianto.

ACTOS RELACIONADOS

Comunicação da Comissão ao Conselho e ao Parlamento Europeu, de 8 de Novembro de 2007, que transmite o acordo-quadro europeu sobre assédio e violência no trabalho [COM(2007) 686 final - Não publicado no Jornal Oficial].
Esta comunicação diz respeito ao acordo-quadro europeu sobre assédio e violência no trabalho. Terceiro acordo autónomo do género, negociado pelos parceiros sociais europeus a nível interprofissional, destina-se a prevenir ou, até, gerir situações de intimidação, de assédio ou de violência física no local de trabalho, situações, aliás, firmemente condenadas pelos parceiros sociais e perante as quais estes convidam as empresas europeias a dar provas de uma severidade exemplar.
O acordo-quadro europeu sobre assédio e violência no trabalho foi assinado em 26 de Abril de 2007 pela CES, a BUSINESSEUROPE, a UEAPME e o CEEP.

Última modificação: 14.02.2008
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página