RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Uma Agenda Digital para a Europa

A Agenda Digital apresentada pela Comissão Europeia constitui um dos sete pilares da Estratégia Europa 2020, que estabelece objectivos para o crescimento da União Europeia (UE) até 2020. Esta Agenda Digital propõe explorar melhor o potencial das tecnologias da informação e da comunicação (TIC) para promover a inovação, o crescimento económico e o progresso.

ACTO

Comunicação da Comissão ao Parlamento Europeu, ao Conselho, ao Comité Económico e Social Europeu e ao Comité das Regiões, de 19 de Maio de 2010, intitulada «Uma Agenda Digital para a Europa» [COM(2010) 245 final – Não publicado no Jornal Oficial].

SÍNTESE

A Comissão Europeia propôs uma Agenda Digital cujo principal objectivo é desenvolver um mercado único digital, com vista a um crescimento inteligente, sustentável e socialmente inclusivo na Europa.

Quais os obstáculos à Agenda Digital?

  • os mercados digitais compartimentados;
  • a falta de interoperabilidade;
  • a cibercriminalidade crescente e o risco de desconfiança nas redes;
  • a falta de investimento em redes;
  • os esforços insuficientes a nível da investigação e da inovação;
  • a falta de literacia e de qualificações em matéria digital;
  • as oportunidades perdidas de resposta aos desafios societais.

Quais as acções a desenvolver no âmbito da Agenda Digital?

Realizar o mercado único digital

A Comissão compromete-se, por um lado, a abrir o acesso aos conteúdos em linha legais, simplificado o pagamento dos direitos de autor, a sua gestão e o seu licenciamento. Para o efeito, irá propor uma directiva-quadro relativa à gestão colectiva dos direitos de autor, bem como uma directiva relativa às obras órfãs. Por outro lado, irá rever a Directiva relativa à reutilização das informações do sector público.

Para simplificar os pagamentos e a facturação electrónicos, a Comissão deve concluir o Espaço Único de Pagamentos em Euros (SEPA) e rever a Directiva relativa às assinaturas electrónicas para proporcionar sistemas seguros de autenticação electrónica.

O mercado em linha europeu debate-se com uma falta de confiança dos utilizadores em relação à segurança do pagamento e à protecção da privacidade. A Comissão pretende rever o quadro regulamentar da UE relativo à protecção de dados. Tenciona, ainda, publicar um código em linha que sintetize, de forma clara e acessível, os direitos dos cidadãos no universo digital. Este código abrangerá também o Direito dos Contratos, bem como a resolução de litígios em linha à escala da UE. A Comissão irá também considerar a criação de uma marca UE de confiança em linha para garantir a segurança do consumidor.

Os serviços de telecomunicações devem ser unificados. Convém, igualmente, harmonizar a numeração dos serviços e as faixas do espectro.

Reforçar a interoperabilidade e as normas

É necessário que a UE reforce a interoperabilidade entre aparelhos, aplicações, repositórios de dados, serviços e redes. Para o efeito, é crucial que a Comissão prossiga com a revisão da sua política de normalização. Deve, igualmente, promover regras adaptadas aos direitos de propriedade intelectual.

Consolidar a confiança e a segurança em linha

A Europa deve reforçar a sua política de combate à cibercriminalidade , à pornografia infantil em linha e à violação da privacidade e dos dados pessoais. A Comissão apresentará medidas relativas à segurança das redes e da informação e à luta contra os ciberataques.

Em paralelo, os Estados-Membros devem tomar medidas para instalar uma rede funcional a nível nacional e efectuar operações de simulação de ciberataques em grande escala. As plataformas nacionais de alerta deverão ser adaptadas à plataforma para o cibercrime da Europol.

Promover um acesso rápido e ultra-rápido à Internet para todos

A Europa deve dispor de uma Internet rápida e ultra-rápida, acessível a todos e económica. Nesta óptica, a UE deve criar redes de acesso da próxima geração (APG). A Comissão pretende recorrer a fundos europeus (o FEDER ou o FEADER, nomeadamente) para financiar os investimentos na banda larga. A Comissão reforçará também a sua política em matéria de espectro radioeléctrico.

Investir na investigação e na inovação

A Europa deve colmatar o seu défice de investimentos em matéria de investigação e desenvolvimento no domínio das TIC, que continuam a ser insuficientes na Europa em comparação com os investimentos realizados pelos seus principais parceiros comerciais. A Comissão pretende, assim, fomentar o investimento privado e duplicar as despesas públicas em termos de desenvolvimento das TIC.

Melhorar a literacia digital, as qualificações nesse domínio e a inclusão na sociedade digital

Apesar de a Internet fazer parte da vida quotidiana de um grande número de cidadãos europeus, alguns grupos da população continuam a ser excluídos da literacia mediática no ambiente digital. Para além disso, a UE depara-se com uma uma escassez de pessoal competente no sector das TIC.

Para promover o emprego no sector das TIC, a Comissão propõe dar prioridade à literacia e qualificações digitais no âmbito do Fundo Social Europeu. Pretende, igualmente, desenvolver ferramentas que permitam identificar e reconhecer as competências dos profissionais e dos utilizadores das TIC. O objectivo é desenvolver um quadro europeu especialmente concebido para os profissionais das TIC.

Para colmatar as desigualdades de acesso à literacia digital dos cidadãos europeus, os Estados-Membros devem promover a acessibilidade electrónica no âmbito, nomeadamente, da aplicação da Directiva Serviços de Comunicação Social Audiovisual.

Tirar partido de uma utilização inteligente da tecnologia para a sociedade

A União Europeia deve explorar o potencial oferecido pela utilização das TIC nos seguintes domínios:

Como implementar estas acções?

A implementação das acções anteriormente indicadas exigirá um nível sustentado de empenho a nível da UE e dos Estados-Membros (inclusive a nível regional). Será coordenada por um grupo de Comissários e envolverá os Estados-Membros e o Parlamento Europeu.

Os progressos da aplicação da Agenda Digital serão apresentados todos os anos, levando à publicação de uma tabela de avaliação, bem como à realização de uma assembleia digital.

Contexto

A crise financeira de 2008 revelou algumas debilidades estruturais da economia europeia. A Estratégia «Europa 2020» lançada pela Comissão Europeia em 2010 constitui um dos elementos de resposta a esta crise. Fixa objectivos em matéria de emprego, produtividade e coesão social. A Agenda Digital para a Europa inscreve-se na Estratégia Europa 2020, constituindo uma das sete principais iniciativas desta estratégia.

Última modificação: 25.06.2010
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página