RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 10 idiomas

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Plano de Acção Europeu para a Mobilidade Profissional (2007-2010)

No seu plano de acção, a Comissão propõe uma abordagem mais integrada da mobilidade do trabalho, centrada em quatro domínios: melhoramento da legislação e das práticas administrativas, apoio à mobilidade por parte dos poderes públicos, reforço da rede EURES e sensibilização do público.

ACTO

Comunicação da Comissão ao Conselho, ao Parlamento Europeu, ao Comité Económico e Social Europeu e ao Comité das Regiões, de 6 de Dezembro de 2007, intitulada «Mobilidade, um instrumento para mais e melhores empregos: Plano de Acção Europeu para a Mobilidade Profissional (2007-2010)» [COM(2007) 773 final - Não publicado no Jornal Oficial].

SÍNTESE

Embora os trabalhadores europeus pareçam menos avessos à mobilidade que dantes, a taxa de mobilidade no trabalho cresce relativamente pouco na União Europeia (UE). Em causa está a incerteza quanto às vantagens da mobilidade e estão as numerosas barreiras administrativas e jurídicas. Daí a necessidade de pôr em prática novas acções para propiciar a mobilidade. Assim, a fim de responder aos novos desafios da mobilidade, a Comissão propõe um plano de acção em quatro vertentes.

Plano de Acção (2007-2010)

Melhorar a legislação e as práticas administrativas existentes é o primeiro objectivo. Neste domínio, são propostas quatro acções, a saber:

  • Examinar se a legislação comunitária deve ser adaptada para permitir aos trabalhadores circular, segundo os novos esquemas de mobilidade, sem perda da sua protecção social.
  • Reforçar legalmente o papel da rede de peritos independentes TRESS em matéria de coordenação da segurança social a nível europeu (divulgação de conhecimentos, relatórios e conselhos especializados). Uma consulta das partes interessadas e uma avaliação de impacto deverão permitir determinar se é necessário adaptar as práticas administrativas ou as disposições regulamentares.
  • Simplificar mais as práticas nacionais de cooperação e de administração (intercâmbio e consulta de informações por via electrónica, lançamento de uma versão electrónica do Cartão Europeu de Seguro de Doença ( castellano deutsch english français ), etc.) a fim de acelerar e facilitar os reembolsos de despesas de segurança social dos trabalhadores migrantes.
  • Trabalhar no sentido de que as propostas em matéria de transferibilidade dos direitos a pensões complementares se concretizem, com o propósito de melhorar a aquisição e a preservação destes direitos.

Por outro lado, a combinação da flexibilidade e da mobilidade (flexigurança) deverá contribuir para a Estratégia de Lisboa, permitindo a maior número de trabalhadores dispor de mais empregos de melhor qualidade.

Providenciar para que as autoridades nacionais, regionais e locais incentivem a mobilidade ao respectivo nível é o segundo eixo de acção. Neste sentido, os Estados - Membros devem:

  • Fazer da mobilidade um objectivo prioritário das suas estratégias nacionais para o emprego e a aprendizagem ao longo da vida.
  • Adquirir boas práticas mediante programas de aprendizagem mútua que podem ser financiados pela política de coesão da UE. Neste contexto, será realizado um inventário dos programas pertinentes e será estudada a possibilidade de desenvolver programas europeus de mobilidade.
  • Utilizar o Quadro Europeu de Qualificações, promover o Europass e desenvolver o sistema europeu de transferência de créditos para o ensino e a formação profissionais (ECVET).

Além disso, as autoridades regionais e locais, os centros de aprendizagem e de formação e a sociedade civil serão incentivados a eliminar os obstáculos de ordem prática e a promover uma «mobilidade equitativa» que respeite as normas do trabalho e as disposições legais.

São ainda propostas várias acções a fim de alargar o âmbito e a qualidade dos serviços prestados pela rede EURES em matéria de mobilidade dos trabalhadores, a saber:

  • Aumentar a oferta de informações e sensibilizar para o princípio da igualdade de tratamento e para o respeito pelas normas de trabalho nos mercados europeus.
  • Reforçar a recolha de informações estratégicas a fim de aumentar a sua capacidade analítica.
  • Expandir a assistência aos trabalhadores móveis na UE, contemplando em particular certas categorias específicas de trabalhadores.
  • Tornar uma parte dos serviços extensiva aos nacionais de países terceiros em certos casos.

A fim de sensibilizar mais os cidadãos para a mobilidade, prevê-se um trabalho orientado em três sentidos:

  • Organizar anualmente «Jornadas Europeias do Emprego», no intuito de melhor informar os cidadãos dos seus direitos e das vantagens associadas à mobilidade, bem como de intensificar os intercâmbios entre as diferentes partes interessadas.
  • Lançar uma «Parceria Europeia da Mobilidade Profissional», com a criação de uma rede de promoção da mobilidade.
  • Integrar no programa PROGRESS um apoio ao financiamento de actividades-piloto, ao intercâmbio de boas práticas, à divulgação de resultados sobre novos desenvolvimentos e à emergência de iniciativas inovadoras.

Contexto

A mobilidade do emprego deve permitir fazer face aos novos desafios decorrentes de uma sociedade cada vez mais envelhecida e de um mercado em constante evolução, tanto mais se se tiverem em conta as novas possibilidades oferecidas aos trabalhadores e aos empregadores na sequência do alargamento da UE. Aliás, na Estratégia de Lisboa e na Estratégia Europeia de Emprego, foi oficialmente reconhecido que uma maior mobilidade geográfica e profissional constituía um factor de adaptação essencial no contexto de mercados do trabalho em mutação rápida. A presente comunicação inscreve - se no prolongamento da série de iniciativas em prol da mobilidade. A Comissão deseja, na verdade, tirar partido da experiência adquirida graças ao Plano de Acção para as Competências e a Mobilidade e ao Ano Europeu da Mobilidade dos Trabalhadores de 2006.

Última modificação: 22.05.2008
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página