RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Desenvolver parcerias público-privadas

As parcerias público-privadas podem contribuir para o relançamento económico e o desenvolvimento sustentável da União Europeia (UE). Com efeito, a combinação das capacidades e dos capitais públicos e privados é essencial no contexto da crise económica. A Comissão apresenta os obstáculos ao seu estabelecimento e os meios de incentivo às mesmas.

ACTO

Comunicação da Comissão ao Parlamento Europeu, ao Conselho, ao Comité Económico e Social Europeu e ao Comité das Regiões, de 19 de Novembro de 2009, relativa à mobilização do investimento privado e público com vista ao relançamento da economia e à mudança estrutural a longo prazo: desenvolvimento de parcerias público-privadas [COM(2009) 615 final – Não publicado no Jornal Oficial].

SÍNTESE

As parcerias público-privadas (PPP) são soluções inovadoras de financiamento promovidas pela União Europeia (UE). Podem contribuir, em particular, para:

  • facilitar a realização de projectos de interesse público, nomeadamente infra-estruturas e missões de serviço público à escala transfronteiriça;
  • partilhar os riscos financeiros e reduzir os custos de infra-estrutura normalmente suportados na totalidade pelo sector público;
  • promover o desenvolvimento sustentável, a inovação, a investigação e o desenvolvimento, graças aos processos de concurso e aos compromissos das empresas privadas;
  • aumentar as quotas de mercado das empresas europeias no domínio dos contratos públicos de países externos à UE.

PPP no interior da UE

Estas parcerias devem ser compatíveis com as regras da UE no que respeita:

  • ao funcionamento do mercado interno;
  • ao Pacto de Estabilidade e Crescimento;
  • à legislação comunitária em matéria de contratos públicos e concessões de serviços;
  • às regras de concorrência, na medida em que as PPP exerçam uma actividade económica.

Os financiamentos da UE podem servir para co-financiar as PPP. Os agentes públicos e privados nacionais podem beneficiar:

  • dos fundos estruturais associados às PPP, da mesma forma que se aplica às iniciativas JASPER, JESSICA e JEREMIE;
  • dos fundos do Banco Europeu de Investimento (BEI) e do Fundo Europeu de Investimento (FEI). O BEI estabeleceu igualmente um Centro Europeu de Especialização (EPEC) (EN) para ajudar na implementação de PPP;
  • dos instrumentos financeiros da rede transeuropeia de transportes (rede RTE-T), que promovem a entrada de financiamentos privados, de capital de risco e a concessão de créditos bancários;
  • do 7.º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento e da iniciativa tecnológica conjunta (ITC).

A UE propõe também a utilização de instrumentos destinados à inovação:

  • o Mecanismo de Financiamento com Partilha de Riscos (DE) (EN) (FR) (MFPR), implementado pela Comissão e pelo BEI a fim de facilitar o acesso ao crédito. O plano de relançamento da economia prevê uma aplicação acelerada do MFPR;
  • os instrumentos do Programa-Quadro para a Competitividade e a Inovação (CIP), que apoiam as PPP nos domínios da investigação, do desenvolvimento tecnológico e da inovação.

PPP no exterior da UE

É possível implementar PPP no âmbito da estratégia de alargamento e das acções de cooperação externa. A UE contribui também para o Fundo Mundial para a Eficiência Energética e as Energias Renováveis, uma PPP internacional destinada aos investidores dos países em desenvolvimento.

Finalmente, a UE promove a melhoria da transparência e do funcionamento das PPP no âmbito das suas relações comerciais internacionais.

Obstáculos ao estabelecimento de PPP

A crise económica limitou o acesso ao financiamento, devido:

  • ao aumento do custo dos créditos;
  • à redução dos prazos de vencimento propostos pelos bancos, com vista a diminuir a duração dos créditos;
  • à ausência de financiamento no início dos processos de adjudicação de contratos públicos.

Foi por este motivo que a Comissão apresentou um quadro comunitário temporário relativo às medidas de auxílio estatal destinadas a apoiar o acesso ao financiamento durante o período de crise económica.

A implementação de PPP envolve geralmente:

  • recursos financeiros importantes;
  • especialização e formação específica no sector público;
  • mecanismos financeiros complexos;
  • um compromisso a longo prazo da parte das autoridades.

As PPP no domínio da inovação tecnológica são essenciais para a competitividade da UE. A Comissão deve estabelecer um quadro específico para:

  • facilitar a sua aplicação e garantir a partilha de riscos e de responsabilidades entre agentes públicos e privados;
  • garantir o acesso ao financiamento através de subvenções, contratos públicos ou investimentos.

Medidas tomadas pela UE

A crise económica teve um impacto negativo nas finanças públicas e nos projectos que exigem investimentos a longo prazo. Assim, em 2010, no âmbito do plano de relançamento da economia, a Comissão prevê conduzir cinco acções específicas para melhorar a implementação das PPP:

  • estabelecer um grupo de diálogo e de intercâmbio entre os agentes envolvidos numa PPP;
  • aumentar os recursos financeiros disponíveis, através dos instrumentos europeus existentes e criando instrumentos específicos;
  • assegurar a igualdade de tratamento dos gestores públicos e privados em caso de financiamento europeu;
  • promover a inovação, permitindo, nomeadamente, que a UE participe em organismos de direito privado e invista directamente nos projectos;
  • propor um novo instrumento jurídico relativo às concessões de serviços públicos efectuadas ao sector privado.

A Comissão deve também avaliar uma série de medidas suplementares antes do final de 2011. Trata-se de:

  • alargar o âmbito de aplicação dos instrumentos financeiros europeus;
  • concluir a avaliação de impacto relativa à iniciativa em matéria de atribuição das concessões de serviços;
  • melhorar as práticas contabilísticas;
  • divulgar os conhecimentos e o saber-fazer relevantes;
  • apoiar as tecnologias de informação e comunicação, bem como a inovação.
Última modificação: 15.04.2010

Veja também

  • O sítio Web da Direcção-Geral do Mercado Interno e dos Serviços da Comissão Europeia sobre as parcerias público-privadas (DE) (EN) (FR)
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página