RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Estratégia para a igualdade de género na política de desenvolvimento

A Comissão apresenta directrizes para melhorar a integração da igualdade dos sexos e reforçar o papel das mulheres na política de cooperação para o desenvolvimento da União Europeia (UE). Além disso, propõe acções concretas nos domínios onde a desigualdade é maior nos países em desenvolvimento.

ACTO

Comunicação da Comissão ao Parlamento Europeu e ao Conselho, de 8 de Março de 2007 - Igualdade de género e empoderamento das mulheres no âmbito da cooperação para o desenvolvimento [COM(2007) 100 final - Não publicada no Jornal Oficial].

SÍNTESE

A igualdade de oportunidades é um factor essencial para o desenvolvimento sustentável, nomeadamente nos domínios onde esta desigualdade é maior nos países em desenvolvimento, ou seja:

  • o emprego e as actividades económicas, porque a maior parte das mulheres trabalham em sectores informais, com uma produtividade e um rendimento baixos, difíceis condições de trabalho e uma protecção social limitada ou inexistente;
  • a governação, porque em vários países as mulheres são marginalizadas na tomada de decisões. A fim de proteger os direitos fundamentais das mulheres, a legislação que assegura a igualdade dos direitos dos sexos deve ser aplicada efectivamente;
  • o acesso à educação, onde a desigualdade entre homens e mulheres está, nomeadamente, ligada às tarefas domésticas diárias impostas às mulheres;
  • a saúde, porque as mulheres têm um acesso limitado aos serviços sanitários de base, em especial no que diz respeito à saúde reprodutiva e sexual;
  • a violência contra as mulheres.

A Comissão reconhece que se registaram importantes progressos para a igualdade dos géneros na cooperação para o desenvolvimento. Esta faz cada vez mais parte do diálogo com os países parceiros, bem como das consultas da UE à sociedade civil. Além disso, a realização de projectos e programas sobre a igualdade dos géneros e o reforço das capacidades dos Estados-Membros e da Comissão registaram grandes progressos.

No entanto, a Comissão salienta que persistem alguns desafios no que se refere:

  • à realização dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio (ODM), nomeadamente no caso da eliminação das disparidades entre raparigas e rapazes no ensino primário e secundário. Além disso, os ODM têm uma abordagem limitada às dimensões “saúde” e “educação” da igualdade de género e negligenciam outras dimensões da igualdade;
  • à presença de obstáculos de natureza social e cultural, ligados às estruturas sociais tradicionais que não favorecem a modificação da divisão tradicional do poder entre os homens e as mulheres;
  • à plena integração da igualdade entre os homens e as mulheres nas estratégias nacionais e na implementação da cooperação para o desenvolvimento da UE.

Objectivos da estratégia

O primeiro objectivo da estratégia da UE é melhorar a eficácia da integração das questões relativas à igualdade de género. As acções deste objectivo estruturam-se em torno de três eixos:

  • a nível político, a Comissão sublinha a importância de discutir as questões da igualdade de género ao nível mais elevado com os países parceiros;
  • na cooperação para o desenvolvimento, a Comissão propõe:
    1. estabelecer um diálogo eficaz com os principais intervenientes na preparação das estratégias nacionais e dos programas de ajuda;
    2. instaurar mecanismos de responsabilização recíproca;
    3. utilizar indicadores de desempenho;
    4. condicionar a concessão de estímulos financeiros a indicadores que tenham em conta as diferenças de género;
  • a nível do reforço das capacidades institucionais, a Comissão recomenda utilizar instrumentos práticos nas fases de avaliação e de aplicação. Além disso, salienta a necessidade de fornecer aos países parceiros e ao pessoal um melhor acesso à informação e às boas práticas, bem como uma formação para os problemas da igualdade de género.

O segundo objectivo é reorientar as acções específicas nos países parceiros para favorecer a emancipação das mulheres. A Comissão identificou, em especial, os seguintes domínios de acção:

  • governação, nomeadamente a emancipação política das mulheres, a promoção dos direitos humanos, o desenvolvimento de indicadores para medir a desigualdade dos géneros, a valorização do papel das mulheres em situações de conflito e pós-conflito;
  • emprego e actividades económicas, nomeadamente a promoção da emancipação económica e social das mulheres bem como da igualdade de tratamento entre trabalhadores masculinos e femininos, a análise do orçamento consagrado ao problema da igualdade entre homens e mulheres e a gestão das finanças públicas com base numa perspectiva de igualdade dos sexos;
  • ensino, nomeadamente a supressão das propinas escolares, a adopção de medidas de estímulo à escolarização das raparigas, a melhoria do ambiente escolar, a tomada de consciência da igualdade dos sexos entre os adolescentes, bem como a alfabetização dos adultos;
  • saúde, nomeadamente a promoção de sistemas de protecção social para as mulheres pobres e a protecção da saúde sexual e reprodutiva (por exemplo, mediante campanhas de prevenção do HIV/SIDA e a formação de parteiras tradicionais para reduzir a mortalidade materna e infantil nas zonas rurais);
  • violência contra as mulheres, nomeadamente a reforma da legislação na matéria, a protecção das vítimas, a sensibilização nos meios de comunicação social, bem como a educação e a formação do pessoal militar e judicial.

Execução

A Comissão salienta a importância da apropriação das acções de cooperação para o desenvolvimento pelas próprias mulheres beneficiárias, através da participação das organizações da sociedade civil (OSC) e das organizações de base comunitária. A UE deve favorecer, em especial, a emergência de OSC que apoiem a igualdade de género onde não exista e assegurar o reforço das capacidades das OSC existentes.

O financiamento da ajuda deve ser atribuído em função das melhorias nos indicadores de medição das desigualdades homens-mulheres. Além disso, a dimensão homem-mulher deve ser integrada na elaboração dos orçamentos de países parceiros a nível nacional e local. Para o efeito, é necessário estabelecer novas prioridades em matéria de despesas, reorientar os programas nos sectores a fim de assegurar a igualdade de género, bem como controlar as receitas e as despesas públicas.

As estratégias nacionais de redução da pobreza devem analisar a situação de um país em matéria de igualdade homens-mulheres a fim de compreender todas as suas implicações para o crescimento e a pobreza. A Comissão salienta que estas estratégias nacionais deveriam aceitar uma concepção mais ampla da pobreza, que ultrapasse a simples falta de recursos financeiros. Devem, além disso, aceitar a contribuição da sociedade civil para a formulação e o acompanhamento das estratégias.

Finalmente, a Comissão salienta a importância da coordenação e da harmonização com os Estados-Membros, através de reuniões regulares e do intercâmbio de boas práticas. Além disso, a UE continuará a promover o debate sobre a igualdade de género a nível internacional e regional salientando, em especial, a importância de não se restringir aos domínios da saúde e da educação.

Acções específicas por parte da Comissão

Para aplicar esta estratégia, a Comissão propõe acções em três domínios:

  • programação a nível nacional (estratégias nacionais e regionais), nomeadamente:
    1. o desenvolvimento de orientações suplementares de programação;
    2. a avaliação sistemática das questões de género nas estratégias nacionais;
    3. a adaptação das estratégias segundo os resultados destas avaliações;
    4. o estabelecimento de parcerias com as organizações internacionais competentes (como o Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher - UNIFEM - e a Organização Internacional do Trabalho - OIT), que têm uma vasta experiência na integração das questões de igualdade de género nos seus programas;
  • os programas temáticos plurianuais no âmbito das perspectivas financeiras 2007-2013, que podem apoiar a igualdade de género nos domínios dos recursos humanos, do ambiente e da segurança alimentar;
  • outros instrumentos financeiros para apoiar a igualdade de género, nomeadamente o Instrumento europeu para a democracia e os direitos humanos e o Instrumento de Estabilidade.

Contexto

Em 2001, o “Programa de acção para a integração da igualdade entre as mulheres e os homens na cooperação para o desenvolvimento da Comunidade 2001-2006” (DE Deutsch (de) English (en) español (es) français (fr) ) (EN Deutsch (de) English (en) español (es) français (fr) ) (ES Deutsch (de) English (en) español (es) français (fr) ) (FR Deutsch (de) English (en) español (es) français (fr) ) lançou as bases de um reforço das capacidades da Comissão Europeia neste domínio.

Seguidamente, o Regulamento (CE) n.º 1567/2003 do Parlamento Europeu e do Conselho, que caducou em 31 de Dezembro de 2006, estabeleceu um quadro financeiro para a realização de acções no âmbito da saúde e dos direitos em matéria de reprodução e sexualidade.

Além disso, o Regulamento (CE) n.º 806/2004 do Parlamento Europeu e do Conselho, que caducou em 31 de Dezembro de 2006, previa um orçamento de 9 milhões de euros para o financiamento de acções específicas neste domínio. Finalmente, o Consenso Europeu de 2005 identificou a igualdade homens-mulheres entre os objectivos fundamentais para a redução da pobreza.

ACTOS RELACIONADOS

Documento de trabalho da Comissão, de 8 de Março de 2010, relativo ao “Plano de acção sobre a igualdade de género e a emancipação das mulheres no âmbito do desenvolvimento” [SEC(2010) 265 final – Não publicado no Jornal Oficial].
A Comissão apresentou um plano de acção 2010-2015 com vista a implementar a estratégia da Comunicação acima mencionada de forma a reforçar a promoção da igualdade entre os homens e as mulheres nos países em desenvolvimento. Este plano de acção permite atingir os objectivos de desenvolvimento do milénio (ODM) e os objectivos da Convenção das Nações Unidas sobre a Eliminação de todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres.
Nesta óptica, a Comissão deve nomeadamente:

  • desenvolver a capacidade de acção da UE e o seu papel enquanto actor principal na defesa da igualdade de género a nível mundial;
  • abordar a igualdade de género no âmbito do diálogo político entre a UE e os países em desenvolvimento;
  • integrar a promoção da igualdade de género nos projectos financiados pela UE e elaborar indicadores fiáveis para avaliar os progressos realizados;
  • incentivar a participação da sociedade civil dos países em desenvolvimento;
  • melhorar a gestão e a transparência dos financiamentos europeus;
  • apoiar a acção da ONU em prol da protecção das mulheres nos conflitos, através da implementação da Resolução “Mulheres, paz e segurança” das Nações Unidas (Resoluções 1325 de 2000 e 1889 de 2009).
Última modificação: 19.08.2010
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página