RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 8 idiomas

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Promover a solidariedade entre as gerações

A Comissão Europeia faz o balanço da evolução das políticas nacionais de apoio à vida familiar e destaca o contributo da estratégia de Lisboa para a sua modernização, designadamente no que respeita à melhoria da conciliação entre vida profissional e vida familiar. O seu objectivo é preservar a solidariedade entre as gerações, propondo instrumentos que permitam o desenvolvimento da Aliança Europeia das Famílias.

ACTO

Comunicação da Comissão ao Conselho, ao Parlamento Europeu, ao Comité Económico e Social Europeu e ao Comité das Regiões, de 10 de Maio de 2007, intitulada «Promover a solidariedade entre as gerações» [COM(2007) 244 final - Não publicado no Jornal Oficial].

SÍNTESE

Os desafios ligados à evolução demográfica preocupam os Estados-Membros e a União Europeia (UE), que procuram reforçar a solidariedade intergeracional e permitir aos cidadãos realizarem os seus projectos familiares. Os Estados-Membros detêm a competência exclusiva em matéria de políticas de apoio à família. Não obstante, a UE tem um papel importante a desempenhar com vista à modernização e ao sucesso dessas políticas, especialmente com base na estratégia de Lisboa para o crescimento e o emprego. Com efeito, esta estratégia coloca a tónica no emprego das mulheres e na igualdade entre homens e mulheres, propondo uma melhoria da conciliação entre vida profissional e familiar.

Evolução e adaptação das políticas de apoio à família nos Estados-Membros

As diversas políticas de apoio à vida familiar nos países da UE comportam três dimensões principais, desenvolvidas de forma diferente consoante os países:

  • compensação das várias despesas ligadas à família;
  • serviços de apoio aos pais nas áreas da educação e do acolhimento de crianças , bem como os serviços de cuidados a pessoas dependentes numa sociedade em envelhecimento;
  • melhoria das condições de trabalho, tais como a flexibilidade dos horários e o acesso aos serviços a nível local.

Os Estados-Membros procederam a uma adaptação, que tem em conta o contexto social e cultural em plena evolução. O equilíbrio das sociedades europeias assenta, de facto, num conjunto de acções solidárias cada vez mais complexas entre as gerações. Logo à partida, podem distinguir-se três modelos de adaptação:

  • as políticas de apoio à família inscrevem-se num conjunto de acções públicas que influenciam a situação das famílias, tais como as políticas de educação, de inserção social e profissional, da juventude, do emprego, dos transportes, da saúde, etc.;
  • os modos de intervenção evoluem, a fim de promover os incentivos ao trabalho e garantir formas de sair de situações de pobreza;
  • as políticas visam um aumento da participação das mulheres no emprego sem interrupções importantes e um envolvimento acrescido dos homens nas responsabilidades familiares e domésticas.

De um modo geral, os países que instituíram políticas globais em prol da igualdade de oportunidades entre homens e mulheres, que investiram na qualidade dos serviços como o acolhimento de crianças e que favoreceram uma certa flexibilidade no tempo de trabalho apresentam níveis mais elevados de natalidade e de emprego.

Papel das políticas de emprego da UE

A UE procura ter em conta os efeitos das próprias políticas nas relações familiares e na qualidade de vida dos membros de uma família. Neste contexto, a conciliação entre vida familiar, privada e profissional constitui um eixo fundamental das políticas europeias de emprego, a fim de garantir a igualdade de oportunidades no acesso ao emprego de homens e mulheres. Esta política é, pois, determinante para a realização dos projectos familiares dos cidadãos europeus.

Iniciativas futuras

O aumento da participação das mulheres no emprego e a perspectiva da igualdade de oportunidades são essenciais ao desenvolvimento da estratégia de Lisboa. Esta estratégia propõe, com efeito, um quadro concreto para a conciliação da vida profissional, familiar e privada.

Paralelamente à presente comunicação, a Comissão propõe diversas iniciativas neste domínio, a saber:

  • dar aos parceiros sociais a possibilidade de se pronunciarem sobre o conteúdo das propostas destinadas a contribuir para uma melhor conciliação entre vida profissional e privada,
  • realizar acções para dar resposta às exortações do Conselho no sentido de dar maior importância ao combate à pobreza infantil,
  • lançar uma reflexão sobre a qualidade dos serviços prestados às pessoas idosas dependentes e a protecção contra os maus tratos a estes últimos, bem como sobre medidas susceptíveis de ser adoptadas a nível europeu para modernizar as infra-estruturas e os serviços destinados a colmatar os efeitos do envelhecimento.

A plataforma da Aliança Europeia das Famílias

A Aliança Europeia das Famílias tem por objectivo favorecer o intercâmbio de experiências e a parceria entre os Estados-Membros empenhados na modernização das respectivas políticas de apoio à família. Assume a forma de uma plataforma de intercâmbios sobre as políticas favoráveis às famílias que procuram dar resposta aos desafios da evolução demográfica. Os principais instrumentos desenvolvidos pela Comissão neste contexto são:

  • um grupo de alto nível, constituído por peritos governamentais, dedicado às questões demográficas, com a missão de aconselhar e assistir a Comissão na preparação e na aplicação de diferentes acções de análise e de intercâmbio de experiências;
  • fóruns bienais para fazer o balanço da situação demográfica, apoiados por redes europeias, nacionais, regionais e locais;
  • um observatório de boas práticas em matéria de políticas de apoio à família;
  • dispositivos de investigação sobre as questões relativas à demografia e às famílias, designadamente através do sétimo programa -quadro de investigação e desenvolvimento tecnológico e do programa-quadro para a inovação e a competitividade. A Comissão pretende realizar, em 2008, um inquérito Eurobarómetro sobre a situação das famílias e cooperar no desenvolvimento da base de dados sobre as famílias elaborada pela OCDE;
  • a mobilização dos Fundos Estruturais Europeus. Para tal, será elaborado um guia prático de ajuda aos agentes locais nos Estados-Membros, que lhes permitirá utilizar concretamente os Fundos Estruturais para apoiar os respectivos programas de modernização das políticas de apoio à família.

Contexto

A comunicação de Outubro de 2006 sobre o futuro demográfico da Europa enuncia os objectivos e as medidas que vão no sentido de um aumento do emprego e de uma participação acrescida no mercado de trabalho das mulheres, dos jovens e dos trabalhadores mais velhos, de melhores desempenhos económicos, de uma organização mais eficaz dos fluxos migratórios, de um equilíbrio das finanças públicas e da promoção da renovação demográfica. A presente comunicação constitui o seguimento desse documento, ao propor instrumentos para assegurar a renovação demográfica e reforçar a solidariedade intergeracional.

Última modificação: 07.02.2008
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página