RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 15 idiomas
Novos idiomas disponíveis:  CS - HU - PL - RO

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Destacamento de trabalhadores no âmbito de uma prestação de serviços

A União Europeia pretende eliminar as incertezas e os obstáculos susceptíveis de prejudicar o exercício da livre prestação de serviços, aumentando a segurança jurídica e permitindo identificar as condições de trabalho em vigor no Estado-Membro para cujo território o trabalhador é destacado que são aplicáveis aos trabalhadores destacados.

ACTO

Directiva 96/71/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 16 de Dezembro de 1996, relativa ao destacamento de trabalhadores no âmbito de uma prestação de serviços [Ver Actos Modificativos].

SÍNTESE

A directiva é aplicável, desde que durante o período de destacamento exista uma relação de trabalho entre a empresa destacadora e o trabalhador, sempre que as empresas, no âmbito de uma prestação transnacional de serviços, destaquem um trabalhador para o território de um Estado-Membro:

  • Por sua conta e sob a sua direcção, no âmbito de um contrato celebrado entre a empresa destacadora e o destinatário da prestação de serviços.
  • Para um estabelecimento ou uma empresa do grupo.
  • Na qualidade de empresa de trabalho temporário, para uma empresa utilizadora.

Para efeitos da directiva, entende-se por trabalhador destacado qualquer trabalhador que, por um período limitado, trabalhe no território de um Estado-Membro diferente do Estado onde habitualmente exerce a sua actividade. A noção de trabalhador é a que se aplica no direito do Estado-Membro em cujo território o trabalhador está destacado.

Condições de trabalho

Os Estados-Membros providenciarão no sentido de que as empresas garantam aos trabalhadores destacados um núcleo duro de regras imperativas de protecção fixadas no território do Estado-Membro onde o trabalho for executado:

  • Por disposições legislativas, regulamentares ou administrativas e/ou;
  • Por convenções colectivas ou decisões arbitrais * declaradas de aplicação geral na medida em que são relativas às actividades visadas em anexo da directiva.

As condições de trabalho e de emprego a garantir são as seguintes:

  • Períodos máximos de trabalho e períodos mínimos de descanso.
  • Duração mínima das férias anuais remuneradas.
  • Remunerações salariais mínimas, incluindo as bonificações relativas a horas extraordinárias.
  • Condições de disponibilização dos trabalhadores, nomeadamente por empresas de trabalho temporário.
  • Segurança, saúde e higiene no trabalho.
  • Medidas de protecção aplicáveis às condições de trabalho e emprego das mulheres grávidas e das puérperas, das crianças e dos jovens.
  • Igualdade de tratamento entre homens e mulheres, bem como outras disposições em matéria de não discriminação.

Derrogações

Os Estados-Membros podem derrogar a aplicação imediata das disposições relativas a:

  • Salário mínimo quando se trate de trabalhos de duração não superior a um mês e desde que os mesmos não sejam realizados por empresas de disponibilização de trabalhadores.
  • Salário mínimo e férias quando se trate de trabalhos considerados de «reduzido volume» e desde que os mesmos não sejam realizados por empresas de disponibilização de trabalhadores.
  • Salário mínimo e férias quando se trate de trabalhos de montagem inicial e/ou de instalação de um bem fornecido, cuja duração não seja superior a oito dias, não se aplicando todavia esta derrogação ao sector da construção.

Cálculo do salário

Considera-se que fazem parte do salário mínimo os subsídios e abonos inerentes ao destacamento que não tenham sido pagos a título de reembolso das despesas efectivamente efectuadas por força do destacamento.

Igualdade de tratamento

Os Estados-Membros podem prever que as empresas garantam aos trabalhadores destacados a título temporário o benefício das condições aplicáveis aos trabalhadores temporários no Estado-Membro onde é efectuado o trabalho.

Cooperação em matéria de informação e dever de informar

Os Estados-Membros designarão um ou mais serviços de ligação ou uma ou mais instâncias nacionais competentes e devem comunicá-los aos outros Estados-Membros e à Comissão.

Os Estados-Membros preverão uma cooperação entre as administrações públicas que, segundo a legislação nacional, sejam competentes para a inspecção das condições de trabalho e emprego. A assistência administrativa recíproca será prestada gratuitamente.

Cada Estado-Membro tomará as medidas apropriadas para que as informações relativas às condições de trabalho e emprego sejam geralmente acessíveis e para que os trabalhadores e/ou os seus representantes disponham de processos adequados para garantir o cumprimento das obrigações previstas na directiva.

Se necessário, os Estados-Membros tomarão igualmente medidas apropriadas em caso de incumprimento dessas condições de trabalho e emprego.

Meios de recurso

A fim de fazer valer o direito às condições de trabalho e emprego asseguradas pela directiva, pode ser instaurada uma acção num tribunal do Estado-Membro em cujo território o trabalhador esteja ou tenha estado destacado.

Contexto

A União Europeia propõe-se eliminar as incertezas e os obstáculos susceptíveis de dificultar o exercício da livre prestação de serviços, previsto pelo artigo 49.º do Tratado CE, aumentando a protecção dos trabalhadores destacados.

No entanto, aquando dos dois últimos alargamentos da UE em 2004 e 2007, os actos de adesão instauraram disposições transitórias destinadas à Alemanha e à Áustria. Estas disposições permitem-lhes prevenir perturbações em certos sectores sensíveis e limitar o destacamento de trabalhadores no contexto de uma prestação de serviços enquanto praticarem restrições à livre circulação de trabalhadores e após terem informado do facto a Comissão. Os novos Estados-Membros podem, por seu lado, adoptar medidas recíprocas na medida em que a Alemanha e a Áustria apliquem derrogações ao artigo 49.º do Tratado CE.

As disposições transitórias que permitem aos Estados-Membros restringir o acesso ao mercado de trabalho no que diz respeito aos nacionais dos novos Estados-Membros, com excepção de Chipre e Malta, não permitem aos Estados-Membros derrogar o artigo 49.º do Tratado CE e, portanto, restringir o destacamento dos trabalhadores.

Palavras-chave do acto
  • Convenções colectivas ou decisões arbitrais declaradas de aplicação geral: devem ser cumpridas por todas as empresas pertencentes ao sector ou à profissão em causa e abrangidas pelo seu âmbito de aplicação territorial.

REFERÊNCIAS

ActoEntrada em vigor - Data do termo de vigênciaPrazo de transposição nos Estados-MembrosJornal Oficial
Directiva 96/71/CE [adopção: co-decisão COD/1991/346]

10.2.1997

16.12.1999

JO L 18 de 21.1.1997

Acto(s) modificativo(s)Entrada em vigorPrazo de transposição nos Estados-MembrosJornal Oficial
Anexos V , VI , VIII , IX , X , XII , XIII e XIV : Listas referidas nos artigos 24.º dos actos de adesão à União Europeia da República Checa, da República da Estónia, da República da Letónia, da República da Lituânia, da República da Hungria, da República da Polónia, da República da Eslovénia e da República Eslovaca.

1.5.2004

-

JO L 326 de 23.9.2003

Acto relativo às condições de adesão da República da Bulgária e da Roménia e às adaptações dos Tratados em que se funda a União Europeia [Jornal Oficial L 157 de 21.06.2005].

1.1.2007

-

JO L 157 de 21.6.2005

Os actos modificativos e as sucessivas correcções da directiva 96/71/CE foram integrados no texto de base. Essa versão consolidada (FR ) tem apenas valor documental.

ACTOS RELACIONADOS

IMPLEMENTAÇÃO EFECTIVA DA DIRECTIVA/ACOMPANHAMENTO

Comunicação da Comissão ao Parlamento Europeu, ao Conselho, ao Comité Económico e Social Europeu e ao Comité das Regiões – Destacamento de trabalhadores no âmbito de uma prestação de serviços – Maximizar os benefícios e potencialidades e simultaneamente garantir a protecção dos trabalhadores [COM(2007) 304 final – Não publicada no Jornal Oficial].
A Directiva 96/71/CE assegura um elevado nível de segurança jurídica aos prestadores de serviços, aos trabalhadores destacados e aos utilizadores de serviços. A presente comunicação dá conta da aplicação daquela directiva nos Estados-Membros.

A Comissão sublinha a importância do acesso à informação e da cooperação administrativa entre o Estado de origem e o Estado de acolhimento. Os progressos atingidos nestes domínios deverão permitir eliminar os obstáculos à livre prestação de serviços. No entanto, os avanços são insuficientes e os trabalhadores não têm informação suficiente quanto aos seus direitos.

Continuam, igualmente, a existir obstáculos relativos aos trabalhadores destacados nacionais de países terceiros que podem estar sujeitos a obrigações de apresentação de visto ou de autorização de residência. Ora, no caso em que o prestador de serviços se encontra sedeado num Estado-Membro, não deveria ser exigida qualquer formalidade administrativa ou condição suplementar.

Poderão, por isso, ser necessárias determinadas medidas para garantir a protecção dos trabalhadores destacados e o respeito pelos interesses gerais, desde que as mesmas sejam proporcionais e justificadas. Trata-se, nomeadamente, de determinadas medidas de controlo implementadas ao nível nacional e respeitantes ao artigo 49.º do Tratado CE sobre a livre prestação de serviços.

Comunicação da Comissão de 4 de Abril de 2006 «Orientações relativas ao destacamento de trabalhadores no âmbito de uma prestação de serviços» [COM(2006) 159 final – Não publicada no Jornal Oficial].

Comunicação da Comissão de 25 de Julho de 2003 relativa à aplicação da Directiva 96/71/CE nos Estados-Membros [COM(2003) 458 final – Não publicada no Jornal Oficial].

Última modificação: 09.10.2009
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página