RSS
Índice remissivo
Esta página está disponível em 10 idiomas

We are migrating the content of this website during the first semester of 2014 into the new EUR-Lex web-portal. We apologise if some content is out of date before the migration. We will publish all updates and corrections in the new version of the portal.

Do you have any questions? Contact us.


Promover a plena participação dos jovens na educação, no emprego e na sociedade

Arquivos

Face ao envelhecimento da população, a educação e a inserção profissional dos jovens constituem desafios importantes para todos os cidadãos europeus. A este respeito, a integração socioprofissional dos jovens passa por um investimento significativo na educação e na saúde dos jovens, por uma maior participação dos jovens na vida cívica e por medidas aptas a favorecer a transição entre a educação e o mundo do trabalho.

ACTO

Comunicação da Comissão ao Parlamento Europeu, ao Conselho, ao Comité Económico e Social Europeu e ao Comité das Regiões, de 5 de Setembro de 2007 - Promover a plena participação dos jovens na educação, no emprego e na sociedade [COM(2007) 498 final - Não publicado no Jornal Oficial]

SÍNTESE

O balanço da evolução das condições gerais em que se encontram os jovens na União Europeia (UE) continua mitigado. A Comissão sublinha a necessidade de investir mais e mais cedo a fim de reforçar a integração dos jovens europeus na sociedade.

O quadro político criado pelo pacto europeu da juventude (castellanodeutschenglishfrançais)em 2005 não é suficiente para ajudar os jovens a fazer face às dificuldades com que se vêem confrontados. A presente comunicação insiste na importância que urge atribuir aos jovens nas políticas de inclusão social e nas políticas associadas à estratégia renovada de Lisboa para o crescimento e o emprego.

A Comissão propõe uma estratégia transversal assente na cooperação entre os responsáveis políticos e as diversas partes interessadas a nível europeu, nacional, regional e local. Esta estratégia traduz-se por uma série de iniciativas destinadas a incentivar os Estados-Membros a promover a plena participação dos jovens na sociedade, criando pontes entre o ensino e o mercado de trabalho.

A educação dos jovens e a transição para o mercado de trabalho

A transição dos jovens para o mercado de trabalho faz-se essencialmente através do sistema educativo. Porém, o abandono escolar na UE atinge cerca de um em cada seis jovens. As lacunas dos alunos nas competências de base (leitura e cálculo) persistem sensivelmente ao mesmo nível, sendo essa transição também dificultada por causa das inadequações entre os resultados da educação e o mercado de trabalho.

Para que o sistema educativo possa ser considerado como um meio de preparar os jovens para entrar no mercado de trabalho, deixando-os aptos a prosseguir uma educação ao longo da vida, os Estados-Membros são convidados a:

  • insistir no desenvolvimento das competências essenciais (castellanodeutschenglishfrançais)desde a educação infantil, no âmbito das estratégias nacionais de aprendizagem ao longo da vida;
  • modernizar o ensino superior nos aspectos de gestão, financiamento e programas de estudos.
  • reforçar os laços entre a educação e as exigências do mercado de trabalho, por exemplo mediante a criação de melhores serviços de orientação ou favorecendo as parcerias entre os estabelecimentos de ensino e o mundo do trabalho;
  • desenvolver um instrumento comunitário para a transparência das qualificações e das competências dos jovens no quadro do Europass e aplicar o quadro europeu das qualificações.

Os jovens e o emprego

Na UE, um jovem em cada três (dos 15 aos 24 anos) continua sem emprego um ano após ter deixado o sistema educativo. A taxa de desemprego dos jovens mantém-se demasiado elevada e constitui uma perda considerável de recursos. A probabilidade de estes jovens estarem desempregados é duas vezes superior à dos jovens adultos da faixa etária dos 25-29 anos. As mulheres jovens estão sobre-representadas nesta categoria.

A fim de favorecer a transição dos jovens entre o ensino e o mercado de trabalho, os Estados-Membros são convidados a:

  • valorizar a mobilidade e a possibilidade de os jovens procurarem um emprego no estrangeiro graças ao instrumento EURES e à iniciativa « O teu primeiro emprego no estrangeiro »;
  • estabelecer estratégias de flexigurança que visem não só conferir maior segurança aos percursos e melhores condições de emprego dos jovens a partir do próximo ciclo da estratégia de Lisboa (a partir de 2008), mas também uma maior consideração dos jovens no âmbito dos programmes nationaux de réforme (castellanodeutschenglishfrançais);
  • definir quadros adequados para os estágios, que devem estar estreitamente associados ao programa de estudos, de resto, a Comissão irá propor em 2008 a adopção de uma «carta europeia de qualidade dos estágios»;
  • encorajar o o empreendedorismo entre os jovens (castellanodeutschenglishfrançais), privilegiando a formação para o empreendedorismo (castellanodeutschenglishfrançais);
  • recorrer aos fundos da União Europeia (Fundo Social Europeu, Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional, etc.) para apoiar os jovens na transição entre o ensino e o mundo do trabalho e reduzir as disparidades regionais neste domínio.

Promover a inclusão social

A inclusão social dos jovens e a respectiva integração profissional são complementares. A este respeito, os Estados-Membros são convidados a:

  • intensificar a luta contra a pobreza infantil e promover a igualdade de oportunidades e de sexos no ensino;
  • levar à prática acções adaptadas de promoção da saúde dos jovens, tendo em conta as questões que os afectam como o álcool, a droga, o tabaco, a nutrição, a saúde mental, etc.

Participação dos jovens na vida cívica

O empenhamento activo dos jovens na sociedade seria propiciado pelos seguintes factores:

  • a participação dos jovens num diálogo permanente entre os responsáveis políticos no quadro de iniciativas como a cimeira europeia da juventude «A tua Europa», realizada em Roma em Março de 2007, ou a valorização das actividades culturais de incentivo da cidadania activa;
  • o reconhecimento das actividades de voluntariado (castellanodeutschenglishfrançais)como o Serviço Voluntário Europeu;
  • uma parceria reforçada entre a Europa e os jovens através do Fórum Europeu da Juventude (EN) (FR) e a elaboração de um relatório trienal da União Europeia sobre a juventude para acompanhar e melhorar a compreensão das questões em jogo.

Contexto

A presente comunicação aprofunda as principais medidas do Pacto Europeu para a Juventude e vem no seguimento das orientações para as políticas de emprego e dos objectivos da Agenda para a política social.

A Comissão apoia-se no quadro político para a juventude que foi instituído desde o Livro Branco « Um novo impulso à juventude europeia ».

Última modificação: 27.11.2007
Advertência jurídica | Sobre este sítio | Pesquisa | Contacto | Topo da página